O laboratório de todos os perigos. Instituto de Wuhan nasceu graças a tecnologia francesa

Wuhan Institute of Virology

Instituto de Virologia de Wuhan, na China

O Instituto de Virologia de Wuhan é o foco de muitas teorias da conspiração sobre a génese do coronavírus que provoca a covid-19. É nele que se pensa quando os EUA insistem na ideia de que o vírus teve origem num laboratório. Mas não são de agora as suspeitas em torno da infraestrutura que lida com doenças infecciosas perigosas.

O Instituto de Virologia de Wuhan é o único centro de pesquisa chinês de segurança máxima para lidar com as doenças infecciosas mais perigosas, como o Ébola. O laboratório só nasceu graças ao apoio científico de França e tem como uma das responsáveis a virologista chinesa Shi Zengli, conhecida como “Batwoman” (Mulher Morcego) por ter descoberto várias amostras de coronavírus numa gruta de morcegos na China.

As teorias da conspiração em torno da origem da covid-19, nomeadamente as que apontam para que o vírus tenha sido “fabricado” como arma biológica, vão quase todas dar a este laboratório. Vários especialistas já descartaram a hipótese de um vírus criado em laboratório, mas não foi totalmente descartada a possibilidade de um erro humano.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, já disse que há uma “enorme quantidade de evidências” que apontam que o vírus saiu de um laboratório de Wuhan. Mas ninguém viu ainda essas provas.

O director do Instituto, Yuan Zhiming, desmentiu de maneira categórica que o laboratório esteja na origem do surto. “Não é possível que o vírus tenha saído” do laboratório, assegurou a media chineses, frisando que “não há nenhuma prova”, nem fundamentos para o alegar.

O Governo chinês insiste na origem natural do vírus, mas também tem rejeitado investigações internacionais em Wuhan, para tentar descobrir onde a transmissão aos humanos se iniciou e de que forma.

China “usou” França e depois “cortou as pontas”

Entre as dúvidas e o secretismo, é preciso recuar a 2017 para perceber como “nasceu” o laboratório de Wuhan que agora está tanto na ordem do dia.

Foi depois do surto de SARS [Síndrome Respiratória Aguda Grave], em 2003, que a China começou a mover-se no sentido de fundar um laboratório de alto nível de segurança, para pesquisar as doenças infecciosas mais perigosas e evitar futuras pandemias. Ainda tentou obter ajuda dos EUA, mas acabou por se virar para a França que tinha então como presidente Jacques Chirac.

Começou a alinhavar-se uma cooperação franco-chinesa que devia envolver tecnologia e ciência. Apesar de alguns receios no seio do Governo francês de que o laboratório pudesse vir a ser usado para fins de guerra biológica, o projecto avançou.

Muito contribuiu para isso o facto de Wuhan ser uma metrópole fortemente industrializada e tecnológica, com 11 milhões de habitantes, o que agradava à França em termos comerciais – grandes empresas francesas como a Peugeot, a Renault, a Schneider e a Pernod-Ricard conseguiram instalar-se em Wuhan.

Em 2017, o laboratório foi inaugurado com a presença do então primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve.

No momento da inauguração, a China apontava a vontade de ajudar na luta contra o vírus do Ébola em África, zona onde o país mantém muitos interesses económicos. Além do Ébola, o laboratório tem-se dedicado também a pesquisas sobre a Febre Amarela e sobre o SARS.

Mas a cooperação franco-chinesa, anunciada com pompa e circunstância, foi apenas um sonho bonito para os gauleses. A China depressa tomou conta de tudo. Os virologistas e bacteriologistas franceses que deviam trabalhar em Wuhan nunca fizeram as malas e o co-presidente francês do laboratório, Alain Mérieux, deixou o lugar alegando que a infraestrutura se tinha tornado “demasiado chinesa”.

“No fundo, os chineses só estavam interessados numa coisa: a tecnologia“, explica à revista francesa Paris Match Antoine Izambard, um dos poucos jornalistas a terem acesso a este laboratório e, possivelmente, um dos últimos franceses a conseguir lá entrar, em Fevereiro de 2019.

Logo que garantiram a tecnologia, os chineses “cortaram as pontas e isso inquietou a França” acrescenta Izambard. Isto porque os franceses tinham dúvidas quanto à capacidade dos chineses de dominarem os requisitos necessários para “lidar com patógenos ultra-perigosos da classe 4”, como aponta o jornalista.

Em Janeiro de 2018, membros da Embaixada americana em Pequim denunciaram a alegada falta de medidas de segurança suficientes no laboratório. O jornal Washington Post divulgou em Abril passado telegramas onde esses receios foram transmitidos à Casa Branca.

“Batwoman” temeu que o vírus tivesse saído do laboratório

O Instituto de Wuhan deu um grande contributo para o conhecimento do vírus que provoca a infecção por covid-19, apurando que o seu genoma é em 80% igual ao do SARS e que corresponde quase a 100% por cento com um coronavírus detectado em morcegos.

Trata-se do único laboratório chinês com a classificação P4, o nível mais elevado de segurança que é atribuído às instalações que lidam com os vírus mais perigosos.

“Se um erro humano pode ter acontecido em Wuhan, ter-se-á produzido, muito mais provavelmente, no Centro de Controle e de Prevenção de Doenças, com menos segurança e, sobretudo, muito mais próximo do mercado de animais da cidade”, constata Izambard na Paris Match.

O jornalista refere-se ao laboratório com classificação P2 que pesquisa os coronavírus dos morcegos e que está localizado a cerca de 300 metros do mercado.

Na cidade, há ainda um laboratório P3 que se dedica também ao estudo dos coronavírus.

A virologista Shi Zhengli, que integra a direcção do Instituto de Wuhan, já admitiu que chegou a temer que o vírus tivesse saído do seu laboratório, conforme um artigo publicado a 11 de Março pela Scientific American.

A “Batwoman” assegurou, contudo, que não há coincidência entre a sequência genética do vírus que provoca a covid-19 e aqueles que a sua equipa estava a analisar em laboratório.

Isso retirou um grande peso da minha cabeça. Não consegui pregar olho durante dias”, desabafou a investigadora na revista científica.

Apesar dos apertados critérios de segurança, nunca há risco zero associado a estes laboratórios. E já houve, no passado, casos de “fugas” acidentais de vírus deste tipo de infraestruturas de investigação.

Em 2004, aconteceu com o vírus SARS num laboratório P3 em Pequim, contaminando dois investigadores. A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu, na altura, a existência de “erros” e altos responsáveis do laboratório foram sancionados pelo Governo chinês.

Em 2003, um investigador de Taiwan também ficou infectado com o SARS num laboratório P4 quando tentava desinfectar manualmente um módulo de transferência do vírus.

Especialistas descartam tese da “arma biológica”

As questões de segurança em torno do Instituto de Wuhan são uma história antiga e foram também apontadas na publicação científica Nature já em 2017.

“O seu baixo nível de segurança tinha sido apontado por vários visitantes franceses, mas foi há uma quinzena de anos, as coisas evoluíram entretanto”, sublinha ao site de informação francês 20 Minutes Izambard, autor do livro “França-China: As ligações perigosas”.

Até agora, a China deu indicações de que não vai permitir investigações da OMS, nem de especialistas estrangeiros em Wuhan, na tentativa de perceber a origem do vírus.

Descartada parece, desde já, a hipótese de se tratar de um vírus “fabricado” em laboratório, como chegou a insinuar o Prémio Nobel da Medicina Luc Montagnier, alegando que o coronavírus teria sido criado a partir do vírus da SIDA, numa tentativa de fazer uma vacina.

“Não há absolutamente nada na sequência genómica deste vírus que indique que possa ter sido criado por engenharia genética. A possibilidade de que se trate de uma arma biológica conscientemente difundida pode ser excluída de certeza“, garante o professor de Biologia Química Richard Ebright, da Universidade de Rutgers, nos EUA, em declarações ao The Washington Post.

SV, ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Cabeças pensadoras , só uma questão !
    Se os chineses , não admitem abrir as portas , a uma investigação estrangeira , … das duas uma , ou já foram contaminar , os desgraçados dos morcegos , ou …. tem o rabo preso .
    Porque não parece racional , que segundo dizem , foi o morcego , que comeu o coelhinho , ou o coelhinho comeu o morcego ?? desde sempre , segundo dizem os mentirosos , o povo chinês , teria comido os bichinhos
    e , nunca tinha aparecido o virus ??? Mistério …..
    Povos de todo o mundo , não se esqueçam , que alem do covid 19 , já recebemos de borla , outros virus …
    e até hoje , nunca pagaram a factura .

    Vale a pena , pensar nisto e muito .
    Cuidem-se

  2. há um resumo de um artigo científico (que foi retirado) que estudou as espículas do SARS-COV-2 e tem semelhanças ao HIV…

  3. Mais uma vez comprovado o custo da subserviência ou melhor dizendo, prostituição económica, neste caso a dos franceses, não esquecendo a de toda a Europa com a história da globalização, isto para não falar em armamento, porque isso então a nível mundial é o que todos nós sabemos. Quanto à culpa dos chineses, ela existe de qualquer forma, ou porque são javardos na forma como comercializam as coisas, ou porque por erro ou intenção o vírus teve origem num laboratório e esta será a causa mais provável, repare-se na reacção do governo chinês e na sua ideologia.

  4. Aqui no Brasil, a coisa está de mal a pior, principalmente pela dependência de produtos médicos e equipamentos importados da China. Vale ressaltar que em se tratando de equipamentos e insumos de maneira geral, quase tudo aqui vem dos chineses. Foi a ganância das principais economias do mundo, que fizeram o que a China é hoje. Enviaram fábricas inteiras para lá, e junto com elas suas tecnologias, funcionários e alto executivos, para “ensinarem” os chineses a aprenderem a fabricar, e diga-se de passagem, aprenderam muito bem. Digo ganância, pois com o total desrespeito ao trabalhador, suprindo-os de direitos trabalhistas os mais básicos e total desrespeito para com o meio ambiente, seus preços tornaram-se infinitamente menores, que quaisquer outros praticados no mercado internacional. Caímos todos, numa gigantesca armadilha criada pelos chineses. Os ditos países que se consideram democráticos, alimentaram com bilhões e bilhões de dólares um país comunista, que oprime o seu povo da maneira mais desumana, que somente o comunismo pode fazer. Se de um lado dependemos deles, para comprar quase tudo, por outro, eles com suas centenas de bilhões de dólares, compram quase tudo que veem pela frente. Compram empresas no mundo todo, ações, imóveis, terras e pasmem, influência política. Aonde isso tudo vai parar? Ou melhor, quando tudo isso vai parar? Acordem autoridades e capitalistas de todo mundo, pois o seu capital e a sua autoridade, está indo cada vez mais para a China. Em muito breve, irão se tornar a maior economia mundial, e consequentemente a maior potência tecnológica e bélica do mundo. Ainda há tempo.
    Osvaldo Ribas
    Araras – São Paulo – Brasil

    • Concordo com todo o que dizes, porem qual a solução? Eu vou começar por não consumir produtos chineses, e sempre que possível consumir produtos nacionais, e passar a mensagem para que outros façam o mesmo. Podemos estar a pagar mais pelo que comprarmos, mas quando apostamos na qualidade, poupamos muito ao longo dos anos, e estamos a investir no futuro dos nossos filhos, e prevenir que um dia não caiem num regime chines comunista de escravatura.

  5. E quantos se insurgiram quando recentemente os americanos tentaram por na linha os chineses?
    Os complexados que agora não comentam esta noticia lá trouxeram “à baila” o velho argumento do imperialismo americano e de quanto o Trump é louco…
    O mais absurdo de tudo é a directora do laboratório chinês admitir que têm uma pesquisa sobre o coronavirus dos morcegos e depois concluir “que não há coincidência entre a sequência genética do vírus que provoca a covid-19 e aqueles que a sua equipa estava a analisar em laboratório”.

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …