Na luta contra a pandemia, Taiwan tinha alguns trunfos na manga (e o conflito com a China era um deles)

A resposta de Taiwan no combate à pandemia de covid-19 tem sido elogiada por profissionais de saúde pública em todo o mundo. Os conflitos geopolíticos com a China, a experiência em doenças respiratórias e a transparência do Governo foram alguns dos trunfos que o país tirou da manga.

Tal como os países vizinhos, como é o caso da Coreia do Sul e de Singapura, Taiwan respondeu à covid-19 de uma forma que pode ser imitada no resto do mundo. O país asiátivo conteve a doença, iniciando uma ação rápido, coordenando a resposta do Governo ao vírus e comunicando abertamente com os seus cidadãos.

Numa sociedade de cerca de 24 milhões de pessoas, Taiwan registou apenas 449 casos de covid-19 e sete mortes. Esses números são notáveis, uma vez que Taiwan se localiza a menos de 160 quilómetros da costa da China continental, onde o surto começou.



Taiwan exportou a sua experiência e suprimentos médicos para todo o mundo. Para os líderes mundiais que procuram imitar a estratégia de Taiwan, há que entender que o país tinha vários trunfos na manga, que lhe permitiram conter com sucesso a covid-19.

De acordo com um artigo de opinião publicado no jornal norte-americano CNN, o primeiro trunfo foi o conflito geopolítico entre Taiwan e o continente, oficialmente a República Popular da China, que considera a ilha autónoma como parte do seu território.

Este conflito alimentou o ceticismo de Taiwan sobre as declarações de Pequim. Quando as notícias sobre um novo coronavírus em Wuhan foram divulgadas em dezembro de 2019, Taiwan não se baseou nas declarações oficiais da China de que o vírus poderia ser controlado e que não poderia ser transmitido entre humanos.

Em vez disso, começou imediatamente a triagem de passageiros nos voos de entrada de Wuhan e movimentou-se rapidamente para identificar e isolar qualquer viajante que apresentasse sintomas da covid-19.

Além disso, Taiwan tem uma experiência significativa em lidar com surtos de doenças respiratórias. A ilha foi fortemente afetada pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) em 2003 e respondeu efetivamente à gripe H1N1 em 2009.

As autoridades entenderam a importância de responder rapidamente à doença, garantindo a disponibilidade de equipamentos de proteção, como máscaras, e protocolos para identificar casos do vírus e impedir a disseminação da comunidade.

Depois da SARS, Taiwan criou o National Health Command Center (NHCC), uma entidade encarregada de coordenar a resposta do Governo às crises de saúde. Na sua resposta, as autoridades de Taiwan enfatizaram a transparência e a forte coordenação e ativaram um escritório no NHCC, o Centro Central de Epidemias (CECC), para reunir e disseminar regularmente informações sobre o vírus e os seus efeitos, para que todos os residentes de Taiwan estivessem informados.

O Governo também incentivou uma resposta de toda a sociedade ao vírus, com os setores público e privado a trabalhar juntos para lidar com as crises de saúde.

Assim, Taiwan movimentou-se rapida e eficientemente para implantar medidas apropriadas contra a covid-19. Na ausência de uma vacina ou terapia eficaz, isto significava isolar rapidamente os casos, além de realizar rastreios de contacto completos e testes generalizados à população.

As autoridades de Taiwan incentivaram o uso universal de máscaras. O Governo aumentou a produção e controlou a sua distribuição, particularmente durante a fase inicial da crise, instituindo um rigoroso sistema de racionamento. Além disso, aplicou medidas de distanciamento social para ajudar a retardar a propagação do vírus e estabeleceu restrições de viagem.

Devido à sua forte resposta, a maioria dos casos do covid-19 em Taiwan foram importados – e não o resultado da transmissão na comunidade.

Embora os esforços de Taiwan para combater o covid-19 tenham sido bem-sucedidos, a China continua a restringir a sua capacidade de participar da Organização Mundial da Saúde (OMS), a entidade afiliada à ONU encarregue de responder às crises internacionais de saúde. A OMS foi criticada por não incluir Taiwan.

Taiwan também esteve no centro da polémica quando foi revelado que o país enviou um e-mail à OMS a alertar para a propagação de pessoa para pessoa. No entanto, o país terá sido ignorado.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Imunidade de grupo poderá ser atrasada. Jovens com mais de 18 anos vacinados a partir de 4 de julho

Henrique Gouveia e Melo, coordenador da task-force para o Plano de Vacinação contra a covid-19, admitiu um atraso de até 15 dias na meta de 70% de população vacinada com a primeira dose, devido ao …

Supremo espanhol ordena libertação imediata dos nove políticos catalães

O Supremo Tribunal espanhol ordenou, esta quarta-feira, a libertação imediata dos nove líderes independentistas catalães condenados pela tentativa separatista de 2017, depois de o Governo ter concedido um indulto por "razões de utilidade pública". Segundo a …

Corona quer sair do FC Porto e tem uma escolha de eleição

Em final de contrato com o FC Porto, Jesús Corona olha para a porta de saída e vê no Sevilha a escolha de eleição para seguir a sua carreira. Jesús Corona termina contrato com o FC …

Índia alerta para variante Delta Plus, já presente em Portugal. É a chamada "mutação nepalesa"

A Índia alertou, esta terça-feira, para uma mutação da variante Delta, chamada Delta Plus, que já terá sido detetada em nove países, incluindo Portugal. O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge confirma que se …

PS acusa Rui Rio de "incoerência" por criticar Governo após palavras de Merkel

Sobre as críticas de Angela Merkel subscritas por Rui Rio, Ana Catarina Mendes lembra que, "em maio, o PSD criticava o Governo por não ter ainda anunciado a abertura aos voos do Reino Unido". A líder …

Arqueólogos investigam mistério de túmulos reabertos há 1400 anos

Um novo estudo mostra que pessoas que viviam na Europa há cerca de 1400 anos tinham o hábito de reabrir túmulos e retirar de lá certos objetos, algo que os arqueólogos ainda estão a tentar …

O dilema de Costa nas negociações: de um lado a esquerda que quer "destroikar", do outro Centeno que deixa avisos

António Costa vai dar início às negociações sobre o Orçamento do Estado em julho, mas está numa encruzilhada: se, de um lado, tem a esquerda a pressioná-lo com o dossiê do Código do Trabalho; do …

"Dever de neutralidade". Portugal não assinou carta contra a Hungria pelos direitos LGBTI

O Governo de António Costa está a ser duramente criticado por ter recusado subscrever uma carta assinada por 13 Estados-membros da União Europeia (UE) contra a Hungria, na defesa dos direitos LGBTI neste país. O …

Jogos de futebol emocionantes podem (literalmente) parar o coração

Um equipa de investigadores descobriu que um jogo de futebol emocionante, que deixa as pessoas stressadas ou zangadas, pode provocar um ataque cardíaco. Em 2014, a Alemanha venceu a Argentina na final do Campeonato Mundial de …

PSD aprovou lei que mantém libertação de presos

Num texto conjunto com o PS, no ano passado, o PSD propôs que a vigência do regime de perdão de penas no âmbito da covid-19 terminasse "na data a fixar em lei própria". O líder do …