A Escócia está prestes a eliminar a covid-19 (mas a vizinha Inglaterra pode arruinar-lhe os planos)

A Escócia está a apenas algumas semanas de eliminar completamente o novo coronavírus, que causa a doença covid-19, situação que destaca as diferentes abordagens adotadas pelo país e pela vizinha Inglaterra nos últimos meses.

Embora a Escócia tenha cometido muitos dos mesmos erros do que Inglaterra, desde o final de março, o Governo escocês agiu com base nos seus próprios pareceres científicos.

De acordo com o NewScientist, que cita Devi Sridhar, da Universidade de Edimburgo, as duas nações responderam ao coronavírus da mesma forma de janeiro e até março. “Há algumas coisas em que a Escócia fez um pouco mais cedo, mas não radicalmente”, disse.

Um sucesso escocês ocorreu em testes comunitários para a doença. Quando Kate Mark, do Serviço Nacional de Saúde Lothian, em Edimburgo, percebeu que os casos suspeitos estavam a aumentar, a sua equipa começou a testar pessoas nas suas casas e montou um dos primeiros centros de testes drive-through do mundo.

Em 12 de março, o governo do Reino Unido abandonou todos os esforços de testes da comunidade para se concentrar em testes em hospitais e outros estabelecimentos de saúde, devido à falta de recursos. A partir daí, a doença espalhou-se rapidamente até que, em 23 de março, o primeiro-ministro Boris Johnson anunciou quarentena obrigatória em todo o Reino Unido.

A medida não foi suficiente para evitar ondas de mortes em casas de repouso na Escócia e Inglaterra. Quando a Escócia começou a colher dados sobre a covid-19 em casas de repouso em 11 de abril, 37% das casas já estavam infetadas, de acordo com um relatório em co-autoria de David Henderson na Edinburgh Napier University. “Em algumas semanas, houve um aumento de 300% nas mortes em residências na Inglaterra e 200% na Escócia”.

Foi nessa altura que os caminhos da Escócia e da Inglaterra começaram a divergir. Dois dias após o início da quarentena nacional, a primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, criou um grupo de aconselhamento científico para a Escócia para complementar o conselho do Grupo Consultivo Científico para Emergências do Reino Unido.

A Escócia tem sido mais lenta ao relaxar o bloqueio do que a Inglaterra e fê-lo passo a passo, para que os efeitos de cada mudança possam ser medidos, o que difere do rápido relaxamento da Inglaterra.

A Escócia também teve mais sucesso na criação de testes e rastreamento de contactos. “Mantivemos os nossos princípios de rastreamento de contatos antiquado, tradicional e baseado em evidências”, disse Mark.

Dois outros fatores contribuíram para o relativo sucesso da Escócia. O primeiro foi uma mensagem clara. Em 10 de maio, o governo do Reino Unido mudou o seu slogan “fique em casa” para “fique alerta”, mas a Escócia manteve a linha original. Desde então, mudou para “fique seguro”.

Além disso, “existe um nível muito alto de confiança no Governo escocês e na liderança de Nicola Sturgeon”. De acordo com o YouGov, em 1 de maio, 74% dos escoceses aprovaram a resposta escocesa à pandemia e 71% estavam confiantes nas decisões de Nicola Sturgeon. Por outro lado, uma pesquisa de junho descobriu que 50% dos britânicos desaprovavam Johnson e apenas 43% o aprovavam.

Em 29 de junho, a Escócia registou cinco novos casos num total de 815 novos casos no Reino Unido e não anunciou nenhuma nova morte relacionada com a covid-19 pelo quarto dia consecutivo. A nação poderá, em breve, ter dias sem novos casos confirmados. “A Escócia está a semanas disso. A Inglaterra está a meses”, disse Sridhar.

Porém, é improvável que a Escócia alcance a eliminação total num futuro próximo, uma vez que possui uma fronteira de 154 quilómetros com a Inglaterra. “Muitas pessoas atravessam essa fronteira todos os dias”, explicou Sridhar. “Acho que provavelmente nunca chegaremos, sem a cooperação da Inglaterra, à eliminação total”.

Sturgeon disse que “não há planos” para colocar em quarentena as pessoas que entram na Escócia de outras partes do Reino Unido, mas que o país precisa de “poder considerar todas as opções” para impedir que o vírus volte se as taxas de infecção forem diferentes noutras partes do país.

No entanto, deve ser possível para a Escócia manter o número de novos casos baixo e, talvez, incentivar a Inglaterra a seguir o seu exemplo.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …