Relatório do Banco de Portugal aponta falhas de supervisão desde Vítor Constâncio

Um relatório de auto-avaliação do Banco de Portugal no caso Banco Espírito Santo aponta falhas ao comportamento do supervisor não apenas nos mandatos de Carlos Costa, mas também no tempo de Vítor Constâncio.

De acordo com o Jornal de Negócios, no documento de 600 páginas, que analisa o acompanhamento que o Banco de Portugal fez ao BES desde 2000, são feitas críticas à atuação do supervisor não apenas sob a liderança de Carlos Costa, que assumiu o cargo de governador pela primeira vez em 2010, mas também à de Vítor Constâncio, hoje vice-presidente do Banco Central Europeu.

A supervisão do caso do BES tanto no segundo mandato de Constâncio como no primeiro de Costa foi tutelada por Pedro Duarte Neves, atualmente vice-governador, que deixou a pasta da supervisão prudencial (acompanhamento preventivo das atividades das instituições bancárias) em 2014 na sequência do caso BES. Foi substituído por António Varela, que se demitiu do cargo há poucas semanas.

Uma das questões apontadas no documento é a existência de casos em que o Banco de Portugal possuía informações sobre o Grupo Espírito Santo e as operações do BES em Angola que não terão sido utilizadas no seu trabalho de supervisão ao banco.

De acordo com o Diário de Notícias, o relatório traz ainda correspondência trocada entre Carlos Costa e os principais agentes nacionais relacionados com o Banif, revelando as críticas indignadas da administração do banco e dos ministros das Finanças Maria Luís Albuquerque e Mário Centeno.

O relatório teve o apoio técnico da consultora Boston Consulting Group, que recebeu mais de 900 mil euros pelo trabalho, e está no centro de uma polémica entre o parlamento e o governador: Carlos Costa recusou entregá-lo à comissão parlamentar de inquérito ao BES.

O documento é um relatório de auto-avaliação elaborado pela comissão de avaliação nomeada pelo próprio supervisor, com o apoio técnico da Boston Consulting Group (BCG) – que recebeu mais de 900 mil euros pelo trabalho -, e não uma auditoria externa feita pela consultora.

Na sequência da comissão de inquérito ao BES, no ano passado, o Banco de Portugal recorreu a um parecer jurídico interno para justificar a recusa em entregar o documento, em nome do dever de segredo e da proteção de terceiros.

O documento foi pedido novamente no âmbito da comissão de inquérito ao caso Banif, cujas audições começam na próxima semana, e mais uma vez Carlos Costa recusou.

ZAP

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Mais um que todos sabiam que erra um grande ladrão… Mas mesmo assim lá foi para o banco central europeu. Em vez da prisão! É Normal foi por a mão nos bolsos de mais gente!
    Grande ladrão, corrupto…

    • Ahahah!!! Crispy Picanço, dorei a parte em que para chegar a esta conclusão foi necessário um relatório….
      Lá está. Em Portugal anda tudo a presumir!! Mas alguns ficam donos da Rua do Ouro…!!!

RESPONDER

Recibos verdes e sócios-gerentes já podem pedir apoio relativo a maio

O formulário para os trabalhadores independentes e sócios-gerentes pedirem o apoio criado no âmbito da pandemia covid-19, relativo a maio, fica hoje disponível na Segurança Social Direta, podendo ser entregue até 9 de junho. O prazo …

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …

Julgamento BES. Ministério Público acredita que provas da Suíça ainda podem ser utilizadas

O jornal Público escreve este sábado que os procuradores do Ministério Público (MP) acreditam ainda ser possível utilizar os elementos solicitados nas cartas rogatórias enviadas às autoridades suíças no julgamento do caso BES. O Ministério …

Salários mais baixos podem passar a ter lay-off pago a 100%

O Governo está a estudar a possibilidade de o regime de lay-off, desenhado especificamente para o contexto da pandemia de covid-19, passar a ser pago na sua totalidade (100%) para quem tem salários mais baixos. …

Bronca na Liga. Contestação adia 5 substituições e o Marítimo recusa assinar Plano de Retoma

Após dois dias intensos de reuniões, foi aprovado o Plano de Retoma do campeonato nacional para a disputa das últimas 10 jornadas da época 2019/2020. Mas apenas 17 clubes o assinaram. O Marítimo recusou fazê-lo, …

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …