2 de março de 2020. Confinamentos, recordes, três vagas e um “milagre” depois

José Sena Goulão / Lusa

O primeiro caso de covid-19 em Portugal foi registado há precisamente um ano. 365 dias depois, o medo esfumou-se, mas a incerteza permanece.

A 2 de março de 2020 foram confirmados em Portugal os primeiros casos de infeção de covid-19. Esta terça-feira, um ano depois do início de uma pandemia que continua a devastar o mundo, Portugal regista, no total, 804.956 casos confirmados, 16.351 óbitos, mais de 720 mil recuperados e 68.370 casos ativos.

Não são os únicos, mas são os principais números que marcam o último ano dos portugueses, que se viram mergulhados numa crise sanitária que não avisou, antecipadamente, que ia chegar. Colocou a nossa vida em suspenso, impediu-nos de abraçar família e amigos, mudou a forma como trabalhamos e deu-nos a conhecer o mundo por trás de um ecrã.

Os alarmes soaram numa segunda-feira, mas o tsunami depressa abalou todo o território nacional. Aquele que era, no início, apelidado de “vírus chinês” foi confirmado em Portugal no dia 2 de março: tratava-se de um médico que esteve de férias no norte de Itália (uma região muito penalizada pela pandemia) e de um homem que esteve em Espanha.

Os dois pacientes infetados foram internados em hospitais do Porto – um no Hospital de Santo António e outro no Hospital de São João, com o norte a dar o tiro de partida naquela que seria uma das maratonas mais difíceis de completar.

Quinze dias depois, a 16 de março de 2020, as autoridades de saúde confirmaram a primeira vítima mortal. Marta Temido anunciou, numa conferência de imprensa, a morte de um homem de 80 anos, com vários problemas de saúde associados, que estava internado no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

Foi a primeira de milhares de vidas perdidas para um vírus inimigo.

“Esta é uma verdadeira guerra”

No dia 18 de março do ano passado, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou ao país “uma decisão excecional num tempo excecional” – aquele que seria o primeiro estado de emergência para fazer face ao que considerou ser “uma verdadeira guerra” que iria demorar a atingir o pico.

A pandemia de covid-19 “vai ser mais intensa, vai durar mais tempo” do que as que “já conhecemos na nossa democracia”, disse, na altura, o chefe de Estado.

“Está a ser, e vai ser, um teste nunca vivido ao nosso Serviço Nacional de Saúde e sociedade portuguesa, chamada a uma contenção e tratamento em família sem precedentes. Um desafio enorme para a nossa maneira de viver e economia”, acrescentou.

Desde então, Portugal soma já 12 estados de emergência (o último dos quais a iniciar esta terça-feira).

Em meados de março, o país fechou-se em casa, as escolas encerraram, os estabelecimentos de serviços não-essenciais fecharam portas e os voos para Espanha e Itália foram suspensos. A pandemia continuou a ganhar terreno e, em abril, Portugal atingiu o pico da primeira vaga.

Depois de um período tumultuoso e de uma semana crítica (entre 30 de março e 5 de abril), os números começaram a desacelerar. No final de abril, o Governo apresentou o plano do desconfinamento, dividido em três fases.

Nessa altura, a atuação de Portugal foi elogiada lá fora e Marcelo Rebelo de Sousa chegou a falar num “milagre português“.

No dia 30 de abril, o Governo aprovou um plano de transição da emergência para uma situação de calamidade: os serviços culturais começaram a abrir, os transportes públicos começaram a circular com menos pessoas, as máscaras passaram a ser obrigatórias, os ajuntamentos de mais de 10 pessoas foram proibidos e o teletrabalho continuou (com muitos a defenderem, ainda hoje, que é nele que reside o futuro das empresas).

O suspiro de alívio no verão e a segunda vaga

No verão, o alívio e a estabilização dos números. Com a diminuição do número de casos diários e de óbitos, houve também uma redução progressiva das restrições no país em junho, julho e agosto. Em setembro, o arranque do ano letivo levou o Governo de António Costa a mudar de ideias.

Tal como se previa, os números voltaram a aumentar, na sequência do aumento de deslocações e, em meados de outubro, foi declarado estado de calamidade com medidas mais restritivas. Dia 23 de outubro, o Parlamento aprovou o uso obrigatório de máscara em espaços públicos, com coimas entre 100 e 500 euros para os incumpridores.

Em novembro, o Presidente da república viu-se obrigado a decretar um novo estado de emergência, para fazer frente a uma segunda vaga que se veio a revelar mais mortífera do que a primeira. Apesar de a taxa de mortalidade ter sido elevada em novembro, foi o mês de dezembro o mais mortal.

O pico da mortalidade da segunda onda foi registado no mês em que se comemora o Natal e no mês em que Portugal dava os primeiros passos do plano de vacinação. Mesmo assim, a pandemia insistiu em não dar tréguas.

Do milagre ao pesadelo: o pós-Natal

Em janeiro de 2021, os casos de infeção, os óbitos e os internamentos dispararam na sequência do alívio das medidas restritivas no Natal.

A 15 de janeiro, o Governo avançou com um novo confinamento geral, que não foi suficiente para travar a escalada de casos. A partir de 22 de janeiro, as escolas foram encerradas e as atividades letivas suspensas durante 15 dias.

O pior dia da pandemia foi registado a 28 de janeiro: Portugal registou 303 óbitos num só dia e 16.432 novas infeções.

O crescimento da pandemia nesta terceira vaga pode ser explicado pelo alívio das medidas no Natal e pela variante britânica, mais contagiosa do que a estirpe “original” do vírus Sars-Cov-2. Os números refletiram-se em consequências reais para o Serviço Nacional de Saúde (SNS), que atingiu o pico de internamentos a 1 de fevereiro: 6.869 pessoas internadas, 865 das quais nos cuidados intensivos.

A gravidade da situação pandémica levou o Ministério da Saúde português a aceitar ajuda estrangeira e, a 3 de fevereiro, uma equipa médica militar alemã pisou o território nacional disposta a ajudar Portugal. Mais tarde, chegaram mais duas equipas – uma do Luxemburgo e outra de França – que estão atualmente a operar em Évora e em Almada.

E se, meses antes, Portugal foi elogiado pelo combate à pandemia, em fevereiro o país continuava a fazer correr muita tinta pela imprensa estrangeira, mas não pelos melhores motivos.

Os efeitos devastadores da covid-19 foram destacados em várias publicações, desde a CNN ao The New York Times, e um especialista britânico até pintou um retrato da situação portuguesa, explicando por que estávamos a ser atingidos tão brutalmente por este inimigo invisível.

O espanhol El País também destacou os efeitos da pandemia, num artigo intitulado “Portugal, pesadelo depois do Natal”.

A esperança que traz a vacinação

Os números estão agora a descer, mas o regresso à normalidade ainda é uma incógnita. Ao que tudo indica, o confinamento vai manter-se, pelo menos, durante o mês de março.

A esperança reside no plano de vacinação. O Almirante Gouveia e Melo, responsável pela task force, já antecipou que a imunidade de grupo (70% da população adulta vacinada) pode chegar em agosto, apesar dos atrasos.

Desde o início da vacinação em Portugal, já foram administradas 868.951 vacinas. Ao todo, 603.588 pessoas receberam a primeira dose e 265.366 pessoas já têm a vacinação completa.

Até ao final de março, o objetivo é vacinar 80% dos idosos com mais de 80 anos. Uma das metas a ser alcançada – a vacinação dos grupos de risco entre os 65 e os 79 anos com patologias associadas – está a ser ameaçada pelo facto de a vacina da AstraZeneca não ser recomendada para pessoas a partir dos 65 anos.

Portugal estima receber, até ao final do primeiro semestre, 2,5 milhões de vacinas, cerca de metade dos 4,4 milhões previstos inicialmente. Espera-se que o processo seja acelerado a partir do segundo trimestre, quer pela entrega de mais vacinas, quer pela aprovação da vacina da Janssen, produzida pelo grupo Johnson & Johnson.

Um ano depois do início da maior tempestade, tudo parece demasiado nublado. A incerteza é, 365 dias depois, o único dado adquirido.

Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

O lago mais improvável de Roma é um refúgio urbano (que impulsiona o ativismo ambiental)

O lago mais improvável de Roma, que nem sequer devia existir, motivou uma luta pela proteção ambiental do local. No anos 90, num local de construção a apenas alguns quilómetros a leste do Coliseu de Roma, …

Afeganistão. EUA lançam ataques aéreos enquanto Talibãs exigem a renúncia do Presidente

Os Estados Unidos (EUA) entraram num confronto pela cidade de Kandahar, realizando ataques aéreos em apoio às forças afegãs, enquanto os Talibãs apelam ao Presidente Ashraf Ghani para renunciar. O porta-voz do Pentágono, John Kirby, avançou …

A primeira casa impressa em 3D no Canadá é inspirada na sequência de Fibonacci

Depois de ter inspirado inúmeros edifícios, a sequência de Fibonacci serviu de musa à empresa de impressão em 3D Twente Additive Manufacturing (TAM), que criou a primeira casa impressa em 3D do Canadá. A Fibonacci House é …

Marcha do Orgulho de Budapeste será um protesto contra as leis anti-LGBTQI, diz organização

A marcha do Orgulho em Budapeste, que ocorrerá no sábado, será "uma celebração, mas também um protesto", disseram os organizadores, enquanto a comunidade LGBTQI húngara se prepara para desafiar a escalada da campanha anti-homossexual do …

PSD propõe máximo de 215 deputados e divisão de grandes círculos eleitorais

O PSD apresentou, esta sexta-feira, a sua proposta para a reforma do sistema eleitoral, que fixa um máximo de 215 deputados, menos 15 do que o total atualmente em vigor. A proposta do PSD para a …

Variante Lambda: o que saber sobre a nova mutação que preocupa as autoridades

Está a ter um foco mais circunscrito à América Latina, mas já houve dois casos desta mutação em Portugal. A OMS está atenta e de momento classifica a Lambda como uma variante de interesse. Foi inicialmente …

PSD força audição de Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD recorreu à figura da audição potestativa a que os partidos têm direito a usar regimentalmente para ouvir membros do Governo e entidades públicas.  O PSD requereu esta sexta-feira a audição parlamentar obrigatória do ministro …

Nuno Graciano "disponível" para acordo com Carlos Moedas

Nuno Graciano, candidato à Câmara Municipal de Lisboa pelo Chega, disse que há "condições" para conversar com Carlos Moedas, em caso de vitória do social-democrata. Em entrevista ao Diário de Notícias, Nuno Graciano, candidato do Chega …

Jogos Olímpicos: 4 modalidades estiveram em todas as edições

Curiosamente, em Tóquio também se vão estrear quatro modalidades (mais duas vertentes). Há desportos que só estiveram nos Jogos uma vez. Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 já arrancaram oficialmente. Depois do início de algumas modalidades, na …

Rússia "desconectada com sucesso" da Internet mundial em nova ronda de testes

A Rússia se "desconectou com sucesso" da rede mundial de Internet durante novos testes da sua tecnologia 'RuNet', informou o site de notícias RBC. De acordo com o site, que cita fontes não identificadas no setor …