Um ano depois, independentistas cortam autoestradas e linhas de comboio na Catalunha

Jim Hollander / EPA

Esta segunda-feira, o referendo para a independência da Catalunha comemora um ano. No primeiro aniversário, os ativistas voltaram às ruas e estão, esta segunda-feira, a bloquear autoestradas, estações ferroviárias e linhas de comboio de alta velocidade.

Um ano depois do referendo à independência da Catalunha, declarado ilegal por Madrid, os manifestantes voltaram às ruas. Ativistas independentistas estão desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira a bloquear autoestradas, linhas de caminho de ferro e várias artérias de Barcelona para assinalar o primeiro aniversário do referendo.

“A linha de comboios de alta velocidade foi bloqueada em Girona, 100 quilómetros a nordeste de Barcelona”, anunciou a companhia espanhola de comboios, Renfe. A empresa confirmou ainda cortes de várias autoestradas, entre elas as que ligam a capital catalã a Valência e Madrid.

As televisões espanholas estão a difundir imagens em direto com militantes dos Comités de Defesa da República a ocupar vários locais e a pedirem a independência da Catalunha. Segundo o Público, as manifestações foram convocadas pelos Comités de Defesa da República (CDR) e contam também com a participação de associações estudantis.

Ao longo de todo o dia estão previstas inúmeras ações dos movimentos separatistas para assinalar o 1 de outubro de 2017, exigindo a criação de uma República independente e a libertação do que chamam “presos políticos”.

As várias concentrações previstas para esta segunda-feira surgem depois de, em 11 de setembro, um milhão de pessoas, segundo a polícia municipal, terem participado numa manifestação nas avenidas do centro de Barcelona por ocasião de “A Diada“, o Dia da Catalunha.

Ocorrem também dois dias depois de confrontos entre polícias e independentistas terem feito 24 feridos e dois detidos, nas ruas de Barcelona.

Os independentistas reclamam há muito tempo um referendo regional sobre a independência da Catalunha, em moldes semelhantes aos que foram realizados no Quebeque, no Canadá, ou na Escócia, Reino Unido.

No entanto, a Constituição de Espanha apenas permite uma consulta eleitoral que ponha em causa a unidade do país se for realizada a nível nacional.

O Governo regional liderado por Carles Puigdemont, apoiado desde 2015 por uma maioria parlamentar de partidos separatistas, organizou e realizou um referendo em 1 de outubro do ano passado, que foi considerado ilegal pelo Tribunal Constitucional espanhol.

O processo de independência foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma. As eleições regionais, que se realizaram em 21 de dezembro, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas.

Nove dirigentes independentistas estão presos à espera de julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa separatista falhada. Os independentistas consideram que os detidos em prisões espanholas pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação são “presos políticos”.

O principal líder independentista, o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont vive exilado na Bélgica, depois de a Justiça espanhola não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …

NASA cria dispositivo que o avisa para não tocar no rosto (e pode ser reproduzido em casa)

A pensar na pandemia, a NASA desenvolveu o PULSE, um colar vibratório que nos alerta se formos tocar no rosto com as nossas mãos. A pandemia de covid-19 alastrou pelo mundo e, enquanto não chega um …

Há mais 11 mortes e 374 novos casos de infecção (300 são na Grande Lisboa)

Portugal regista hoje mais 11 mortos devido à doença covid-19 do que na quinta-feira e mais 374 infectados, dos quais 300 na Região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim da Direcção-Geral da …

Gestão da pandemia: PGR francesa vai abrir investigação judicial a PM e ministros

Em causa estão 90 queixas contra o anterior chefe do Governo Edouard Philippe, e os ministros Olivier Véran e Agnès Buzyn, tendo 53 delas sido examinadas e nove consideradas admissíveis para seguirem eventualmente para tribunal. O …

Benfica perto de garantir Taremi e Helton Leite para a próxima época

O SL Benfica está perto de assegurar as contratações do avançado do Rio Ave, Mehdi Taremi, e do guarda-redes do Boavista, Helton Leite, para a próxima temporada. Mehdi Taremi e Helton Leite deverão ser reforços do …

Operação Marquês. Ivo Rosa não marca data de início do julgamento

O juiz de instrução Ivo Rosa optou por não marcar data de início do julgamento dada a complexidade do processo da Operação Marquês. O anúncio foi feito no final do debate instrutório, esta sexta-feira. "É manifesta …

Bolsonaro veta obrigatoriedade do uso de máscaras em lojas e igrejas

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, vetou hoje parte de uma lei que estipulava o uso obrigatório de máscaras em órgãos públicos, lojas, indústrias, templos religiosos e locais fechados em que haja concentrações de pessoas. O …