Arábia Saudita deu casas multimilionárias aos filhos de Khashoggi (e mesadas de 10 mil dólares)

Tolga Bozoglu / EPA

Os quatros filhos do jornalista Jamal Khashoggi, morto em outubro passado, receberam casas multimilionárias na Arábia Saudita e continuam a receber uma todos os meses uma “mesada” de “cinco dígitos” do reino. 

A notícia é avançada pelo The Washington Post, jornal para o qual Khashoggi escrevia regularmente. De acordo com o diário-norte americano, as casas e o dinheiro oferecidos pela Arábia Saudita são uma espécie de “compensação pela morte” do seu pai.

Voz crítica do Governo saudita, Khashoggi foi morto e desmembrado no consulado do reino em Istambul, na Turquia, por uma equipa de 15 agentes vindos de Riade.

Os pagamentos aos seus dois filhos e duas filhas “fazem parte de um esforço da Arábia Saudita para chegar a um acordo de longo prazo com os membros da família Khashoggi, visando em parte garantir que eles continuam a demonstrar contenção nas suas declarações públicas”, escreve o jornal.

As recompensas terão sido aprovadas no final do ano passado pelo o príncipe saudita Mohammed bin Salman, visando “corrigir um erro” e reconhecer que “uma grande injustiça” foi cometida, segundo adiantaram fontes ouvidas pelo Post.

Contudo, os pagamentos já feitos serão uma pequena parte de outros montantes que Riade pretende dar ao familiares do jornalista morto. De acordo com o jornal, as compensações podem ascender a “dezenas de milhões de dólares” quando terminar o julgamento contra os alegados responsáveis pela morte do jornalista.

O jornal escreve ainda que as autoridades sauditas teriam preparado um “acordo preliminar”, no qual os beneficiários teriam recebido casas no valor de até quatro milhões de dólares cada (mais de 3,5 milhões de euros), na cidade de portuária de Jidá. Em troca, os filhos do jornalista dariam a “garantia de manter a moderação nas declarações públicas”, evitando fazer críticas rigorosas a Riade.

Além das propriedades, os filhos de Khashoggi recebem 10 mil dólares (quase 9 mil euros) ou mais por mês, podendo ainda receber pagamentos muito superiores, na ordem das dezenas de milhões de dólares cada, refere o jornal.

Um funcionário público saudita disse ao jornal que estes benefícios concedidos aos filhos do jornalista não são uma tentativa de forçá-los a manterem a calma, fazendo antes parte de uma prática tradicional de apoio financeiro da Arábia Saudita às vítimas de crimes violentos ou desastres naturais. “É parte do costume e da cultura” do país.

O diário revela ainda que Salah, o filho mais velho, planeia continuar a viver na Arábia Saudita, enquanto os outros três, que moram nos Estados Unidos, deverão vender as casas. O Post tentou, sem sucesso, contactar os quatro filhos de Jamal Khashoggi.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Estes sauditas são mesmo loucos!…
    Primeiro matam o pai e depois dão milhões aos filhos/família para eles se “conterem”!!
    O dinheiro é que conta… não admira que o Trump seja tão amigo deles!…

  2. Aqui está uma boa maneira de procurar encobrir o mal que fizeram, mas para mais seguro mais valeria que dessem à sola de lá para fora pois amanhã poderá ser a vez deles caso o maioral acorde um dia mal disposto.

  3. Já o Sadam também fazia isso. Em reuniões com altas patentes custava-lhe pouco pegar na pistola e matar um qualquer que não lhe agradava e para mostrar a outros que lhes podia fazer o mesmo. Depois dava muitas recompensas às famílias.

  4. O dinheiro compra mesmo tudo! Pelos vistos os filhos não saem ao pai. Na Arábia Saudita não há pena de morte para quem mata?

RESPONDER

Inaugurada em Lisboa clínica dentária gratuita para jovens até os 18 anos

A Santa Casa da Misericórdia abriu esta terça-feira, em Lisboa, uma clínica de saúde oral, com consultas grátis para todas as crianças e jovens até os 18 anos, que vivam ou estudem dentro do concelho. O …

Família mais rica do mundo enriquece a quatro milhões de dólares por hora

Desde o último boletim de riqueza que a Bloomberg publicou, em junho do ano passado, no seu ranking das famílias mais ricas do mundo, a fortuna dos Walton cresceu 39 mil milhões de dólares, para …

Espanha. PSOE rejeita proposta "inviável" do Podemos para coligação

O Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) rejeitou nesta terça-feira a proposta do Unidas Podemos para uma coligação fovernamental, que considera "inviável", e convidou a plataforma de esquerda a encontrar "outras fórmulas" que facilitem a governabilidade …

Ex-Presidente do Sudão admite ter recebido mais de 80 milhões da Arábia Saudita

O antigo Presidente do Sudão, que foi deposto em abril após vários meses de protestos, começou a ser julgado esta segunda-feira por corrupção. O julgamento por corrupção do ex-Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, começou esta segunda-feira e, …

Hong Kong. Funcionário do consulado britânico desaparece após enviar mensagem à namorada a pedir para rezar por ele

A 08 de agosto, Simon Cheng Man-kit, de 28 anos, estava a regressar a Hong Kong depois de ter estado na cidade chinesa Shenzhen. No momento em que, a bordo de um comboio de alta …

Open Arms. Procurador siciliano ordena apreensão do navio e desembarque imediato dos ocupantes

Luigi Patronaggio, o procurador da cidade de Agrigento, na Sicília, ordenou esta terça-feira a apreensão do navio Open Arms e o desembarque imediato dos quase 100 migrantes africanos que este levava a bordo. O jurista, que …

Jovens suspeitos de três homicídios filmaram um “testamento final” com o telemóvel antes de se suicidarem

Bryer Schmegelsky e Kam McLeod, os dois jovens de 18 e 19 anos suspeitos de três homicídios no Canadá e que foram encontrados mortos após duas semanas em fuga, terão filmado um “testamento final” com …

Em resposta a Macron, Putin diz que autoridades agiram para evitar situação igual à dos "coletes amarelos" em França

O Presidente da Rússia Vladimir Putin disse, durante um encontro com o seu homólogo francês Emmanuel Macron, que as autoridades russas agiram para garantir que as manifestações dos seus opositores permanecem dentro "da lei", evitando …

Gémeas que viviam em garagem estavam sinalizadas há seis anos

As gémeas de 10 anos que viviam numa garagem no concelho da Amadora estavam sinalizadas há seis anos pela Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) e a sua situação conhecida pelo Ministério Público …

Afinal, duração máxima dos contratos a prazo no Estado também baixa para dois anos

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, assumiu o compromisso de emitir uma orientação aos serviços da Administração Pública para respeitarem a redução da duração máxima dos contratos a prazo de …