Ana Gomes critica “silêncio ensurdecedor” do PS (e teme que ainda exista “o culto de Sócrates”)

A ex-candidata à Presidência da República Ana Gomes criticou esta quinta-feira António Costa e outros dirigentes do PS por se manterem em silêncio relativamente ao caso Operação Marquês e responsabilizou vários governos pela ineficácia no combate à corrupção.

Em entrevista ao programa “Hora da Verdade”, da Renascença e do jornal Público, Ana Gomes elogiou o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, pelas declarações que fez esta semana sobre José Sócrates e criticou António Costa e outros dirigentes por ficarem em silêncio, afirmando temer “que haja muita gente, nas bases do PS e não só, que ainda tem o culto de Sócrates”.

Questionada sobre se a decisão instrutória do caso Marquês deve ter consequências, Ana Gomes diz que essa “é uma questão essencial para o país poder ter confiança nas suas instituições e nas instituições da justiça”.

Para Ana Gomes, deve haver consequências como as explicitadas por Fernando Medina, na segunda-feira, no seu espaço de comentário também na TVI, que considerou que o facto de José Sócrates ter sido pronunciado por crimes de branqueamento de capitais e de falsificação de documentos pelo Tribunal Central de Instrução Criminal é inaceitável do ponto de vista ético e corrói a vida democrática.

Só tenho pena que não haja mais vozes do PS, eleitos do PS, a dizer aquilo, em particular os seus responsáveis máximos. E a tirar consequências políticas daquilo que se sabe, independentemente do que a justiça venha a apurar. Não se pode deixar tirar consequências políticas, sabendo que um primeiro-ministro do PS mercadejou o cargo. Que se aproveitou do cargo para tirar vantagens pessoais. Como disse Fernando Medina, isto quebra a confiança dos cidadãos nas instituições políticas. E estou a falar de uma instituição que muito prezo, que é o meu partido, o PS”, disse.

Na opinião de Ana Gomes, o silêncio de António Costa e de outros dirigentes e até militantes do PS “é ensurdecedor”.

“Dá ideia de que, ou há comprometimento, ou há demissão de uma assunção de responsabilidade que o PS também tem de fazer. Porque o PS tem de aceitar que se deixou instrumentalizar por um indivíduo que tinha muitas qualidades, mas também tinha tremendos defeitos, designadamente o de se aproveitar do cargo para tirar proveito pessoal em esquemas de corrupção, em detrimento do país”, salientou.

No entendimento da ex-candidata presidencial, o PS “não pode fingir que isto não tem consequências políticas”. “O PS e os seus dirigentes continuam a não querer assumir que é preciso fazer uma autoanálise e uma autocrítica, até para efeitos preventivos para isto não voltar a acontecer e, sobretudo, para os seus próprios militantes tirarem consequências”, disse.

Questionada sobre como podem os partidos prevenir casos destes, Ana Gomes referiu que o “simples facto de o PS não fazer esse exercício de autoanálise do que representou a era de Sócrates é uma desculpa para os partidos também não o fazerem”.

“Este fenómeno não é exclusivo do PS, lamento dizer. A própria reação do PSD, pela voz de Rui Rio, parece-me ineficaz, insuficiente e mal dirigida. Não é só dirigir as críticas à justiça, é refletir sobre as responsabilidades políticas. Porque quem dá, ou não dá, os meios à justiça, quem permite à justiça organizar-se de uma determinada maneira são os responsáveis políticos”, indicou.

Na entrevista, Ana Gomes faz igualmente duras críticas aos diversos governos pela ineficácia do combate à corrupção. “Há algumas pessoas dentro das estruturas dos sucessivos governos que têm interesse em que não se vá ao fundo da corrupção porque há uma tremenda promiscuidade, porque há portas-giratórias, porque há negócios que sempre se estiveram a fazer com compadrios”, afirmou.

Sobre o plano do Governo contra a corrupção, Ana Gomes diz valer-se do que disse a procuradora Maria José Morgado: “Em teoria geral, está muito bonito, ninguém tem nada a dizer”. “Mas a questão é a ação e um dos aspetos da ação é justamente meios, meios para o MP [Ministério Público] em particular e os tribunais poderem fazer o seu trabalho, meios de perícia financeira, informática, etc”, referiu.

No entanto, Ana Gomes considera que a falta de meios “não é desculpa para não atuar, mas uma realidade”.

“É irresponsabilidade política. Esses meios têm de vir da política, é para isso que temos um Ministério da Justiça, é por isso que há Governo: para garantir que há esses meios. E sem dúvida, face ao crime organizado e à alta criminalidade económica e financeira, esses meios periciais, designadamente de assessoria financeira e informática, são essenciais. E não existem. E não é só ao nível do MP, é dos tribunais”, disse.

Na mesma entrevista, questionada sobre a documentação em que pedia a reavaliação do partido Chega que entregou na Procuradoria-Geral da República (PGR), Ana Gomes disse que a questão “está a ser levado a sério”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Juventus quer Zidane para o lugar de Pirlo

O insucesso desportivo da Juventus esta temporada deve fazer com que Pirlo saia do clube. Zidane, que também estará de saída do Real Madrid, é o favorito da vecchia signora. Zinédine Zidane estará a pensar seriamente …

“Incompetência e arrogância”. Cabrita está (novamente) debaixo de fogo. Partidos pedem a sua demissão

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, está mais uma vez no centro da polémica. Depois de ter avançado com uma requisição civil para que mais de 20 imigrantes fossem transportados para o Zmar, durante a …

Fernando José é o candidato do PS a Setúbal. Ana Catarina Mendes concorre à Assembleia Municipal

O deputado e vereador socialista Fernando José é o cabeça de lista do PS às próximas eleições autárquicas para a Câmara de Setúbal e Ana Catarina Mendes à Assembleia Municipal, revelou fonte oficial do Partido …

Portugal na zona de queda dos restos do foguetão chinês

O foguete de Longa Marcha chinês que foi lançado a 29 de abril, e agora está a preocupar o mundo. As previsões é que a reentrada na atmosfera se dê até ao próximo dia 9 …

CIP propõe "almofada" pública de 8.000 milhões para resolver moratórias

A Confederação Empresarial de Portugal (CIP) propôs ao Governo criar uma "almofada" de garantias públicas no valor de oito mil milhões de euros para dar poder às empresas e levar a banca a renegociar os …

Reino Unido. Variante indiana é “preocupante“ e já infetou idosos vacinados

No Reino Unido, já foram encontradas 48 cadeias de transmissão da variante indiana e sabe-se que há transmissão comunitária. A Public Health England classifica esta variante como “preocupante”. A direção geral de saúde de Inglaterra (PHE …

Petição para cancelar Jogos Olímpicos conta já com 200 mil assinaturas

Uma petição 'online' a pedir o cancelamento dos Jogos Olímpicos Tóquio2020 devido à pandemia da covid-19 ultrapassou esta sexta-feira as 200 mil assinaturas, avançou a agência Lusa. A campanha, lançada na quarta-feira pelo advogado e ativista …

“Não queremos estragar a nossa joia da coroa“. Governo pode limitar acesso da Peneda-Gerês

O Secretário de Estado da Conservação da Natureza concorda com os autarcas, sobre o impacto positivo do turismo para as populações, mas nota que o sucesso do PNPG não pode pôr em causa os valores …

Fome e seca levam milhares de angolanos a fugirem para a Namíbia

A fome provocada pela seca extrema na província de Cunene, no sul de Angola, está a levar milhares de pessoas a fugir para a Namíbia. "A estiagem provocou a rutura de 'stocks' alimentares das comunidades e …

Governo britânico confirma Portugal na “lista verde” de viagens. Preço das viagens disparou

Portugal vai estar na “lista verde” de países considerados seguros para viajar e isentos de quarentena na chegada a Inglaterra a partir de 17 de maio, anunciou hoje o ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps. Portugal …