Do confinamento alargado aos limites nos despedimentos. O que pode mudar com o “novo” estado de emergência

Manuel de Almeida / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, propôs esta quarta-feira ao Parlamento a renovação do estado de emergência em Portugal por novo período de 15 de quinze dias para permitir medidas de contenção da covid-19.

O chefe de Estado anunciou o envio desta proposta para o Parlamento numa nota divulgada no site da Presidência da República, após ter recebido parecer favorável do Governo, que se reuniu em Conselho de Ministros extraordinário para esse efeito.

“Depois de ouvido o Governo, que se pronunciou em sentido favorável, o Presidente da República enviou à Assembleia da República, para autorização desta, o projeto de diploma decretando a renovação do estado de emergência por 15 dias“, lê-se na nota, que inclui em anexo a carta e o projeto de decreto enviados ao parlamento e o projeto de decreto.

O estado de emergência vigora em Portugal desde as 00:00 horas de 19 de março até às 23:59 desta quinta-feira e, de acordo com a Constituição, não pode ter duração superior a 15 dias, sem prejuízo de eventuais renovações com o mesmo limite temporal.

Para decretar o estado de exceção, o Presidente da República tem de ouvir o Governo e ter autorização da Assembleia da República, que se reuniu esta quinta-feira para debater e votar a prorrogação do estado de emergência.

A renovação do estado de emergência foi aprovada com os votos a favor do PS, PSD, BE, CDS-PP e PAN, com o voto contra da Iniciativa Liberal e as abstenções do PEV, PCP, Chega e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira.

O que pode mudar?

Após ser aprovado na Assembleia da República, o estado de emergência dará mais “poder” ao Governo para aplicar medidas mais restritivas para conter a pandemia de covid-19.

No Programa da Cristina, na SIC, António Costa deixou já no ar que o Governo vai apertar “um bocadinho” mais as medidas para travar a propagação do vírus, deixando um especial apelo aos emigrantes para que não regressem na Páscoa.

O decreto para a renovação do estado de emergência já assinado por Marcelo Rebelo de Sousa aponta as áreas em que o Governo poderá definir novas medidas.

De acordo com o semanário Expresso, o documento permite ao Governo rever situação dos presos, mudar ciclos escolares e datas de exames, o “confinamento compulsivo” deixa de ser só em hospitais ou em casa, passando a ser também possível em “outros locais definidos pelas autoridades competentes” e as limitações ao direito à greve são estendidas “a todos os serviços públicos essenciais”.

O jornal Público nota que o decreto refere a proteção de dados oficiais, um ponto totalmente novo que  para que as operadoras de telecomunicações possam enviar SMS com informações da DGS relacionadas com a pandemia.

O mesmo diário escreve que o decreto possibilita ao Governo vir a determinar limitações aos despedimentos, bem como interferir diretamente na atividade das empresas propondo “limitações ou modificações à respetiva atividade”, que podem passar por “alterações à quantidade, natureza ou preço dos bens produzidos e comercializados.

Quanto ao açambarcamento, prevê-se que possam ser “adotadas medidas de controlo de preços e combate à especulação ou ao açambarcamento de determinados produtos ou materiais”, segundo o mesmo documento.

O documento alarga ainda a possibilidade de requisição civil ao pessoal dos lares.

O decreto presidencial, recorde-se, permite ao Presidente dar mais poder ao Governo para tomar medidas, mas estas medidas são tomadas pelo Executivo. Ao Chefe de Estado, cabe decretar ou renovar o estado e definir as áreas em que o Governo fará alterações.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

UE condena "instrumentalização" de refugiados pela Bielorrússia

A União Europeia (UE) condenou esta sexta-feira "a instrumentalização de migrantes e refugiados pelo regime bielorrusso", alegando que é "totalmente inaceitável" usar pessoas para "promover objetivos políticos" e prometeu avaliar hipótese de punição de contrabandistas. O …

André Ventura - Chega

Autárquicas serão "início do fim do reinado" de Costa. Em Moura, Ventura é apelidado de "fascista"

Esta sexta-feira à noite, em Moura, um grupo de pessoas juntou-se perto do comício de André Ventura, em protesto, apelidando o líder do Chega de "fascista". O líder do Chega, André Ventura, apresentava esta sexta-feira os …

Incêndios na Turquia chegam a zonas turísticas. Há suspeitas de mão criminosa

Os devastadores incêndios que se estão a fazer sentir na zona sul da costa da Turquia já fizeram pelo menos quatro mortes. Depois das ondas de calor mortais nas Américas, inundações na Europa e China e …

Sonae vende 24,99% da empresa que detém o Continente por 528 milhões de euros

O grupo Sonae acordou vender uma participação de 24,99% na Sonae MC, a proprietária dos supermercados Continente, por 528 milhões de euros, informou em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A alienação de …

Supertaça. Sporting e Sp. Braga defrontam-se 39 anos depois (e adeptos regressam aos estádios)

Sporting e Sp. Braga lutam este sábado pelo primeiro título da época (e os adeptos já vão estar na bancada). O encontro da 43.ª edição da supertaça Cândido de Oliveira está marcado para este sábado, …

Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões …

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …