“Estou a sufocar.” Reveladas as últimas palavras de Khashoggi antes de morrer

Ali Haider / EPA

As autoridades turcas afirmam que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi morto por 15 agentes da inteligência saudita em 2 de outubro no Consulado deste país em Istambul.

O responsável do departamento de investigação do jornal turco Daily Sabah, Nazif Karaman, revelou este sábado, em entrevista à Al Jazeera, as supostas últimas palavras do jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto no Consulado Geral da Arábia Saudita em 2 de outubro. Segundo Karaman, o colunista do The Washington Post foi sufocado com um saco de plástico na cabeça.

Estou a sufocar, tire este saco da minha cabeça, sou claustrofóbico“, terão sido as últimas palavras que o jornalista proferiu ainda vivo, antes de perder a vida. As declarações do responsável do departamento de investigação do Daily Sabah são baseadas num áudio gravado pelo Apple Watch da vítima, que as autoridades turcas afirmam ter à sua disposição.

Ainda durante a entrevista, Karaman confirmou que o estrangulamento do jornalista saudita durou sete minutos. Além disso, Karaman citou ainda informações de alguns funcionários da Inteligência turca, avançando que a equipa saudita, composta por 15 membros que viajaram para Istambul expressamente para assassinar o jornalista, passou cerca de 15 minutos a desmembrar o corpo.

A equipa responsável pela morte do jornalista, liderada por Salah al-Tubaigy, cabeça do Conselho Científico Saudita de Ciências Forenses, colocou sacos de plástico no chão onde Khashoggi foi morto para evitar que o sangue manchasse o piso.

Karaman prometeu ainda que o Daily Sabah publicará em breve imagens das ferramentas introduzidas na Turquia pelo esquadrão da morte usadas para desmembrar o corpo do jornalista, assim como as gravações dos últimos momentos de vida de Khashoggi.

A polícia turca está ainda a procurar o corpo do jornalista assassinado. Até agora, encontraram apenas vestígios de ácido na residência do cônsul da Arábia em Istambul. Uma das hipóteses que está em cima da mesa é que o corpo desmembrado terá sido dissolvido com produtos químicos.

A 10 de outubro, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan anunciou que havia partilhado o áudio que provava o assassinato de Khashoggi com Riad, Paris, Londres, Berlim e Washington. Segundo autoridades turcas, as gravações provam que o assassinato de Khashoggi foi premeditado.

Em outubro, Gina Haspel, diretora da CIA, viajou para a Turquia. Segundo o NPR, não está, contudo, claro se as cópias das gravações foram entregues fisicamente aos Estados Unidos ou se os funcionários norte-americanos puderam apenas ouvir o áudio.

De acordo com o The New York Times, “para a CIA, possuir uma cópia física da fita seria importante para verificar sua autenticidade, determinar como foi feita e analisar o conteúdo de forma independente”.

Washington vai responsabilizar todos os envolvidos

Os Estados Unidos vão “pedir contas a todos os envolvidos na morte de Jamal Khashoggi”, garantiu este domingo o chefe da diplomacia norte-americana, Mike Pompeo, ao príncipe herdeiro da Arábia Saudita.

Numa chamada telefónica com Mohammed ben Salmane, Pompeo instou a Arábia Saudita a responsabilizar os envolvidos, assim como apelou ao “fim das hostilidades” no Iémen, relatou a porta-voz do departamento de Estado, Heather Nauert.

As forças pró-governamentais do Iémen têm combatido os rebeldes Houthis, apoiados pelo Irão. Em 2015, uma coligação liderada pelos sauditas interveio a favor das forças pró-governamentais.

Na sexta-feira, o The Washington Post indicou que a administração norte-americana decidiu deixar de fornecer aviões à coligação, um apoio cada vez mais controverso depois da morte do jornalista saudita, imputado a altos responsáveis do reino e que estão a manchar a imagem de Riade.

O Ministério Público turco declarou recentemente que Jamal Khashoggi, de 59 anos, foi estrangulado e posteriormente desmembrado no consulado saudita em Istambul, no dia 2 de outubro, onde tinha entrado para obter um documento para se casar com uma cidadã turca.

O jornalista era esperado no consulado por um comando de 15 agentes sauditas que viajaram para a cidade turca algumas horas antes e regressaram à Arábia Saudita naquela mesma noite.

Recep Tayyip Erdogan assegurou recentemente numa coluna publicada no jornal norte-americano The Washington Post que está certo de que a ordem para matar o jornalista dissidente surgiu “do mais alto nível” do poder da Arábia Saudita.

O jornalista saudita, que colaborava com o The Washington Post, estava exilado nos Estados Unidos desde 2017 e era um reconhecido crítico do poder em Riade.

ZAP // RT / Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Pois, um acontecimento gravíssimo, que necessita de uma atitude à altura.
    A imunidade diplomática nunca poderá servir, em momento algum, jamais, para actos deste tipo.
    Quem aproveita essa imunidade para estes actos deve ser severamente punido. Exige-se a revisão da convenção de Viena para garantir que coisas semelhantes não voltaram a acontecer.

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …