“Estou a sufocar.” Reveladas as últimas palavras de Khashoggi antes de morrer

Ali Haider / EPA

As autoridades turcas afirmam que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi morto por 15 agentes da inteligência saudita em 2 de outubro no Consulado deste país em Istambul.

O responsável do departamento de investigação do jornal turco Daily Sabah, Nazif Karaman, revelou este sábado, em entrevista à Al Jazeera, as supostas últimas palavras do jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto no Consulado Geral da Arábia Saudita em 2 de outubro. Segundo Karaman, o colunista do The Washington Post foi sufocado com um saco de plástico na cabeça.

Estou a sufocar, tire este saco da minha cabeça, sou claustrofóbico“, terão sido as últimas palavras que o jornalista proferiu ainda vivo, antes de perder a vida. As declarações do responsável do departamento de investigação do Daily Sabah são baseadas num áudio gravado pelo Apple Watch da vítima, que as autoridades turcas afirmam ter à sua disposição.

Ainda durante a entrevista, Karaman confirmou que o estrangulamento do jornalista saudita durou sete minutos. Além disso, Karaman citou ainda informações de alguns funcionários da Inteligência turca, avançando que a equipa saudita, composta por 15 membros que viajaram para Istambul expressamente para assassinar o jornalista, passou cerca de 15 minutos a desmembrar o corpo.

A equipa responsável pela morte do jornalista, liderada por Salah al-Tubaigy, cabeça do Conselho Científico Saudita de Ciências Forenses, colocou sacos de plástico no chão onde Khashoggi foi morto para evitar que o sangue manchasse o piso.

Karaman prometeu ainda que o Daily Sabah publicará em breve imagens das ferramentas introduzidas na Turquia pelo esquadrão da morte usadas para desmembrar o corpo do jornalista, assim como as gravações dos últimos momentos de vida de Khashoggi.

A polícia turca está ainda a procurar o corpo do jornalista assassinado. Até agora, encontraram apenas vestígios de ácido na residência do cônsul da Arábia em Istambul. Uma das hipóteses que está em cima da mesa é que o corpo desmembrado terá sido dissolvido com produtos químicos.

A 10 de outubro, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que havia partilhado o áudio que provava o assassinato de Khashoggi com Riad, Paris, Londres, Berlim e Washington. Segundo autoridades turcas, as gravações provam que o assassinato de Khashoggi foi premeditado.

Em outubro, Gina Haspel, diretora da CIA, viajou para a Turquia. Segundo o NPR, não está, contudo, claro se as cópias das gravações foram entregues fisicamente aos Estados Unidos ou se os funcionários norte-americanos puderam apenas ouvir o áudio.

De acordo com o The New York Times, “para a CIA, possuir uma cópia física da fita seria importante para verificar sua autenticidade, determinar como foi feita e analisar o conteúdo de forma independente”.

Washington vai responsabilizar todos os envolvidos

Os Estados Unidos vão “pedir contas a todos os envolvidos na morte de Jamal Khashoggi”, garantiu este domingo o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita.

Numa chamada telefónica com Mohammed ben Salmane, Pompeo instou a Arábia Saudita a responsabilizar os envolvidos, assim como apelou ao “fim das hostilidades” no Iémen, relatou a porta-voz do departamento de Estado, Heather Nauert.

As forças pró-governamentais do Iémen têm combatido os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irão. Em 2015, uma coligação liderada pelos sauditas interveio a favor das forças pró-governamentais.

Na sexta-feira, o The Washington Post indicou que a administração norte-americana decidiu deixar de fornecer aviões à coligação, um apoio cada vez mais controverso depois da morte do jornalista saudita, imputado a altos responsáveis do reino e que estão a manchar a imagem de Riade.

O Ministério Público turco declarou recentemente que Jamal Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente desmembrado no consulado saudita em Istambul, no dia 2 de outubro, onde tinha entrado para obter um documento para se casar com uma cidadã turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que viajaram para a cidade turca algumas horas antes e regressaram à Arábia Saudita naquela mesma noite.

Recep Tayyip Erdogan assegurou recentemente numa coluna publicada no jornal norte-americano The Washington Post que está certo de que a ordem para matar o jornalista dissidente surgiu “do mais alto nível” do poder da Arábia Saudita.

O jornalista saudita, que colaborava com o The Washington Post, estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade.

ZAP // RT / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois, um acontecimento gravíssimo, que necessita de uma atitude à altura.
    A imunidade diplomática nunca poderá servir, em momento algum, jamais, para actos deste tipo.
    Quem aproveita essa imunidade para estes actos deve ser severamente punido. Exige-se a revisão da convenção de Viena para garantir que coisas semelhantes não voltaram a acontecer.

RESPONDER

Pessoas que enfrentam bem a manhã são mais saudáveis (e trabalham melhor)

Vários estudos têm demonstrado que algumas pessoas enfrentam as manhãs de forma naturalmente melhor, o que faz com que tenham um conjunto de diferenças cerebrais que as tornam mais felizes quando acordam. Por outro lado, as …

Cavalos, elefantes e peixes. Circo alemão substitui animais por hologramas gigantes

Após muitas críticas e polémicas à volta do uso de animais em circos, o Circo Roncalli decidiu substituí-los por hologramas, tornando-se o pioneiro nesta abordagem futurista. Os circos têm uma história polémica devido ao facto de …

FC Porto 2-3 SC Braga | Vitória no Dragão leva Braga à final da Taça

O Sporting de Braga venceu hoje o FC Porto por 3-2, em jogo da segunda mão da meia-final da Taça da Portugal de futebol, e garantiu um lugar na final da competição. Depois do empate (1-1) …

Mona Lisa: a cadeira escondida que transforma o significado da obra de Da Vinci

O quadro da autoria de Leonardo Da Vinci é a obra de arte mais famosa do mundo. Contudo, há um detalhe que tem passado despercebido: a cadeira onde a misteriosa mulher está sentada. Escondida, mas …

"Projeto Xueliang". O plano chinês para fiscalizar 100% do espaço público

O "Projeto Xueliang" da China tem como objetivo fiscalizar a totalidade do espaço público, transformando vizinhos em agentes de vigilância do Estado. Em 2016, o município de Pingyi, localizado sete horas a norte de Shangai, tinha …

Há quem tome medicamento para cavalos para tratar covid-19, podendo envenenar-se acidentalmente

A pandemia de covid-19 gerou uma série de desinformações, algumas levando as pessoas a tomar medicamentos não prescritos para tratamento da doença, colocando em risco a sua saúde. Quando a cloroquina, medicamento para tratar a malária, …

Parece o "Batmóvel", é movido a energia solar e pode ser produzido em massa

A Aptera Motors está a preparar-se para lançar o primeiro automóvel movido a energia solar a ser produzido em massa até ao final do ano. A Aptera Motors, uma empresa norte-americana, apresentou recentemente o primeiro carro …

George Floyd. Minneapolis ia contratar influencers para combater desinformação durante julgamento de Derek Chauvin

A cidade de Minneapolis, nos Estados Unidos, planeava contratar seis influencers para ajudar a partilhar informações durante o julgamento de Derek Chauvin, o ex-polícia acusado de assassinar George Floyd. De acordo com a CNN, o plano …

Imagens revelam que a Coreia do Norte oculta local onde armazena armas nucleares. EUA planeiam agir

As imagens de satélite mostram que a Coreia do Norte tomou medidas para ocultar uma instalação, que as agências de inteligência dos EUA acreditam estar a ser usada para armazenar armas nucleares. A situação fez …

Antigo primeiro-ministro italiano Matteo Renzi recebeu envelope com duas balas

O antigo chefe do governo italiano Matteo Renzi recebeu, esta quarta-feira, um envelope com duas balas no interior, uma ameaça imediatamente denunciada por toda a classe política. O envelope foi entregue diretamente na sede do Senado, …