Príncipe herdeiro saudita confessa: morte de Khashoggi aconteceu sob a sua supervisão

secdef / Flickr

O príncipe saudita Mohammed bin Salman

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, assumiu a responsabilidade pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, por ter acontecido “sob a minha supervisão”.

É a primeira vez que o filho do Rei saudita Salman se refere ao crime, ocorrido em outubro de 2018 no interior do consulado do seu país em Istambul, e fê-lo em declarações prestadas à estação norte-americana PBS, no âmbito de um documentário prestes a estrear – a 1 de outubro.

Quase um ano após a macabra morte de Khashoggi às mãos de agentes sauditas, o príncipe admite ser responsável atendendo a que é ele o homem forte do governo saudita, há já vários anos, depois de o pai o ter nomeado seu herdeiro.

A CIA e vários Governos ocidentais apontam o dedo a Mohammed bin Salman como mandante do crime, que a Turquia classificou como “assassínio premeditado” orquestrado pelo Governo saudita.

Já as autoridades de Riade, foram apresentando distintas versões. Começaram por nagar a existência do próprio crime, garantindo que o jornalista abandonara o consulado antes de desaparecer, para mais tarde afirmarem que Khashoggi foi morto numa operação não autorizada.

Um total de 11 suspeitos foram acusados, incluindo cinco que podem ser condenados à morte por terem “ordenado e cometido o crime”. As autoridades sauditas afastaram, de acordo com o semanário Expresso, qualquer ligação do príncipe herdeiro ao caso.

Recentemente,um jornal turco próximo de Erdogan publicou transcrições do diálogo entre o jornalista Jamal Khashoggi e o esquadrão da morte que o assassinou no interior do consulado saudita em Istambul.

O jornalista, que trabalhava para o jornal The Washington Post e estava a viver nos EUA, foi ao consulado da Arábia Saudita para recolher os documentos para o casamento com a sua noiva turca.

Quando entrou no consulado, Khashoggi foi recebido por um rosto familiar antes de ser puxado para uma sala. “Por favor, sente-se. Temos de o levar de volta [para Riade]”, disse-lhe Maher Abdulaziz Mutreb, identificado como oficial sénior dos serviços secretos sauditas e guarda-costas do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. “Há uma ordem da Interpol para que seja devolvido. Estamos aqui para o levar”, explicou.

De acordo com as gravações, Khashoggi respondeu: “Não há processos contra mim. A minha noiva está à minha espera lá fora.”

Nos últimos 10 minutos antes de o jornalista ser morto, Mutreb pediu-lhe para “deixar uma mensagem” para o filho. Quando Khashoggi se recusou a fazê-lo, o responsável da secreta saudita sugeriu: “Escreva, senhor Jamal. Apresse-se! Ajude-nos a ajudá-lo porque no final levá-lo-emos de volta para a Arábia Saudita e, se não nos ajudar, sabe o que poderá acontecer eventualmente.”

Em seguida, Khashoggi foi drogado e as últimas palavras audíveis antes de perder a consciência são: “Tenho asma. Não façam isso! Vão sufocar-me…”.

Na gravação ouve-se um médico forense saudita, minutos antes da entrada de Khashoggi: “Nunca trabalhei num corpo quente, mas vou resolver facilmente o assunto. Depois ouve-se o som de uma serra alegadamente a desmembrar o corpo do jornalista de 59 anos, um procedimento que durou 30 minutos. O seu corpo ainda não foi recuperado.

Khashoggi morreu dentro do consulado saudita em Istambul, a 2 de outubro de 2018, numa tentativa de ir mantendo a pressão sobre Riade. A estratégia, aparentemente, ainda tem mais mais gotas para preencher no mar de dúvidas sobre a morte do jornalista saudita, a avaliar pelas mais recentes declarações do presidente turco sobre esta matéria.

Depois de num primeiro momento terem negado o envolvimento no assassinato de Khashoggi, as autoridades de Riade avançaram posteriormente várias versões contraditórias. Agora, sustentam que Khashoggi foi assassinado durante uma operação não autorizada pelo poder saudita.

Esta segunda-feira, foi noticiado que o jornalista terá dito que não conseguia respirar, o que evidencia que Khashoggi foi torturado dentro do consulado.

Erdogan tem dito várias vezes que não vai largar o caso, embora o presidente norte-americano Donald Trump tenha estado do lado da Arábia Saudita. Porém, o relatório da CIA aponta para a alta probabilidade de ter sido o príncipe a ordenar a morte do jornalista.

Em abril, o The Washington Post noticiava que as autoridades sauditas tinham dado aos quatro filhos de Khashoggi “casas de um milhão de dólares” e “pagamentos mensais de cinco dígitos” como compensação pela morte do pai.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É preciso ter lata!
    Imaginem o que vai acontecer agora a este indivíduo, como consequência dos atos levados a cabo: zero! Bola!
    E certamente que teremos a oportunidade de o ver ainda em 2019 ou em 2020, a passear-se e a confraternizar com os poderosos numa dessas cimeiras internacionais a sorrir e a levar palmadinhas nas costas por parte dos trumpistas e afins…
    Todos os porcos são iguais mas alguns são mais iguais que outros, como dizia o G.Orwell no século passado. Aparentemente, nada mudou desde então.

  2. E o que é que vai acontecer a este indivíduo? Nada! Qualquer das maneiras há que ter em conta que toda aquela região está minada de países com outras crenças e hábitos bem distintos dos nossos, quanto a amigos pois têm-nos quer seja na Europa, América ou qualquer outro local porque o peso do petróleo e das armas fala mais alto do que qualquer acção moral ou desumana, não vale a pena estar à procura de bodes expiatórios pois vão todos pelos mesmos métodos. e interesses.

  3. Não vai acontecer nada, os Estados Unidos, Grã-Bretanha e França continuarão a fornecer armamento sofisticado a esta monarquia feudal para aniquilar populações no Iemen e na Síria.

  4. Observa-se que em prol de seus interesses, o ocidente não considera as violações de direitos humanos neste reino feudal da Arábia Saudita.

RESPONDER

Índia regista recorde diário de mortes. Reino Unido atinge marca negra

O novo coronavírus continua a alastrar-se um pouco por todo o mundo. Enquanto alguns países estão a conseguir lidar com a pandemia de covid-19, outros estão a fracassar nessa tarefa. Este domingo, no total, registaram-se 6.106 …

"Um disparate". Presidente nega envolvimento na vinda de Juan Carlos para Cascais

O Presidente da República afirmou que “qualquer pessoa minimamente inteligente e sensata” perceberia que o chefe de Estado não se poderia envolver na questão do rei emérito de Espanha, classificando essa ideia como um "disparate". Em …

Plano do hidrogénio vai sair "muito caro" aos portugueses

Os fundadores da Tertúlia Energia defendem que o plano do hidrogénio do Governo tem várias lacunas e vai custar "muito caro" aos consumidores portugueses. Num artigo publicado no jonal ECO, os fundadores da Tertúlia Energia, Abel …

Governo vai lançar plano para salvar empresas em dificuldades (e perdoar juros ao Fisco)

O Governo vai lançar um plano para salvar empresas viáveis que será um novo mecanismo temporário para ajudar empresas que se encontrem em situação económica difícil ou em insolvência devido à pandemia. O plano, que se …

Fábio Silva a prazo no Dragão. Avançado deverá sair por 40 milhões

Fábio Silva deverá abandonar o FC Porto dentro dos próximos dias. O jovem avançado permitirá um encaixe de 40 milhões de euros para os cofres portistas. A saída de Fábio Silva do FC Porto parece praticamente …

"Há filhos e enteados?". Marques Mendes arrasa decisão "inacreditável" de realizar festa do Avante

Luís Marques Mendes criticou este domingo a realização da festa do Avante, considerando "inacreditável" que a habitual festa comunista seja realizada no atual contexto da pandemia de covid-19 em Portugal. No seu habitual espaço de …

Varandas só tem espaço para 24 jogadores. Metade será de Alcochete

Com o intuito de reduzir custos, o presidente sportinguista, Frederico Varandas, diz que quer um plantel com 24 jogadores para a próxima época. Cerca de metade são produtos de Alcochete. Frederico Varandas pretende encurtar o plantel …

Duas demissões no Governo do Líbano. Porto de Beirute ficou com cratera de 43 metros após explosões

Duas demissões no Governo do Líbano foram anunciadas nas últimas horas depois da explosão no porto de Beirute que provocou pelo menos pelo menos 158 mortos, 6.000 feridos e dezenas de desaparecidos. A ministra da …

Benfica na corrida por Jan Vertonghen

A SAD encarnada está disposta a fazer alguns esforços pela contratação do futebolista belga que, neste momento, se encontra sem clube e a passar férias em Portugal. De acordo com o jornal Record, depois de a …

Bloco revela os três pilares da negociação do OE2021

O Bloco de Esquerda revelou os seus três pilares fundamentais da negociação para o Orçamento do Estado para 2021. O PCP e o PAN não abriram jogo, enquanto o PEV garante que ainda não foi …