Pequim sacode culpas da origem do SARS-Cov-2 (e garante que o vírus escapou de laboratório nos EUA)

Paulo Novais / Lusa

O Governo chinês está a divulgar alegações infundadas que ligam um laboratório militar norte-americano à pandemia de covid-19, numa altura em que especialistas da Organização Mundial de Saúde (OMS) estão a investigar as origens do vírus na China.

De acordo com a Vice, Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, pediu esta terça-feira a Washington que abrisse o seu biolaboratório de Fort Detrick para investigação, aludindo a uma teoria da conspiração que ajudou a promover em maio – de que a instalação de Maryland estaria ligada ao surgimento da covid-19.

Pequim e Washington têm-se culpado mutuamente por causar a pandemia de covid-19, que já matou mais de dois milhões de pessoas em todo o mundo. Apesar das fortes evidências científicas de que o coronavírus surgiu naturalmente, os dois Governos levantaram suspeitas de que o vírus poderia ter escapado de laboratórios um do outro.

Na quarta-feira, o “laboratório de Fort Detrick da América” tornou-se o assunto de maior tendência na rede social chinesa Weibo, amplificado por contas controladas pelo Partido Comunista no poder.

“A epidemia de covid atingiu a América em abril de 2020 e Nova Iorque tornou-se o epicentro”, escreveu a Liga da Juventude Comunista. “Em Fort Detrick, a cerca de 240 quilómetros de distância, o Governo dos EUA estava a conduzir experiências com patógenos perigosos.”

Titus Chen, professor da National Sun Yat-sen University, em Taiwan, que estudou a propaganda chinesa, chamou a campanha de informação de Pequim de “uma narrativa de contrapeso”. “Quando a atenção do mundo está mais uma vez voltada para Wuhan, é a tentativa do Governo chinês de desviar o foco, de mover a bola de volta para os Estados Unidos”, explicou.

A última campanha de desinformação foi deflagrada depois de Hua, do Ministério das Relações Exteriores, ter atacado o Departamento de Estado dos Estados Unidos por sugerir uma investigação num laboratório de virologia em Wuhan.

A administração Trump tentou ligar as instalações de investigação chinesas à origem da covid-19 já em abril do ano passado, pressionando as agências de espionagem dos Estados Unidos a encontrar informações para apoiar a teoria da libertação do laboratório.

Especialistas dizem que isto ajuda a distrair o povo de questionar as autoridades, uma vez que que a investigação da OMS em Wuhan e novos surtos no norte da China voltaram a atenção para Pequim.

Embora a China tenha contido amplamente a pandemia, muitas pessoas no país guardam memórias dolorosas dos primeiros dias da epidemia. Depois de o Governo ter demorado a alertar o público sobre um possível surto, os casos de covid-19 sobrecarregaram o sistema de saúde em Wuhan e forçaram os pacientes a implorar por camas hospitalares.

O renovado impulso de desinformação coincidiu com o primeiro aniversário do surto na cidade. Há um ano, Wuhan entrou num confiamento restrito que deixou a maioria dos residentes confinados nas suas casas durante 76 dias.

As redes sociais suprimiram as discussões sobre a gestão da crise pelo Governo e, em vez disso, promoveram publicações infundadas que culpavam os Estados Unidos pela pandemia.

Rumores obscuros do Facebook e Twitter, sites que são bloqueados na China, chegaram à lista de tendências do Weibo, que rotineiramente direciona centenas de milhões de pessoas para tópicos populares aprovados pela China.

Por exemplo, uma hashtag de tendência #Hill levava a uma publicação que afirmava que uma ex-funcionária de Fort Detrick chamada Samantha Hill identificou o coronavírus como proveniente de uma fuga do laboratório.

“O objetivo principal é evocar o sentimento nacionalista”, disse Fang Kecheng, professor de comunicação da Universidade Chinesa de Hong Kong. “A forma como o Governo chinês lidou com o surto inicial foi problemática e essas histórias provavelmente têm como objetivo distrair as pessoas”.

Uma equipa de especialistas da OMS chegou na quinta-feira da semana passada a Wuhan, onde ficará em quarentena durante duas semanas antes de começar a investigar locais onde possam existir pistas de como a pandemia começou.

Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Não sei se é verdade se é mentira, a noticia também é tendenciosa ao escolher um dos lados, mas a verdade é que quem ganhou com esta guerra biológica…. foi a China.ponto.

  2. O virus circulava na California, en Dezembro de 2020. E foi encontrado em amostras de água do mês de Janeiro de uma depuradora de Barcelona.
    A história está mal contada, ao que parece.

  3. Como já não têm o Tramp como braço de ferro, estão já a contar com a benevolência do Biden para continuarem nas jogadas habituais, mas eu nem os culpo a eles chineses por serem mais espertos que os ocidentais que se submeteram aos seus interesses há bastante tempo.

  4. E porque nao??? A china pode ter dados para falar acerca do tal fort detrick. Vocês esquecem-se que a nova moda na politica internacional é acusar sem provas, e este foi um modelo que os eua utilizaram muitas vezes com trump, e nao é preciso mostrar qualquer prova. Mesmo que a china esteja a mentir, está somente a seguir o exemplo dos eua. E sobre as acusações mentirosas de trump temos dezenas de casos em que isso aconteceu. Vai ser preciso enviar uma delegaçao da OMS para esse tal fort.

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …