Marcelo. O que os portugueses querem (e o que não querem)

Mário Cruz / Lusa

O presidente reeleito, Marcelo Rebelo de Sousa,

Num discurso de vitória após as eleições presidenciais deste domingo, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu uma postura de estado e começou por recordar as vítimas da pandemia de Covid-19 no seu pior dia de sempre em Portugal.

“Deixem-me dizer, de coração aberto, como me sinto profundamente honrado e agradecido por essa confiança em condições tão mais difíceis do que as de 2016”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, que começou a sua intervenção referindo os dados de novos casos de infeção, de internamentos e de doentes com covid-19 nos cuidados intensivos.

“A 2 de novembro, no dia da evocação das vítimas da pandemia no Palácio de Belém, havia 2.590 mortos. São agora 10.469. Para eles, assim como para os mortos não Covid, destes quase 11 meses de provação, vai o meu, o nosso primeiro emocionado pensamento”, disse o presidente. “Para eles, assim como para os mortos não covid destes quase onze meses de provação, vai o meu, o nosso primeiro emocionado pensamento”.

Conter primeiro; abreviar depois a pandemia para que possamos passar definitivamente ao resto tão essencial que temos que fazer”, resumiu. “Tudo começa no combate à pandemia. Se a pandemia durar mais, e for mais profunda, tudo o resto que queremos tanto, correrá pior, durará mais, será mais difícil de enfrentar.

Reeleito com 60,7% dos votos, o presidente manifestou gratidão pessoal aos portugueses, partidos e grupos de cidadão que o apoiaram, mas estendeu este agradecimento também aos que não votaram nele, considerando que “sabem que o Presidente é um só e só um e representa todo o Portugal”.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, a eleição de hoje proporcionou inequívocas respostas acerca do nosso futuro imediato. “Tenho a exata consciência de que a confiança agora renovada é tudo menos um cheque em branco“.

“Quem recebe o mandato tem de continuar a ser um Presidente de todos e de cada um dos portugueses. Um presidente próximo, um presidente que estabilize, um presidente que una, que não seja de uns, os bons, contra os outros, os maus. Que não seja um Presidente de fação”, acrescentou Marcelo.

Os portugueses “querem combate à pobreza, à desigualdade e à exclusão, querem um sistema político estável, com governação forte, sustentada e credível e alternativa também forte para que a sensação de vazio não convide a desesperos e a aventuras”, numa aparente referência ao resultado de André Ventura e crescimento do Chega, “não querem radicalização e extremismo nas pessoas, nas atitudes e na vida social e política”.

Os portugueses querem, concluiu Marcelo Rebelo de Sousa, “um Presidente que respeite o pluralismo e a diferença. Um Presidente que nunca desista da justiça social”.

Marcelo Rebelo de Sousa foi este domingo reeleito à primeira volta para um segundo mandato como Presidente da República com 60,76% dos votos. Ana Gomes ficou em segundo com 12.93%, seguindo-se André Ventura com 11.89%.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …