Portugal entra em confinamento (outra vez). Governo admite manter restrições até à primavera

José Sena Goulão / Lusa

Quase 10 meses depois, Portugal volta a entrar em confinamento obrigatório. As medidas de restrição, que incluem o dever de recolhimento domiciliário, terão a duração de quinze dias, mas há diferenças em relação a março: escolas mantêm-se com o ensino presencial e as cerimónias religiosas serão permitidas.

A principal alteração relativamente ao primeiro confinamento geral aplicado em março e abril é a continuação do ensino presencial em todos os níveis de ensino.

Entre as medidas que estarão em vigor até 30 de janeiro estão restrições à circulação da população, obrigatoriedade do teletrabalho e encerramento do comércio, com exceção dos estabelecimentos de bens e serviços essenciais.

As regras gerais passam por ficar em casa, limitar os contactos ao agregado familiar, reduzir as deslocações ao essencial, usar máscara de proteção, manter o distanciamento físico, lavar as mãos e cumprir etiqueta respiratória.

Ao contrário do que ocorreu em março e abril de 2020, na primeira vaga da pandemia, desta vez vão manter-se abertos os consultórios médicos e os dentistas, assim como as farmácias, mas terão de encerrar os cabeleireiros e barbearias, equipamentos culturais, ginásios e termas.

Governo admite manter restrições até à primavera

Quando anunciou o novo confinamento, o primeiro-ministro António Costa afirmou que há um grande consenso para que as medidas de confinamento geral a decretar tenham um horizonte de um mês.

Porém, de acordo com o semanário Expresso, o Governo está preparado para estender as restrições até à primavera. A ideia é que o confinamento seja, para já, de um mês para depois ir faseando as medidas, como aconteceu no ano passado, de forma “muito lenta”, segundo adiantou uma fonte do Governo ao Expresso.

A equipa de Costa começa a preparar-se para a possibilidade de 30 dias de confinamento não chegarem. Os especialistas deram uma previsão de evolução da pandemia, que pode demorar oito semanas até regressar a alguma normalidade.

Assim, estas medidas estão pensadas até meados de fevereiro, na esperança que, nas próximas semanas, se reflitam nos internamentos e depois nos óbitos. As medidas serão reavaliadas aos poucos, mas já se admite que possam ter de continuar em vigor durante mais algum tempo.

“Se em fevereiro conseguirmos dois grupos imunizados que pressionam o SNS, já aliviará. Podemos chegar à primavera com menos pressão”, disse a fonte.

“Este é o momento de maior pressão para o Governo: estamos no pico da pandemia, da gripe, do inverno e em campanha eleitoral, a dividir atenções com a presidência portuguesa da União Europeia. A oportunidade para a oposição nos atacar é agora”, rematou a fonte governamental ao Expresso.

Marcelo concordou com confinamento “menos duro”

Para este novo confinamento, Costa contou novamente com o aval de Marcelo Rebelo de Sousa. O Presidente da República considera que as medidas acabaram por ser “adequadas e equilibradas” e acredita que, “por serem menos duras”, serão “pacificamente aceites pela opinião pública”.

Para Marcelo, a decisão de não fechar as escolas também é correta.

Além das escolas, o Presidente também deu cobertura à manutenção das missas, que tem sido bastante criticada. Os serviços religiosos são uma das exceções em relação ao decidido para março. A proibição poria em causa o direito à liberdade religiosa, segundo fonte do Governo.

O Presidente parece estar alinhado com o Governo e compreende o atraso no anúncio das medidas pela necessidade de ter uma perceção atualizada dos números e de os usar como matéria de evidência para justificar a necessidade de voltar a fechar o país.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Pode até manter até ao Verão que, com escolas abertas e ensino presencial, não irá servir de nada.
    Triste desgoverno o que temos..

  2. Não entendo o que o governo (mundial) quer.
    Confinamento para conter o vírus já está provado que não resulta;
    Fecho dos restaurantes e turismo para conter o vírus também está provado que não resulta;
    Máscaras, álcool-gel e distanciamento social para conter o vírus é mais do mesmo, não resulta;
    Restrições até resultam, mas apenas para acabar com o comércio e tornar as pessoas mais tristes;
    O afastamento dos familiares dos idosos até resulta, para deprimir e ajudar a matar os idosos;
    Agora esta “prisão domiciliária” vai dar grandes resultados, é o empurrão que faltava para o povo entrar em depressão profunda, para o pequeno comércio chegar à falência, para as mortes incrementarem e folgarem as contas da aposentação, para que a fome e o desemprego se instalem nas classes mais desfavorecidas e, de seguida, às classes seguintes.
    E tudo isto com a conivência do povo.
    Estamos presos durante semanas, excepto nos dias das votações? Que é isto, apanham o Covid19 distraído nesses dias e não haverá infecções? Já negociaram esse tratado?
    Quando é que o povo aprende a pensar pela sua própria cabeça? Já era tempo…

  3. sendo que o covid, um coronavirus, tal como a gripe (influenza) são sazonais, como tal o truque dos tiranetes é bom, fecham isto até à primavera e depois dizem que foi por isso que os supostos casos baixaram quando na realidade baixaram naturalmente….sazonalidade!

RESPONDER

"Integral confiança". Chega segura militantes acusados de agredir homossexual

O Chega anunciou, esta sexta-feira, que mantém "integral confiança" nos candidatos e estruturas local e distrital de Viseu, referindo que só se pronunciará sobre alegadas agressões de motivação homofóbica naquela cidade depois de apurados os …

Há dezenas de autarcas envolvidos em processos sem fim à vista

Dezenas de autarcas foram neste mandato acusados por corrupção, negócios imobiliários duvidosos e abuso de poder, entre outros, em processos judiciais que se arrastam, na maioria, sem desfecho à vista a dois meses de novas …

Milhares de pessoas manifestam-se na Austrália contra o confinamento

Milhares de australianos manifestaram-se, este sábado, em várias cidades do país contra as restrições impostas pelo Governo para controlar o aumento de casos de covid-19. Em Sidney, cerca de mil manifestantes protestaram contra o confinamento decretado …

Há 406 farmácias com testes comparticipados pelo Estado

Há 406 farmácias de 104 laboratórios em Portugal continental com testes comparticipados pelo Estado. Saiba quais. O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) atualizou recentemente a lista das farmácias e laboratórios que disponibilizam testes …

Há 33 cursos com emprego garantido. Abandono no Ensino Superior aumentou

Este ano, há 30 licenciaturas e três mestrados integrados sem recém-diplomados inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. Segundo o Observador, o número total (33) é inferior ao de 2020 e de 2019, quando foram …

Chegada de emigrantes obriga autarcas do Interior a apertar as regras

Os autarcas do Interior do país, sobretudo de regiões onde a variante Delta ainda não se impôs e o número de novos casos de covid-19 não limita o quotidiano das populações, estão preocupados com o …

Jovens com menos de 20 anos vacinados numa "happy hour" em Lisboa

Alguns jovens com menos de 20 anos foram vacinados no centro de vacinação do Altice Arena, em Lisboa, depois de terem sido informados que havia "sobras". Task force já negou essa explicação. A situação foi denunciada, …

John Textor diz que reação da SAD do Benfica é "cómica"

O empresário norte-americano que chegou a acordo com o "rei dos frangos" para comprar 25% da Benfica SAD considera que a reação à sua aproximação é "cómica". Este mês, a Benfica SAD comunicou à Comissão de …

Rio acusa Cabrita de "mentir aos portugueses e no Parlamento" sobre festejos do Sporting

Rui Rio acusou o ministro da Administração Interna de "mentir aos portugueses e mentir no Parlamento" e justificou o motivo que levou o PSD a recorrer à figura da audição potestativa, a que os partidos …

Novo Banco não viu conflito de interesses na proposta sobre Imosteps

O Novo Banco defende que a proposta da Iberis para comprar a dívida da Imosteps, de Luís Filipe Vieira, não configurava conflito de interesses.  O Novo Banco defendeu, numa carta enviada ao Parlamento, que a proposta …