Governo responde ao PSD e garante que não esconde nenhuma informação sobre a pandemia

Manuel de Almeida / Lusa

O Governo garantiu esta sexta-feira que “não esconde nenhuma informação” aos portugueses relativamente à evolução da pandemia no país, numa resposta ao PSD, que perguntou se havia Estados-membros da União Europeia (UE) com informações que os portugueses desconheciam.

“Queria denunciar a insinuação, que me dispenso de qualificar, segundo a qual o Governo estaria a esconder informações aos portugueses, contestando-a vivamente. O Governo não esconde nenhuma informação aos portugueses”, sublinhou à agência Lusa o ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva.

O responsável pela diplomacia portuguesa acrescentou que o PSD “andaria melhor se defendesse o interesse nacional, em vez de procurar aproveitar este facto para fazer um caso de suspeita política”.

Santos Silva reiterou que há Estados-membros da União Europeia (UE) que estão a restringir a entrada de voos provenientes de Portugal utilizando apenas “o critério dos novos casos de infeções registados nos últimos dias, ignorando que o número de infeções só faz sentido” quando comparado com o número de testes feitos.

O governante explicitou que Portugal é, “neste momento, o sexto país da União Europeia que mais testes realiza por milhão de habitantes”, é um dos países com menor taxa de letalidade e “com mais baixa taxa de incidência de casos positivos por testes realizados” e apresenta alguns dos “melhores indicadores em matéria de internamento hospitalar ou internamento em unidades de cuidados intensivos”.

A bancada parlamentar social-democrata desafiou esta sexta-feira o Governo a esclarecer se certos países terão informações “que os portugueses não sabem”, depois de alguns Estados-membros europeus terem anunciado restrições às entradas de passageiros de voos com origem em Portugal.

A pergunta enviada ao executivo liderado por António Costa (PS), assinada pelo primeiro vice da bancada do PSD Adão Silva, surge depois de a Dinamarca ter anunciado, na quinta-feira, a abertura de fronteiras a partir do de 27 de junho aos países com baixo contágio de covid-19, excluindo, para já, Portugal e a Suécia.

Na noite de quinta-feira, em resposta enviada às redações, o Ministério dos Negócios Estrangeiros considerou que estas decisões foram tomadas “ao arrepio” das decisões de Bruxelas, advertindo que Portugal “reserva-se o direito de aplicar o princípio da reciprocidade”.

Contudo, o primeiro-ministro afastou esta sexta-feira a possibilidade de retaliar contra os Estados-membros europeus que estão a vedar ou limitar entradas de passageiros de voos com origem no território nacional e insistiu que Portugal compara bem em resultados sanitários.

Esta posição foi transmitida por António Costa em conferência de imprensa, em São Bento, após quatro horas de cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, que se realizou uma vez mais por videoconferência.

“A reação diplomática nacional é feita através dos canais próprios – é isso que temos feito e é isso que iremos continuar a fazer. Não é prática de Portugal fazer retaliações, nem é prática de Portugal ter esse tipo de visão das relações internacionais”, declarou o chefe do Governo.

Também esta sexta-feira, o embaixador da Dinamarca em Portugal disse esperar que possa ser revertida a decisão de excluir Portugal da reabertura, dia 27 de junho, das suas fronteiras, por causa dos níveis de contágio de covid-19.

Em declarações à Lusa, Lars Faaborg-Andersen disse que espera que os níveis de contágio em Portugal desçam até ao próximo dia 27, fazendo com que automaticamente a exclusão deste país da abertura de fronteiras seja revertida. “A Dinamarca está a fazer a monitorização todas as semanas. Basta que Portugal desça um pouco do atual rácio para que passe a ficar no lote dos restantes países europeus”, disse Faabor-Andersen.

Em Bruxelas, a presidente da Comissão Europeia lembrou que há “diretrizes muito claras” para a reabertura das fronteiras internas da UE no contexto da covid-19, quando questionada sobre medidas discriminatórias como aquela aplicada pela Dinamarca a Portugal.

Temos diretrizes muito claras sobre como proceder, e até ao final do mês esperamos que as fronteiras internas sejam levantadas. Há um padrão muito claro, definido também pelo Conselho dos ministros responsáveis pela gestão das fronteiras”, apontou Ursula von der Leyen, depois de ter sido questionada sobre o assunto durante a conferência de imprensa no final de uma videoconferência de chefes de Estado e de Governo da União Europeia.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …