Confrontos entre polícia e manifestantes em Barcelona

Alberto Estevez / EPA

A polícia regional catalã fez esta segunda-feira várias cargas para dispersar as centenas de pessoas que se concentraram junto ao Parlamento catalão e à sede da Polícia Nacional, em Barcelona.

A polícia regional catalã carregou primeiro sobre as centenas de pessoas que se tinham concentrado junto à sede da Polícia Nacional e, depois, contra as que estavam perante o Parlamento.

Os Mossos de Esquadra alertaram, primeiro, os manifestantes que estavam concentrados para que dispersassem, apelando para que parassem de arremessar objetos contra os edifícios e os agentes policiais que estavam no local.

Na concentração junto à sede da Polícia Nacional, os manifestantes arremessaram objetos e tinta contra os agentes que estavam no local, enquanto no Parlamento da Catalunha tentaram retirar as vedações de proteção e entrar no edifício, mas foram impedidos pela polícia.

Utilizando equipamentos antimotim, os agentes conseguiram dispersar as pessoas que estavam concentradas em ambos os locais, depois do final da manifestação que assinalou o primeiro aniversário do ‘referendo 1-O’, marcado pela vitória do “Sim” à independência da Catalunha.

Milhares de estudantes das universidades e das escolas secundárias da Catalunha manifestaram-se no centro de Barcelona para pedir “a validação do resultado do referendo” unilateral sobre independência de 1 de outubro do ano passado.

A polícia urbana da capital da Catalunha estimou em 13 mil o número de pessoas presentes, enquanto os organizadores referiram a participação de 50 mil manifestantes.

Na cabeça da manifestação esteve uma das urnas utilizadas no referendo do ano passado e um grande cartaz a dizer “Nem esquecimento nem perdão”.

Os estudantes também reclamaram “o regresso dos exilados e a liberdade dos presos políticos”, e criticaram a ação da polícia regional no passado sábado, quando dispersaram uma manifestação de independentistas.

Já ao início da manhã, ativistas separatistas bloquearam autoestradas, linhas de caminho de ferro e várias artérias da cidade de Barcelona, para assinalar o primeiro aniversário do referendo de autodeterminação ilegalizado.

Ao longo de todo o dia ocorreram inúmeras ações dos movimentos separatistas para assinalar o 1 de outubro de 2017, exigindo a criação de uma República catalã independente e a libertação do que chamam “presos políticos”.

Os independentistas reclamam há muito tempo um referendo regional sobre a independência da Catalunha, em moldes semelhantes aos que foram realizados no Quebeque (Canadá) ou na Escócia (Reino Unido). No entanto, a Constituição de Espanha apenas permite uma consulta eleitoral que ponha em causa a unidade do país se esta for realizada a nível nacional.

“Se vão encapuzados não são do 1-O”

O Governo regional liderado por Carles Puigdemont, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo em 1 de outubro de 2017, que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol. O processo de independência foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma.

Ontem, o ex-presidente catalão criticou os incidentes que ocorreram no final da manifestação, afirmando que “se vão encapuzados e se usam a violência não são do 1-O”.

Se vão encapuzados não são do 1-O, se usam violência não são do 1-O. Nós fizemo-lo de cara descoberta e de forma pacífica. Dessa maneira, ganhámos há um ano, a um estado autoritário”, escreveu no Twitter.

Olivier Hoslet / EPA

O ex-presidente do governo da Catalunha, Carles Puigdemont

O antigo presidente da Generalitat questionou em seguida: “Quem tem interesse que se infiltre a violência perdedora, onde resistimos com uma paz vencedora?”.

As eleições regionais, que se realizaram em 21 de dezembro último, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas. Nove dirigentes independentistas estão presos à espera de julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa separatista falhada.

Os independentistas consideram que os detidos em prisões espanholas pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação são “presos políticos”. O principal líder separatista, o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont vive exilado na Bélgica, depois de a Justiça espanhola não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião.

Sánchez acusa Quim Torra de incentivar radicais catalães

O chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, acusou o presidente do executivo regional catalão, Quim Torra, de encorajar os separatistas radicais e advertiu-o de que “a violência não é o caminho”.

“A política catalã deve voltar ao Parlamento. O presidente Torra deve cumprir com as suas responsabilidades e não pôr em risco a normalização política, incentivando os radicais a assediar instituições que representam todos os catalães. A violência não é o caminho“, escreveu numa mensagem no Twitter.

O primeiro-ministro espanhol reagiu desta forma às palavras de Quim Torra, que na segunda-feira apoiou as ações dos CDR (Comités de Defesa da República) durante as comemorações do primeiro aniversário do referendo.

O presidente do executivo regional saudou as ações dos CDR, um grupo separatista mais radical, numa declaração em que sublinhou que faziam “bem em aumentar a pressão”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

A atmosfera deste exoplaneta "infernal" está cheia de metal

Uma equipa de astrónomos observou um dos exoplanetas mais quentes já encontrados e conseguiu identificar, pelo menos, sete metais a flutuar na sua atmosfera. O WASP-121b, localizado a 850 anos-luz da Terra, orbita a sua estrela …

A supergigante Betelgeuse é mais pequena e está mais perto da Terra do que se pensava

De acordo com um novo estudo feito por uma equipa internacional de investigadores, podem ser necessários mais 100.000 anos até que a estrela gigante vermelha Betelgeuse morra numa explosão de fogo. O estudo, liderado pela Dra. …

Mulheres menos propensas à covid-19 por respeitarem mais o distanciamento social

Uma das razões pelas quais as mulheres podem ser menos vulneráveis ​​a infeção pelo novo coronavírus deve-se ao facto de serem mais propensas a aderir às políticas de distanciamento social, sugeriu uma nova pesquisa. Uma pesquisa …

Braga 3 - 0 AEK | Minhotos de gala conquistam atenienses

O Sporting de Braga iniciou a sua participação no Grupo G da Liga Europa com uma vitória. Na recepção aos gregos do AEK de Atenas, os minhotos mostraram ser muito mais equipa e ganharam por …

Capitalismo vai arruinar o planeta até 2050, alertam cientistas

Um grupo de cientistas alerta que se continuarmos com este capitalismo desenfreado, o nosso planeta vai sofrer consequências a nível climático e ambiental. Até 2050, o planeta Terra pode sofrer seriamente às mãos do capitalismo desenfreado. …

Os novos faróis inteligentes da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro

Os novos faróis LED da Audi levam-no ao cinema sem sair do carro, já que são capazes de projetar imagens na estrada ou em paredes. A novidade é lançada na nova linha de SUVs elétricos da …

FC Porto foi "histriónico" e não se portou bem, escreve-se em Manchester

Jornal inglês alega que os elementos do FC Porto foram exagerados, turbulentos e não tiveram um comportamento adequado. Não há uma única palavra sobre o árbitro. Na manhã seguinte à derrota (3-1) do FC Porto em …

De passagem secreta a cemitério de carros. Túnel sob Nápoles "esconde" veículos enferrujados da II Guerra

No centro de Nápoles, em Itália, há veículos e motocicletas abandonados e enferrujados dos anos 1940 alinhados num túnel a mais de 30 metros abaixo dos seus pés. A Piazza del Plebiscito foi nomeada após uma …

Primeira ministra islandesa interrompida por um terramoto quando dava uma entrevista em direto

Um terramoto de magnitude 5.6 interrompeu uma entrevista em direto da primeira ministra islandesa ao The Washington Post. Mas Katrin Jakobsdottir reagiu à situação de forma tranquila: "Isto é a Islândia". Katrin Jakobsdottir estava a dar …

O voo mais longo do mundo está de volta (e agora é ainda mais longo)

O voo da Singapore Airlines que partia de Singapura com destino até Nova Iorque, foi uma das vítimas do covid-19 e ficou suspendo a 23 de março. Agora, é possível viajar nesta rota novamente, e …