Puigdemont quer responder à justiça espanhola a partir de Bruxelas

Olivier Hoslet / EPA

O ex-presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont

O ex-presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont, disse hoje que pretende responder à justiça espanhola desde Bruxelas, onde se encontra, em vez de comparecer perante a Audiência Nacional em Espanha.

Num comunicado divulgado hoje, Puigdemont confirma que nem ele nem vários dos seus ministros que se encontram na capital belga “contemplam fugir à justiça, até porque justamente a reclamam, e responderão às citações de acordo com os mecanismos previstos pela União Europeia nestas situações”.

O presidente do governo catalão destituído confirma assim que não tem intenção de se apresentar perante a justiça espanhola entre quinta e sexta-feira.

Na nota, Puigdemont apresenta-se como presidente do “governo legítimo” da comunidade autónoma da Catalunha e considera que ele e os membros do executivo regional, destituído na semana passada por Madrid, enfrentam um “julgamento político” na Audiência Nacional, “efetuado por ordem do Governo do Estado espanhol”.

Em princípio, o ex-chefe do governo da Catalunha está acompanhado por quatro ex-ministros, enquanto outros três regressaram a Espanha na noite passada.

O ex-presidente catalão adianta que ele e outros ex-governantes “ficarão em Bruxelas” para “denunciar perante a comunidade internacional este julgamento político e para convocar muito especialmente a Europa a procurar uma solução dialogada para o conflito”.

Além disso, Puigdemont condena a “desproporção das penas solicitadas pelo procurador-geral, reprovado pelo Congresso espanhol, equivalentes a delitos como assassinato ou terrorismo”.

“Enfrentamos as penas de prisão que nos esperam como uma denúncia da situação da democracia no Estado espanhol e como um grito a favor da liberdade do nosso povo”, diz.

No mesmo comunicado, o ex-governante justifica que um grupo de ex-ministros, entre os quais o seu ‘número dois’, Oriol Junqueras – que permaneceram em Espanha, vão esta quinta-feira à Audiência Nacional “como denúncia da falta de garantias do sistema judicial espanhol e a sua vontade de perseguir ideias políticas”.

A juíza da Audiência Nacional espanhola Carmen Lamela citou Carles Puigdemont e outros 13 membros da ‘Generalitat’ para serem ouvidos quinta e sexta-feira por acusações de rebelião e sedição, entre outras.

A magistrada, do Tribunal Central de instrução n.º 3 do Audiência Nacional, fez a citação dos 14 arguidos para serem ouvidos nesses dois dias a partir das 09:00 locais (10:00 em Lisboa), num auto que refere também que depois de ouvidos podem ser decretadas as primeiras medidas de coação.

O Ministério Público espanhol tinha apresentado na segunda-feira acusações contra os principais membros do governo catalão destituído por rebelião, sedição e fraude e também contra a presidente do parlamento regional, Carme Forcadell, e os membros da mesa que processaram a declaração de independência.

As penas são de até 30, 15 e seis anos de prisão, respetivamente, tendo sido fixada uma fiança superior a 6,2 milhões de euros.

Forcadell e outros cinco membros da mesa do ‘parlament’ também foram chamados para serem ouvidos e já confirmaram que se deslocarão à Audiência Nacional. O dia de hoje foi marcado pela confusão sobre o paradeiro de Carles Puigdemont, depois de na terça-feira à noite alguns dos ex-ministros catalães terem regressado a Espanha.

Puigdemont não foi visto hoje na capital belga e já não está hospedado no mesmo hotel onde se alojou na segunda-feira e onde dezenas de jornalistas montaram guarda nos últimos dois dias.

Hoje à tarde, o antigo governante catalão publicou uma mensagem na rede Twitter, assinalando um mês após a realização do referendo inconstitucional sobre a independência da Catalunha. “Apesar da violência e das ameaças passadas e presentes, continuamos a trabalhar. Orgulho do povo!“, disse Puigdemont, nessa mensagem.

Perante a falta de comparência de Puigdemont, a juíza Carmen Lamela poderá enviar uma ordem europeia de detenção, com vista a uma futura extradição para Espanha.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Há uma "possibilidade real" de trocar capitalismo pelo socialismo no século XXI, diz PCP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, assinalou na quinta-feira os 150 anos da Comuna de Paris com um discurso de fidelidade ao ideal comunista e definiu a "substituição do capitalismo pelo socialismo" como uma …

Moçambique. Ministro da Defesa diz que ataque a Palma não coloca em causa exploração de gás

O ministro da Defesa de Moçambique, Jaime Neto, disse esta quinta-feira que o ataque à vila de Palma não coloca em causa o projeto de exploração de gás natural liderado pela petrolífera Total em Afungi, …

Nova Zelândia quer tornar a próxima geração completamente não fumadora

A Nova Zelândia anunciou um conjunto de propostas que visam banir os cigarros entre a próxima geração e aproximar o país da sua meta de ser livre de fumo até 2025. Desta forma, o Governo pretende …

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …