/

O Reino Unido pode conseguir eliminar a covid-19 (mas isso pode ser pior)

5

Tornar-se uma zona livre de covid-19 soa como o objetivo final de qualquer nação. Vários países ao redor do mundo chegaram bem perto e, de acordo com um grupo de cientistas independentes, o Reino Unido poderia juntar-se a eles.

Um grupo de cientistas afirma, de acordo com o New Scientist, que o Reino Unido pode introduzir medidas específicas ao longo do próximo ano e seguir os passos de outras histórias de sucesso de ilhas como a Islândia, Taiwan e a Nova Zelândia.

No entanto, um exame minucioso revela que nenhum país conseguiu eliminar completamente o novo coronavírus e que fazê-lo significaria fazer sacrifícios tão grandes noutras áreas do bem-estar público que talvez não valesse a pena.

No início deste mês, o Independent SAGE, um grupo de cientistas que fornece conselhos com a intenção de orientar a política do Governo do Reino Unido, publicou um relatório que recomendava que o Reino Unido procurasse ter zero casos relatados em 12 meses.

“Atingir a eliminação permitiria que todas as medidas de distanciamento social fossem levantadas, as escolas fossem totalmente abertas, as indústrias de hospitalidade e entretenimento reabrissem completamente, que houvesse revitalização da economia e um senso de normalidade muito necessária para a população”, lê-se no relatório.

Os cientistas contactados pelo New Scientist concordam que é teoricamente possível que muitos países, incluindo o Reino Unido, se livrem do vírus mesmo sem a vacina. Porém, o sucesso exigiria medidas difíceis.

As etapas sugeridas no relatório do Independent SAGE incluem aumentar os testes, rastrear e isolar programas, manter políticas de bloqueio e restringir as viagens.

Essas medidas seriam um desvio do atual retorno faseado à vida normal proposto pelo Governo do Reino Unido. Recentemente, o Governo recomendou que as pessoas regresassem ao escritório e, em breve, oferecerá descontos nas refeições do restaurante para incentivar a jantar fora.

Dados recentes sugerem que o programa de testes e rastreamento da Inglaterra está a atingir 80% dos contatos das pessoas infetadas. Além disso, restrições rigorosas ao controle de viagens e fronteiras teriam custos para negócios, turismo e economia em geral.

“É realmente difícil saber [qual deve ser o objetivo]”, disse Kathleen O´Reilly, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres. “Trata-se de equilibrar o que é possível, que recursos estão disponíveís e quais são as desvantagens de colocar os seus recursos numa doença”.

Mesmo os países que chegaram mais perto de alcançar a eliminação estão agora numa batalha constante para a manter. A Nova Zelândia foi provisoriamente descrita como “livre de vírus” no início de junho, quando todas as restrições, exceto o rígido controlo nas fronteiras, foram levantadas. No entanto, o país tem relatado um pequeno número de novos casos de covid-19 quase diariamente.

Também a Escócia parecia estar perto de eliminar a covid-19 no final de junho, mas ainda está a ter uma série de novos casos diários.

Para O’Reilly, vale a pena procurar a eliminação se tudo o que queremos fazer é pôr um fim à covid-19. No entanto, o bloqueio já afetou significativamente outras áreas da prestação de serviços de saúde. Os procedimentos médicos foram adiados, o rastreamento do cancro suspenso e milhares de pessoas evitaram procurar atendimento para problemas graves de saúde, incluindo sintomas de ataque cardíaco.

O equilíbrio é um desafio ainda maior em países com recursos mais limitados. Aqueles que estavam no caminho para eliminar a poliomielite e o sarampo através de esforços generalizados de vacinação, por exemplo, tiveram reversões significativos devido ao desvio de recursos de saúde durante a pandemia.

Dadas essas dificuldades, alguns cientistas estão a propor uma abordagem alternativa: eliminar o coronavírus como um problema de saúde pública. Na prática, isso significa que há tão poucos casos que é improvável que as pessoas entrem em contacto com uma pessoa infetada durante uma excursão ou visita a um restaurante.

O grupo Independent SAGE sugere que ter um caso por milhão de pessoas numa população poderia ser usado para definir ter o coronavírus “sob controlo”, mas Gabriel Scally, membro do grupo, admite que esse número não se baseia em evidências concretas sobre a forma como o vírus se espalha.

Esse objetivo significaria mudanças significativas e prolongadas no comportamento em termos de distanciamento social, higiene pessoal e uso de máscaras.

A erradicação é um desafio ainda maior. O mundo apenas erradicou uma doença humana, a varíola. Isso ocorreu através de um grande esforço global, ajudado por uma vacina muito eficaz. Por enquanto, a erradicação da covid-19 parece impossível. Mesmo se uma vacina fosse desenvolvida, ainda não sabemos quão eficaz seria ou quanto tempo os seus efeitos poderiam durar.

  ZAP //

5 Comments

    • Como é que eu posso deixar os outros viverem com a liberdade de me contagiar à vontade? A liberdade dos outros acaba onde começa a minha saúde. Não são os outros que têm “medo”… É você é que está convencido de que se ignorar um perigo, ele deixa de existir.

      Pessoas com as suas ideias deveriam ser todas isoladas numa espécie de geto. Uma área da cidade em que malta como você se pode misturar, esfregar e chafurdar à vontade com os outros infectados todos… Mas proibidos de entrar nas áreas da cidade onde vivem as pessoas normais que prudentemente preferem tomar precauções.

      Já para não falar que gente inconsciente assim como você estão-se cagando se pessoas de grupos de risco apamnham a doença de vocês. Como a vocês não mata, os outros que se lixem. Você é um espectáculo!.. Devia ser isolado num gueto.

      • Do seu comentário, podemos concluir que o Senhor está gravemente doente, o que aliás não é de estranhar , já que o medo, o pânico e o isolamento provocam perturbações mentais, aliás bem patentes naquilo que escreveu e que revelam também o ditador frustrado que há em sim bem como uma pessoa mal formada de baixo nível educacional ,e que utiliza uma linguagem desprezível.
        Vá ao médico, trate-se.
        Saúde para você

  1. O custo destas medidas seria tão elevado, que o COVID até pareceria um simples incómodo. Não se combate um mal com um mal maior. Não se mata um vírus com uma bomba atómica!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.