Orçamento pós-geringonça é o primeiro de sempre sem défice. Função Pública ameaça com greve geral

Stephanie Lecocq / EPA

O Ministro das Finanças, Mário Centeno, deverá entregar esta segunda-feira no Parlamento o Orçamento de Estado para 2020. A Função Pública está descontente com o documento e promete aquecer o mês de janeiro com uma greve geral.

A proposta de Orçamento de Estado foi aprovada este sábado em Conselho de Ministros ao fim de quase dez horas de reunião. Este será o quinto orçamento de Mário Centeno e do Executivo liderado por António Costa e o primeiro no período pós-geringonça.

Depois da apresentação desta segunda-feira, segue-se o debate sobre o OE2020 em plenário, na generalidade, já nos dias 9 e 10 de janeiro, com a votação final global da primeira proposta orçamental desta legislatura prevista para 6 de fevereiro.

O documento traz número inéditos em 45 anos de democracia – espera-se um excedente orçamental nas contas do Estado na ordem de 0,2% -, mas, ainda assim, há descontentamento e alguma incertezas.

Tal como aponta o semanário Expresso, há várias coisas que já se sabe sobre o esboço orçamental para 2020: os salários da Função Pública serão aumentados em 0,3% (em linha com a inflação de novembro de 2018 e abaixo da esperada para 2020), haverá benefícios no IRS para jovens e para segundos filhos ou que as taxas moderadoras, cujo fim será progressivo até 2023, irão descer. Há ainda o reforço de 800 milhões na Saúde.

Os aumentos fixados pelo Estado não agradaram a Função Pública, que pedia uma subida remuneratória na ordem dos 3%. No entender das estruturas sindicais, o valor avançado pelo Estado é uma “afronta” aos funcionários públicos.

As últimas reuniões entre o Governo e as forças sindicais estagnaram e, por isso, a Função Pública equaciona avançar com uma greve geral que pode “aquecer” o mês de janeiro. Segundo o Expresso, está em cima da mesa greve geral ou uma manifestação nacional da Administração Pública, que pode juntar CGTP e UGT.

Também o Presidente da República sublinhou a necessidade de ir mais longe em algumas áreas, como é o caso da da Administração Pública, na Justiça e na Saúde.

“O que posso dizer é o seguinte, que em Portugal se sente que é preciso ir mais longe na saúde, é preciso ir mais longe também em aspetos fundamentais como são os que dizem respeito à reforma da Administração Pública, que é preciso ir mais longe em domínios que dizem respeito à Justiça e à ultrapassagem das desigualdades entre os portugueses”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa este domingo.

O que ainda não se sabe

Do lado oposto da balança, há dossiês sobre os quais muito pouco ou nada se sabe. Não se sabe ainda, por exemplo, se Bruxelas aceitará uma redução do IVA na energia em função do consumo, tal como António Costa pediu.

Outras das questão em aberto são ainda se haverá um aumento extraordinário das pensões, à semelhança do que aconteceu em anos anteriores, bem como a questão de manter os médicos no Serviço Nacional de Saúde.

Outra das grandes questões, observa ainda o semanário Expresso, está relacionada com o primeiro superávite orçamental da democracia.

Importa ainda frisar que o xadrez político mudou após as últimas legislativas, isto é, os socialistas não têm agora um acordo prévio firmado com os antigos parceiros – Bloco de Esquerda e PCP – e, por isso, poderão ter de ceder em algumas matérias para ver o documento aprovado, uma vez que não têm maioria no Parlamento.

O Expresso escreveu na semana passada que o ministro das Finanças terá deixado uma folga orçamental para eventuais concessões, especialmente à esquerda, nos debates na especialidade. O aumento do valor mínimo do Complemento Solidário para Idosos ou nova subida extraordinária das pensões pode estar entre as reivindicações da esquerda.

Segundo o jornal Público, e apesar da mudança, o mais provável é que o Governo continue a contar com os partidos da esquerda, tal como nos quatro orçamentos anteriores. Para isso, terá que ceder em algumas questões, tentando agradar gregos e troianos.

Os rumores sobre os conflitos internos

Surgem também no interior do próprio Governo alguns conflitos para sanar. A semana passada, o Correio da Manhã avançou que quatro ministros exigiram mais verbas a Mário Centeno, que tem defendido que o país precisa manter as contas certas.

Em causa está a ministra da Saúde, Marta Temido, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e ainda a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem. O “pé de guerra” e a discussão sobre as verbas para cada ministério surge no mesmo momento em que se noticia que Mário Centeno estará a perder peso político no Governo de António Costa.

Exemplos disso são a nova lei das Parcerias Público Privadas (PPP), que deixam de depender do Ministro das Finanças e passam a ter de ser aprovadas em Conselho de Ministros, bem como o conflito sobre o orçamento da zona euro entre Mário Centeno como presidente do Eurogrupo e o primeiro-ministro português.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Isto é uma vergonha de fachada, então as dívidas do governo aos fornecedores não entram na contabilidade para o apuramento do défice?
    Realmente o termo “geringonça” está muito bem empregue, pobres dos fornecedores, enfim.

  2. Sem défice ?! Esta é para rir ! O défice no papel está transferido para o DÉFICE REAL DO PAÍS, que é enorme nesta altura. Nem sei se ele será já o pronúncio de uma bancarrota, a curto prazo.

  3. Aos 800 milhões, o ZAP chama-lhe reforço. Para quem deve só a fornecedores cerca de três mil milhões de euros, é vergonhoso chamarem a esta gota “reforço da saúde”. É antes um reforço para a continuidade da derrocada do SNS.

  4. Portugal pode ter superhavit já em 2021 desde que reforme o sistema político. Assim, é necessário alterar a Constituição para limitar o n.o de deputados para 116 e dar-lhes um estatuto de credibilidade e dignidade. Passaram a ser eleitos uninominalmente. Também o poder local terá de ser reformado. Teremos 18 autarquias com autonomia financeira e 308 freguesias.

    • Completamented e acordo consigo na redução de deputados e mesmo na redução de Autarquias, não cabe na cabeça de ninguém, População atual no Reino Unido 66 552 203 de habitantes = 650 deputados + ou – 100 deputados por 10 milhões de habitantes
      Portugal como é um País riquíssimo
      População actual em Portugal 10 147 161 de habitantes = 239 + ou – 230 deputados por 10milhões de habitantes

      • Bem… como ditam as regras da boa educação, quando não se sabe, pergunta-se; não se inventa!
        O parlamemto do Reino Unido é um dos maiores do mundo e tem 1462 deputados em duas camaras!!
        Além destes, ainda há o Parlamento da Escócia com 129 deputados, a Assembleia da Irlanda do Norte com 90 deputados e a Assembleia Nacional do País de Gales com 60 deputados!
        parliament.uk/site-information/azindex/regional-assemblies-and-parliaments/
        Lê e faz as contas!!

RESPONDER

Centeno deixa aviso à Zona Euro. Futuro da UE depende da resposta que der à pandemia

Mário Centeno escreveu aos ministros das Finanças da Zona Euro para os alertar que o futuro da União Europeia depende da forma como conseguir lidar com a crise económica devida à pandemia de Covid-19. Uma …

Governo quer desempregados e trabalhadores em lay-off a reforçar lares e hospitais

O Governo criou uma medida de Apoio ao Reforço de Emergência de Equipamentos Sociais e de Saúde com o objetivo de apoiar as entidades do setor social e solidário. De acordo com o ECO, o Governo …

Recibos verdes podem pedir apoio a partir desta quarta-feira. Será pago ainda este mês

O apoio por quebra de atividade destina-se a trabalhadores independentes que nos últimos 12 meses tenham tido obrigação contributiva em pelo menos 3 meses consecutivos. O formulário para os trabalhadores independentes pedirem apoio por redução de …

"Este mês é perigosíssimo!" Costa avisa que "não podem ir à terra" na Páscoa

"As pessoas não podem ir à terra!" O alerta é de António Costa que avisa que este mês de Abril "é perigosíssimo" por causa da Páscoa. O primeiro-ministro recomenda também aos emigrantes que não venham …

13% dos casos de covid-19 em Portugal são profissionais de saúde. Há 10 médicos nos cuidados intensivos

Um em cada oito infetados com o novo coronavírus em Portugal é profissional de saúde. O número de médicos, enfermeiros, auxiliares e outros trabalhadores de hospitais e centros de saúde que estão contagiados não pára …

Curva em Itália parece estar a aplanar. Confirmado primeiro caso num campo de refugiados grego

A Itália registou mais 4.053 casos positivos e mais 837 mortes em 24 horas, valores semelhantes aos de segunda-feira e que sugerem que a curva da covid-19 parede estar a estabilizar. De acordo com o Observador, …

Há mais de 8 mil infetados e 187 mortes por covid-19 em Portugal

Há mais 27 mortes em relação a terça-feira, aumentando o número total de óbitos para 87. O número de casos confirmados em Portugal já ascende as 8 mil pessoas. O boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da …

Há falhas no sistema que regista casos de covid-19. A "esmagadora maioria" não vai ser contabilizada

O sistema que regista os casos de covid-19 em Portugal é "um pesadelo burocrático", denunciam os infecciologistas. A "esmagadora maioria" dos casos vai acabar por não ser notificada, acrescentam. O problema tornou-se público quando a Direção-Geral …

Mais de 3600 empresas já pediram acesso ao lay-off simplificado

O Governo já recebeu 3600 pedidos de empresas para aderirem ao regime lay-off lançado na semana passada, disse, esta terça-feira, a ministra do Trabalho e da Segurança Social. Ana Mendes Godinho, que falava aos jornalistas no …

Em tempos de crise, os emprestados podem ser a solução do Benfica

Bruno Varela, Cristián Lema, Filip Krovinovic, Gedson Fernandes e Diogo Gonçalves são hipóteses que Bruno Lage tem a seu dispor para regressar dos empréstimos. A suspensão das competições desportivas deixa muitos clubes entre a espada e …