“Ninguém esperava uma segunda vaga tão cedo.” Costa anuncia pacote de apoio à restauração

Hugo Delgado / Lusa

Esta segunda-feira, em entrevista à TVI, o primeiro-ministro mostrou-se surpreendido com o crescimento de contágios e anunciou a criação de um pacote de medidas de apoio aos restaurantes afetados pelas restrições do estado de emergência.

Numa entrevista conduzida por Miguel Sousa Tavares, no Jornal das 8 da TVI, o primeiro-ministro admitiu ter sido “surpreendido” com a segunda vaga de infeções. “Ninguém esperava uma segunda vaga tão cedo”, afirmou António Costa, justificando que não se tratou de uma questão de não ter sido avisado, mas por ter sentido que “as pessoas não reagiram tão prontamente como no passado”.

Durante a entrevista, o governante reiterou a confiança política que tem em Marta Temido, ministra da Saúde, sublinhando que sai até reforçada depois desta tempestade sanitária. Até agora, frisou o primeiro-ministro, o Serviço Nacional de Saúde “não falhou em nada”.

“Se conseguirmos controlar a situação, como temos neste momento – onde praticamente ainda temos uma capacidade de metade das camas de cuidados intensivos alocadas a covid-19 -, se conseguirmos controlar a pandemia agora, vamos conseguir viver sem dramas de rutura”, disse, citado pela TVI24.

De acordo com os dados apresentados por António Costa, há 704 camas para cuidados intensivos, estando 433 ocupadas. No limite, este número pode chegar a 944, salientou. “Temos em execução um conjunto de obras em vários hospitais (casos de Évora, Amadora/Sintra e Gaia) para aumentar a capacidade.”

“Quando começou a pandemia, Portugal era o país da União Europeia com o menor número de camas de cuidados intensivos por cem mil habitantes. Chegaremos a março de 2021, um ano depois da pandemia, tendo passado do último lugar para a média da União Europeia”, declarou António Costa.

Miguel Sousa Tavares perguntou ao primeiro-ministro se a situação já se encontrava descontrolada em Portugal. Munido de um gráfico, ao estilo dos debates políticos, António Costa respondeu que vivemos hoje “uma situação bastante mais grave do ponto de vista da pandemia daquela que estávamos no início do primeiro estado de emergência”.

“Estamos naquele momento em que conseguimos ainda ter capacidade de controlar. Hoje temos exatamente o dobro das pessoas internadas que tivemos no pior momento da primeira onda, mas ainda não entrámos em situação de rutura porque felizmente foi possível aumentar entretanto a capacidade de resposta e de acolhimento no SNS”, disse.

Ainda assim, sublinhou que o que podia ter sido preparado para fazer face a esta segunda vaga – ou seja, “o aumento da capacidade de resposta” – aconteceu, quer por parte do reforço da capacidade de atendimento da Linha SNS24, quer das camas para internamento e do número de testes de diagnóstico realizados.

“Tal como todos os outros países da Europa, ninguém previu que esta segunda vaga surgisse tão cedo.” Questionado sobre se o Governo não assustou suficientemente as pessoas sobre a gravidade da situação, Costa voltou a colocar o tónico da discussão na ação individual.

“Como ainda ontem disse a Ordem dos Médicos, esta situação só é controlável se a conseguirmos controlar antes de entrar no SNS, ou seja, na fase em que depende de cada um de nós e só de nós depende, para paramos as cadeias de transmissão, e isso implica um grande rigor e disciplina para todos nós”, salientou.

Quanto às medidas deste estado de emergência, o primeiro-ministro lembrou que 68% dos contágios ocorrem em meio familiar, porque “as pessoas se sentem em segurança” e baixam a guarda. “Como não queremos ter a forma de controlar o que se passa em cada uma das casas, a forma que temos de quebrar estes movimentos é impedir a circulação.”

“Pacote restauração”

Na mesma entrevista, António Costa anunciou que o Governo vai apresentar, esta semana, um pacote de medidas de apoio destinado para o setor da restauração. O objetivo é compensar as perdas de receita decorrentes das novas restrições impostas na sequência do estado de emergência.

Com o recolher obrigatório nos 121 concelhos mais afetados pela pandemia entre as 13h00 e as 5h00 nos próximos dois fins de semana, este setor é um dos mais prejudicados. Os representantes já criticaram a medida e pediram apoios que compensem os empresários.

À TVI, o primeiro-ministro disse que, atualmente, é possível saber qual a receita de cada restaurante a partir do e-Fatura e, desta forma, é possível estimar quanto irá cada uma dessas empresas “teoricamente perder”. Além disso, o Governo já tem estimado quais são os custos fixos desses restaurantes e que parte das despesas dizem respeito ao pessoal, estando a ser apoiada pelas medidas do lay-off.

“Quanto ao resto [dos custos], podemos estabelecer um apoio específico para mitigar os prejuízos desses dois fins de semana”, disse Costa, não detalhando a fatia específica da perda de receitas que será coberta pelas ajudas.

As medidas serão discutidas com as associações do setor ao longo desta semana. Questionado sobre a possibilidade de o novo pacote abranger também a hotelaria, Costa justificou que a situação da restauração é “distinta” e que a perda “é uma perda absoluta”.

Na semana passada, o Executivo anunciou um conjunto de apoios às empresas, que inclui 750 milhões em subsídios a fundo perdido para as micro e pequenas empresas dos setores mais afetados pela pandemia. Este pacote vai ser somado ao novo conjunto de medidas que será desenhado ao longo desta semana.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

10 COMENTÁRIOS

  1. Desculpa de mau (e inconsciente) perdedor. Sabia que haveria 2ª vaga e, em vez de ser formiguinha, foi cigarra. “Quem vai para o mar, avia-se em terra”. É só poeira…

  2. Todos sabíamos que iria existir uma segunda vaga. Todos os pareceres da comunidade cientifica iam nesse sentido, o único argumento que poderiam utilizar é que a segunda vaga chegou antes do previsto, mas a tomada de decisões é baseada na antecipação não na reação.
    Este discurso é sinal de desnorte, de quem não sabe o que fazer e acha que as pessoas são parvas. Tivemos a Austrália para servir de exemplo.
    Receio que muitos Portugueses vão morrer graças a demasiada política e poucas decisões baseadas em factos. Vendo bem, como é típico deste Governo, existe sempre forma de alguém ter uma regra diferente.

  3. Nunca passámos da primeira vaga e o número reduzido de infectados dos quais tivemos conhecimento num dado momento ficou apenas a dever-se ao número reduzido de testes que nessa altura se estavam a fazer. Enfim, nunca tivemos a verdadeira dimensão do problema. Como este Costa vigarista percebe nada de quase tudo, começou a “cantar milagres ou semi-milagres” antes do tempo!

  4. NINGUÉM leu as notícias, NINGUÉM viu os gráficos, NINGUÉM ouviu o pessoal hospitalar, ALGUÉM quer fazer-me de parvo, oh meu vai-te catar…

  5. Pasmou-se com o “milagre”, untou a barriga com manteiga e deitou-se na praia…!
    Entretanto, o fdp do bicho, aproximou-se de mansinho e em pantufas e, vai daí, quando “o que faz dou outros pacóvios” foi a dar conta… Pumba! Aí esta a segunda vaga a roer-lhe as canelas…!
    O outro era pinóqui mas este é seu mestre…

RESPONDER

Família de Ihor pondera recorrer se inspetores não forem condenados por homicídio

A família de Ihor Homenyuk está a ponderar recorrer se os três inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) forem condenados por ofensas à integridade física agravada e não por homicídio qualificado. A notícia é …

"Sofagate". Michel pede desculpa a Von der Leyen por falta de reação a incidente em Ancara

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, pediu esta terça-feira solenemente desculpa à líder da Comissão Europeia (UE) pela falta de reação ao "desplante diplomático" protagonizado por Ancara na semana passada. Von der Leyen destacou …

Altice Portugal acredita que "SIRESP vai acabar a 30 de junho"

O presidente da Altice Portugal disse que a empresa não teve "qualquer tipo de contacto por parte do SIRESP" sobre a continuidade do contrato, pelo lhe parece que a rede de emergência "vai acabar no …

Polícia do Capitólio foi avisada do ataque mas ordenada a não agir agressivamente

A Polícia do Capitólio dos Estados Unidos foi avisada antecipadamente sobre a violência dos atacantes do dia 6 de janeiro, mas os seus comandantes ordenaram aos oficiais que não usassem as suas táticas "mais agressivas" …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Neuralink divulga vídeo de macaco a jogar videojogo com a mente

A Neuralink, empresa de implantes cerebrais de Elon Musk, divulgou na quinta-feira um vídeo que mostra a tecnologia a funcionar em macacos. No vídeo, um cientista da Neuralink explica a forma como a empresa implantou um …

Coligação negativa trava "big brother fiscal" nas empresas

Foi aprovada no Parlamento uma proposta do PCP para mudar, de novo, a lei que regulamenta o envio de dados das empresas para o Fisco, com o voto contra do PS. É um travão ao …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …

Os buracos negros gostam de comer, mas têm várias regras de etiqueta à mesa

Uma equipa de astrónomos britânicos e holandeses concluiu que todos os buracos negros supermassivos no centro das galáxias parecem ter períodos em que engolem matéria dos seus arredores.  Astrónomos têm estudado galáxias ativas desde 1950. Estas …

Fim dos apoios às empresas acelera vaga de despedimentos

A pressão para pagar subsídios de férias e o fim da proibição de reduzir pessoal nos setores que tiveram ajudas vai potenciar uma vaga de despedimentos. O Jornal de Notícias ouviu advogados e associações sindicais que …