Especial ZAP | Maria Cidália Guerreiro: Milagre económico do Governo não passa de “forrobodó de mentiras”

(fc) André Kosters / Lusa

A cabeça de lista do PCTP/MRPP por Lisboa faz uma avaliação negativa destes quatro anos, a mando do Governo PS com a ajuda das “suas muletas”, e diz que os portugueses continuam a pagar uma dívida que não contraíram.

2019 não está a ser um ano fácil para o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP). Em fevereiro deste ano, o partido perdeu o seu fundador Arnaldo Matos, em quem via “um incansável combatente marxista que dedicou toda a sua vida ao serviço da classe operária e à luta pela revolução comunista e por uma sociedade sem classes”.

Para além da perda deste “querido camarada”, o PCTP/MRPP vê-se a braços com três eleições num só ano — Europeias, Regionais da Madeira e Legislativas —, não tendo alcançado bons resultados nos dois primeiros testes.

Nas Europeias, que decorreram em maio, o partido obteve apenas 27.222 votos (0,82%) e, por sua vez, nas Regionais da Madeira, que aconteceram no passado dia 22 de setembro, angariou apenas 601 votos (0,42%).

Numa entrevista concedida ao ZAP, Maria Cidália Guerreiro, cabeça de lista do PCTP/MRPP por Lisboa, considera que ser um partido pequeno em Portugal não é fácil e nunca foi, sobretudo porque têm de “remar contra o monopólio da comunicação social nas mãos da burguesia e dos seus partidos”.

“A nossa mensagem não só é mais difícil de ser acolhida de imediato pelas massas, como mais limitadamente chega a elas devido à ‘barragem informativa’ a que o PCTP/MRPP está sujeito há mais de 40 anos”, critica.

E, por isso, não a surpreende o facto de o PS aparecer quase sempre por cima nas sondagens, já que “toda a máquina de propaganda está apostada em alimentar este forrobodó de mentiras quanto ao ‘milagre económico'”.

Governo PS e as suas muletas

Questionada sobre os últimos quatro anos, a cabeça de lista por Lisboa fez uma avaliação negativa desta geringonça, afirmando que só veio confirmar aquilo que já estava à espera.

“Este Governo — agora com as muletas do PCP, BE e Verdes, e agora até do PAN — não só prosseguiu como agravou as consequências gravosas para o povo que o anterior Governo de coligação entre a direita e a extrema-direita, a mando da troika, tinha imposto”.

Maria Cidália Guerreiro considera que “o povo português continua a pagar uma dívida que não contraiu e da qual não retirou qualquer benefício” e está a braços com “a maior carga fiscal de sempre”.

A também companheira de Arnaldo Matos recorda que a “política Salazarista do ‘défice zero’ e as cativações não constituíram mais do que uma fraude para iludir o que o Governo já sabia de antemão — bem como as suas muletas —, isto é, que os orçamentos que apresentavam e faziam aprovar não eram para ser cumpridos”.

Além disso, Maria Cidália Guerreiro não esquece que António Costa e o seu Governo atuaram como “autênticos fura-greves” nas lutas como as dos professores, dos enfermeiros, dos estivadores e dos motoristas de matérias perigosas.

Olhando para o atual Código do Trabalho, a cabeça de lista do PCTP/MRPP não tem dúvidas: é “fascista” e há muito que já devia ter sido revogado. Assim como já deveria ter sido revogada a Lei das Rendas (ironicamente batizada de “Lei dos Despejos”), uma medida da também “fascista” Assunção Cristas, e cuja nova Lei de Bases da Habitação não é mais do que “uma panaceia” que não contraria as suas consequências.

Para a candidata, outro dos erros do Governo socialista, que apelida de “crimes contra os interesses de quem trabalha”, foi o acolher de um projeto como o Aeroporto do Montijo, “que faz abortar a necessidade de se construir um novo aeroporto de raiz“, dando como alternativa Alcochete.

Nas questões europeias, a cabeça de lista do PCTP/MRPP lembra ainda que o Governo se prepara para “aceitar a integração do mar português no chamado ‘Mar Azul’, um conceito imperialista, ditado por Bruxelas e por Berlim para roubar a nossa Zona Económica e Exclusiva (ZEE), que possui uma área superior à do continente europeu”.

Sair da UE é sair do “imperialismo europeu”

É precisamente a saída da União Europeia que se destaca como uma das 27 propostas do Manifesto Eleitoral do PCTP/MRPP. Questionada sobre se essa situação não ia deixar Portugal numa situação ainda mais difícil, Maria Cidália Guerreiro responde com outra pergunta.

Mais difícil do que o quê? A atual situação é a de um país que tem de importar mais de 80% daquilo que necessita para alimentar-se e para gerar economia. A nossa balança de bens transacionáveis — que está em permanente défice — é bem o espelho do que sucessivos Governos do PS e do PSD fizeram ao país, ao seu povo. Liquidação do seu tecido produtivo e total submissão a interesses imperialistas externos“, acusa.

“O PCTP/MRPP tem plena consciência de que a vida seria difícil nos primeiros três a quatro anos, após a saída da União Europeia e do euro. Mas, finalmente, haveria uma luz ao fundo do túnel, ao contrário da situação atual que se traduz no velho princípio de ‘vitória’ em ‘vitória’ até ao descalabro total”.

“Teríamos, com a retoma do novo escudo e, sobretudo com a recuperação da nossa soberania monetária, bancária, fiscal, aduaneira, entre outras, a possibilidade de colocar em marcha um plano de recuperação de um vasto tecido produtivo que fomos obrigados a destruir como contrapartida à entrada de Portugal nesse fórum do imperialismo europeu que foi a Comunidade Económica Europeia (CEE) e é agora a União Europeia (UE)”.

“Lembramos a nossa indústria de ponta siderúrgica, metalúrgica e metalomecânica, a nossa indústria de construção e reparação naval, a nossa indústria mineira, o sector agrícola e agro-industrial que foi completamente arrasado, a nossa frota pesqueira que foi totalmente desmantelada, entre outros, e que é nosso propósito restaurar, enquanto ainda podemos beneficiar do know how de excelência com que ainda podemos contar”.

Para além desta proposta, o partido defende, entre outras, o alargamento das 35 horas semanais ao setor privado, a implementação de um Serviço Nacional de Saúde (SNS) geral, universal e gratuito para todos e escola pública gratuita em todos os graus de Ensino.

Em 2015, o PCTP/MRPP foi o segundo partido mais votado entre os que não conseguiram eleger deputados, atrás do PDR, com 59,9 mil votos (1,11%). Em 40 anos, e em todas as eleições que disputou, o partido nunca conseguiu eleger qualquer deputado.

Nota: No âmbito das Eleições Legislativas 2019, o ZAP contactou os partidos que, em 2015, reuniram mais de 0,50% dos votos.

FM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Esta é a cidade com mais Alzheimer do mundo (e a culpa é de uma estranha mutação genética)

Na Colômbia, os habitantes da cidade de Yarumal parecem estar condenados a uma maldição que os faz esquecerem-se da sua vida, morrendo pouco tempo depois do início dos sintomas. Milhares de pessoas, pertencentes a apenas 25 …

Idosa de 93 anos recuperou de Covid-19 (e há 6 crianças em estado grave no Dona Estefânia)

Uma mulher de 93 anos que esteve internada em Lisboa, com Covid-19, recuperou da infecção ao cabo de 11 dias. Enquanto isso, há seis crianças com idades entre 4 meses e 17 anos que estão …

"Grande erro" da Europa é não usar máscaras, considera especialista chinês

George Gao, diretor dos Centros de Controlo e Proteção de Doenças da China (CDC), considera que o "grande erro" da Europa no combate à pandemia de covid-19 é o facto de as pessoas não usarem …

Obama critica de Trump. "Cada um de nós deve exigir mais dos nossos líderes"

O ex-Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou esta terça-feira que o seu sucessor, Donald Trump, ignorou os avisos sobre os riscos de uma pandemia do novo coronavírus, e recordou o mesmo comportamento quanto às alterações climáticas, …

Covid-19. Hotel cinco estrelas na Austrália vai acolher sem-abrigo

A Austrália vai levar a cabo um projeto piloto que visa retirar das ruas alguns sem-abrigo e transferi-los para hotéis de luxo, protegendo-os assim do novo coronavírus oriundo da China (Covid-19).  O projeto, Hotels With Heart, …

Red Bull equacionou infeção voluntária dos seus pilotos

Um responsável da Red Bull admitiu que propôs aos pilotos da marca austríaca, que participa no Mundial de Fórmula 1, uma estratégia de infeção voluntária de covid-19, visando ficarem imunes no início da temporada. Helmut Marko …

TAP avança com lay-off para 90% dos trabalhadores (e reduz atividade para cinco voos semanais)

Numa mensagem enviada aos seus funcionários, a TAP revelou que vai mesmo avançar com um processo de 'lay-off' para 90% dos trabalhadores e com a redução do período normal de trabalho em 20% para os …

Estado vai devolver 3 mil milhões em reembolsos do IRS

O Estado vai devolver 3 mil milhões de euros aos contribuintes em reembolsos do IRS, cuja entrega arranca esta quarta-feira e se estende até 30 de junho. A informação foi avançada pelo ministro de Estado, …

Há quatro infetados no sistema prisional. Estão todos em isolamento domiciliário

O Ministério da Justiça revelou esta terça-feira que aumentou para quatro o número de infetados com covid-19 no sistema prisional e que estão todos em isolamento domiciliário segundo indicação da saúde pública. Em comunicado, o Ministério …

Sousa Cintra diz que Rafael Leão "não ficou no Sporting porque foi apertado"

Sousa Cintra, ex-líder da SAD do Sporting no tempo da Comissão de Gestão, lamenta a rescisão do jogador Rafael Leão, considerando que "ele não continuou porque foi apertado". O jovem jogador foi, recentemente, condenado a …