Santos Silva rejeita apoio do PS a Ana Gomes. Polémica com embaixador “ultrapassada”

António Cotrim / Lusa

O ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva

Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, falou, em entrevista à TVI24 esta terça-feira, sobre a aprovação do Orçamento de Estado para 2021 e as eleições presidenciais e desvalorizou a polémica com o embaixador dos Estados Unidos em Portugal.

Em entrevista à TVI24 esta terça-feira, Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, garantiu que o PCP “não está fora da discussão” do próximo Orçamento do Estado (OE2021). “O próprio partido já o disse publicamente e o Governo continua a trabalhar com o PCP, tal como trabalha com os restantes partidos da esquerda”, disse.

Santos Silva disse ainda estar confiante quanto à aprovação do Orçamento. “Acredito que há todas as condições para que a aprovação do OE ocorra […] Creio que que há condições, mas há também a necessidade de o país manter esta vantagem que é a estabilidade.”

“Todos nós temos noção da dimensão da crise e da necessidade da estabilidade”, afirmou.

Questionado sobre a suposta pressão de Marcelo sobre o líder do PSD, Rui Rio — este pode ser o único eventual parceiro do Governo capaz de evitar uma crise política se o Orçamento não for aprovado à esquerda —, o ministro considerou as preocupações de Marcelo “naturais”.

“O Presidente da República tem dito que não podemos somar uma crise política à económica e que todos devemos assumir as nossas responsabilidades. Todos temos responsabilidade de contribuir e de olhar para este momento e medir bem os passos”. “Uns contribuem na oposição, outros na maioria”, afirmou.

Ana Gomes e as presidenciais

Sobre as eleições presidenciais de 2021, o ministro dos Negócios Estrangeiros considerou que Ana Gomes não deveria contar com o apoio do Partido Socialista (PS) nas próximas eleições presidenciais.

“Se Ana Gomes é uma boa candidata? Sim, enriquece o debate democrático. Se é uma boa candidata para ter o apoio do Partido Socialista? Na minha opinião, não“, disse o ministro.

Para Santos Silva, o apoio dos socialistas a um candidato na corrida a Belém deve ser definido em “quatro critérios muito simples”.

Em primeiro lugar, segundo o ministro, deve ser realizada uma avaliação do mandato do atual Presidente da República. Posteriormente, o partido deverá refletir sobre “o entendimento” que tem de um possível segundo mandato. O terceiro critério prende-se com “o entendimento que este terá da projeção do Presidente da República como um garante do espaço democrático e da vida institucional em Portugal”. Por último, é necessário ter em conta “a consonância do PS com o seu próprio eleitorado”.

Assim, o ministro dos Negócios Estrangeiros defendeu que, nas eleições presidenciais, os extremismos não devem ser combatidos com extremismos e deixou claro que espera “pessoalmente” uma recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa.

Declarações do embaixador dos EUA “ultrapassadas”

Santos Silva voltou a falar do facto de George Glass, embaixador dos Estados Unidos em Portugal, ter dito, em declarações ao semanário Expresso, que “Portugal tem de escolher agora entre os aliados e os chineses”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, na altura, respondeu que “quem toma as decisões é Portugal”. No entanto, agora, Santos Silva garante que o tema foi “ultrapassado”. “São circunstâncias completamente ultrapassadas”, afirmou. “Trabalhamos com a proximidade que os aliados trabalham”.

Questionado sobre a possibilidade de as declarações do embaixador norte-americano serem uma ingerência nos assuntos internos de Portugal, o ministro dos Negócios Estrangeiros respondeu negativamente, recordando a “profunda amizade que liga os dois países” e a sua “colaboração íntima” – “no plano bilateral, seja em organizações multilaterais”.

Em relação à exclusão de Portugal dos corredores aéreos de vários países, Santos Silva admitiu: “É evidente que a responsabilidade política é minha”. Porém, não considera, ainda assim, que tenha havido uma falha por parte dos diplomatas portugueses.

Sobre a exclusão dos corredores do Reino Unido, Santo Silva considera que “o país assumiu um método que é errado. Entendeu que se evitasse a entrada de pessoas estaria a salvo, o que não veio a acontecer”.

Relativamente ao novo pacto para as migrações, que prevê que os Estados-membros da União Europeia possam escolher se recebem ou não pessoas – recebendo 10 mil euros por cada adulto -, o ministro referiu que se trata “de uma boa base de trabalho”, embora a considere insuficiente “para se chegar a um compromisso”.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. É totalmente incapaz de uma tomada clara de posição sobre o que quer que seja. O mundo e Portugal em particular não precisa mais de pessoas demagogas e de ambiguidade na política.

    “O PCP não está fora da discussão”; “o PSD poderá ser o único parceiro político”; Apoio do PS a Ana Gomes: “na minha *opinião*, não”; os EUA exigem “Ou nós ou a China”. Resposta dele: “Trabalhamos com a proximidade que os aliados trabalham” -qual é essa proximidade? Grande? Pequena? Total? Exclusiva? Não se pode trabalhar com a China e manter “proximidade aos aliados”?

    Enfim, tudo vago! Tem de ser claro e de se ter palavra. Políticos como Ventura são claros mas não cumprem a palavra nem praticam o que apregoam. Políticos como Santos Silva são ambíguos para nunca se poder dizer que não fazem o que apregoam. Nem uma nem outra posição serve mais.

PSD confiante num plano de vacinação "a tempo e horas". CDS diz que se anda a "correr atrás do prejuízo"

O presidente do PSD considerou que o plano de vacinação para a covid-19 vai ser "polémico", mas disse acreditar que o Governo vai conseguir concluí-lo "a tempo e horas". Já o presidente do CDS-PP pediu …

Altice escreve a Costa a criticar leilão do 5G (e a informar sobre suspensão de projeto)

Os acionistas do grupo Altice Patrick Drahi (presidente) e Armando Pereira escreveram ao primeiro-ministro a criticar as regras do leilão do 5G, informando que, perante o atual panorama regulatório, veem-se forçados a suspender projetos. "Lamentamos que, …

Anulação de transferência para o Novo Banco foi um "percalço"

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, considerou hoje que a anulação, pelo parlamento, da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o banco foi um "percalço". "O percalço que aconteceu …

Videojogos podem estar a ser usados para espalhar ideologia extremista e preparar ataques

Os videojogos 'online' podem estar a ser usados ​​para propagar ideologias extremistas e para preparar ataques terroristas, afirmou o coordenador antiterrorista da União Europeia (UE), Gilles de Kerchove. A 09 de novembro, Gilles de Kerchove já …

Ex-ministro grego Yanis Varoufakis pede boicote à "black friday" da Amazon

O economista e ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis pediu um boicote de um dia à Amazon, na 'black friday', enquanto sindicalistas, ativistas ambientais, defensores da privacidade e da justiça tributária planeiam ações coordenadas contra …

Bolsonaro nega ter chamado covid-19 de "gripezinha", mas fê-lo pelo menos duas vezes

O Presidente brasileiro negou na quinta-feira ter-se referido à covid-19 como "gripezinha", afirmando que não há nenhum registo que prove o oposto, apesar de a imprensa ter partilhado pelo menos dois vídeos com esse conteúdo. "Falei …

Cuba anuncia mais duas vacinas e já conta com quatro possíveis fármacos contra a covid-19

Cuba anunciou esta quinta-feira que vai começar os ensaios clínicos de dois projetos de vacinas contra a covid-19, que aumentam para quatro o número de possíveis fármacos deste tipo desenvolvidos na ilha para combater a …

Governo garante que não haverá limite de idade na vacinação. Marcelo fala em "ideia tonta"

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde garantiu, esta sexta-feira, que a vacinação para a covid-19 não terá qualquer limite de idade e que os idosos e doentes com comorbilidades serão uma prioridade. Numa conferência …

Descontos nas ex-SCUT poupam privados, mas é o Estado quem sai lesado

Os descontos nas ex-SCUT, aprovados em Parlamento esta quinta-feira, poupam os privados, mas geram perdas de 1.500 milhões de euros para o Estado. Uma maioria de deputados ditou a aprovação da parte de uma proposta do …

Portugal com mais 67 mortes e 5444 novos casos de covid-19

Portugal regista, esta sexta-feira, mais 67 mortes e 5444 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 5444 novos casos, 3161 …