“Estou a sufocar.” Reveladas as últimas palavras de Khashoggi antes de morrer

Ali Haider / EPA

As autoridades turcas afirmam que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi morto por 15 agentes da inteligência saudita em 2 de outubro no Consulado deste país em Istambul.

O responsável do departamento de investigação do jornal turco Daily Sabah, Nazif Karaman, revelou este sábado, em entrevista à Al Jazeera, as supostas últimas palavras do jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto no Consulado Geral da Arábia Saudita em 2 de outubro. Segundo Karaman, o colunista do The Washington Post foi sufocado com um saco de plástico na cabeça.

Estou a sufocar, tire este saco da minha cabeça, sou claustrofóbico“, terão sido as últimas palavras que o jornalista proferiu ainda vivo, antes de perder a vida. As declarações do responsável do departamento de investigação do Daily Sabah são baseadas num áudio gravado pelo Apple Watch da vítima, que as autoridades turcas afirmam ter à sua disposição.

Ainda durante a entrevista, Karaman confirmou que o estrangulamento do jornalista saudita durou sete minutos. Além disso, Karaman citou ainda informações de alguns funcionários da Inteligência turca, avançando que a equipa saudita, composta por 15 membros que viajaram para Istambul expressamente para assassinar o jornalista, passou cerca de 15 minutos a desmembrar o corpo.

A equipa responsável pela morte do jornalista, liderada por Salah al-Tubaigy, cabeça do Conselho Científico Saudita de Ciências Forenses, colocou sacos de plástico no chão onde Khashoggi foi morto para evitar que o sangue manchasse o piso.

Karaman prometeu ainda que o Daily Sabah publicará em breve imagens das ferramentas introduzidas na Turquia pelo esquadrão da morte usadas para desmembrar o corpo do jornalista, assim como as gravações dos últimos momentos de vida de Khashoggi.

A polícia turca está ainda a procurar o corpo do jornalista assassinado. Até agora, encontraram apenas vestígios de ácido na residência do cônsul da Arábia em Istambul. Uma das hipóteses que está em cima da mesa é que o corpo desmembrado terá sido dissolvido com produtos químicos.

A 10 de outubro, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que havia partilhado o áudio que provava o assassinato de Khashoggi com Riad, Paris, Londres, Berlim e Washington. Segundo autoridades turcas, as gravações provam que o assassinato de Khashoggi foi premeditado.

Em outubro, Gina Haspel, diretora da CIA, viajou para a Turquia. Segundo o NPR, não está, contudo, claro se as cópias das gravações foram entregues fisicamente aos Estados Unidos ou se os funcionários norte-americanos puderam apenas ouvir o áudio.

De acordo com o The New York Times, “para a CIA, possuir uma cópia física da fita seria importante para verificar sua autenticidade, determinar como foi feita e analisar o conteúdo de forma independente”.

Washington vai responsabilizar todos os envolvidos

Os Estados Unidos vão “pedir contas a todos os envolvidos na morte de Jamal Khashoggi”, garantiu este domingo o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita.

Numa chamada telefónica com Mohammed ben Salmane, Pompeo instou a Arábia Saudita a responsabilizar os envolvidos, assim como apelou ao “fim das hostilidades” no Iémen, relatou a porta-voz do departamento de Estado, Heather Nauert.

As forças pró-governamentais do Iémen têm combatido os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irão. Em 2015, uma coligação liderada pelos sauditas interveio a favor das forças pró-governamentais.

Na sexta-feira, o The Washington Post indicou que a administração norte-americana decidiu deixar de fornecer aviões à coligação, um apoio cada vez mais controverso depois da morte do jornalista saudita, imputado a altos responsáveis do reino e que estão a manchar a imagem de Riade.

O Ministério Público turco declarou recentemente que Jamal Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente desmembrado no consulado saudita em Istambul, no dia 2 de outubro, onde tinha entrado para obter um documento para se casar com uma cidadã turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que viajaram para a cidade turca algumas horas antes e regressaram à Arábia Saudita naquela mesma noite.

Recep Tayyip Erdogan assegurou recentemente numa coluna publicada no jornal norte-americano The Washington Post que está certo de que a ordem para matar o jornalista dissidente surgiu “do mais alto nível” do poder da Arábia Saudita.

O jornalista saudita, que colaborava com o The Washington Post, estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade.

ZAP // RT / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois, um acontecimento gravíssimo, que necessita de uma atitude à altura.
    A imunidade diplomática nunca poderá servir, em momento algum, jamais, para actos deste tipo.
    Quem aproveita essa imunidade para estes actos deve ser severamente punido. Exige-se a revisão da convenção de Viena para garantir que coisas semelhantes não voltaram a acontecer.

RESPONDER

Sporting 1-0 Boavista | “Leão” bate “Pantera” e é campeão!

O Sporting é campeão nacional. Dezanove anos depois e à boleia de um golo de Paulinho, os leões conquistaram o seu 19.º campeonato. O Sporting é o campeão nacional época 2020/21. A formação de Alvalade conquistou …

Nave da NASA começou a viagem de regresso à Terra (e vem com a barriga cheia de amostras do asteróide Bennu)

Osiris-Rex, a nave espacial da NASA que tem voado em redor do asteróide Bennu desde 2018, iniciou a sua viagem de regresso à Terra (e vem carregada de amostras espaciais). A nave espacial da NASA coletou …

Negacionistas ponderam vir a usar máscara (para se protegerem dos vacinados)

Uma nova teoria da conspiração argumenta que os vacinados vão "verter" certas proteínas prejudiciais para os não vacinados. A solução passa por usarem máscara e cumprirem o distanciamento social. Embora o uso de equipamento de proteção …

Falcon 10 X: o jato executivo com a maior cabine do mundo

Na semana passada, a Dassault Aviation anunciou mais um elemento da família Falcon, que tem a ambiciosa meta de ser a nova referência no mercado de aviação executiva. O Falcon 10X está agora entre os jatos …

Pandemia "roubou" habitantes a Nova Iorque, mas a cidade está a renascer novamente

A pandemia de covid-19 "esvaziou" cidades norte-americanas, que mostram agora possíveis sinais de renascimento, de acordo com uma análise que sugere que os deslocamentos do ano passado terão sido temporários. Os dados da Unacast, uma empresa …

"100% confirmado". Naufrágio perto de Malta é do submarino HMS Urge

Mergulhadores confirmaram a identidade de um submarino britânico que foi afundado por uma mina alemã perto de Malta, em 1942, pondo fim às especulações de que tinha naufragado por culpa de aviões de guerra italianos, …

Confrontos entre polícia e adeptos do Sporting junto ao estádio

Na noite da festa leonina, viveram-se momentos de grande tensão. Polícia e adeptos envolveram-se em confrontos junto ao Estádio de Alvalade, esta terça-feira. Adeptos do Sporting e elementos das forças de segurança entraram em confronto nas …

Tribunal não encontra credores do Banif no estrangeiro

Alguns credores do Banif que estão no estrangeiro ainda não foram notificados, segundo o anúncio de citação de credores residentes no estrangeiro, datado de 06 de maio. Caso não seja possível encontrá-los, em breve todos …

Novas reações nucleares nas ruínas de Chernobyl. São como "brasas numa churrasqueira"

Nas profundezas das ruínas da Central Nuclear de Chernobyl, 35 anos após o pior acidente nuclear da História, as reações de fissão nuclear começaram a surgir novamente. Uma equipa de cientistas do Safety Problems of Nuclear …

A moeda digital da China pode ser o futuro do dinheiro, mas levanta preocupações

A moeda digital da China pode ser o modelo do futuro do dinheiro, mas levante preocupações relativamente à estabilidade da economia mundial. A China está a registar um progresso promissor com os testes do yuan digital. …