Pedrógão: Ministério Público abre inquérito a morte em acidente de viação

Paulo Novais / Lusa

O Ministério Público instaurou um inquérito para investigar as circunstâncias da morte de mais uma vítima, além das 64 já assumidas oficialmente, do incêndio em Pedrogão Grande.

Segundo uma nota hoje emitida pela Procuradoria-geral da República, foram identificadas 64 vítimas mortais no inquérito que foi instaurado no momento em que foi conhecido o incêndio de Pedrogão Grande.

“Foi ainda instaurado um outro inquérito com vista à investigação das circunstâncias que rodearam a morte de mais uma vítima no âmbito de um acidente de viação”, acrescenta a nota.

O Expresso noticiou no sábado o nome de uma 65ª vítima, não incluída na lista oficial de 64 mortes por ter morrido de causas externas ao fogo: a senhora de uma aldeia da zona afetada que morreu atropelada quando fugia das chamas.

Entretanto, a ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, garantiu que “não existe uma lista secreta” das vítimas mortais do incêndio, sublinhando que os nomes constam de um processo judicial que está em segredo de justiça.

Não existe nenhuma lista secreta. Todas as pessoas foram identificadas pelo Instituto de Medicina Legal” como tendo morrido “na consequência direta desse incêndio”, disse aos jornalistas a governante.

A ministra adiantou que a lista das vítimas do incêndio, que deflagrou a 17 de junho em Pedrogão Grande, no distrito de Leiria, “consta de um processo judicial”, que o Ministério Público classificou como segredo de justiça.

Também o primeiro-ministro, António Costa, apelou a que quem tenha conhecimento de um maior número de vítimas no incêndio que o comunique de imediato à Polícia Judiciária e ao Ministério Público.

Costa referiu que “não é o Governo que constrói a estatística”, indicando que são as “autoridades técnicas” a fornecer os números.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas no final da inauguração do novo centro de contacto do Serviço Nacional de Saúde, tendo sido questionado sobre notícias dos últimos dias que dão conta de mais vítimas mortais do incêndio de Pedrógão Grande, além das 64 assumidas oficialmente.

“Se alguém tem conhecimento de um maior número de vítimas deve, obviamente, comunicar imediatamente esse facto à Polícia Judiciária e ao Ministério Público”.

António Costa acrescentou que a informação de que dispõe é que todas as aldeias foram vistas, casa a casa, pelas autoridades. “A dimensão desta tragédia não era menor se tivesse sido metade o número de pessoas que faleceram”, disse.

Autarcas sugerem divulgação da lista

Os municípios de Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos sugeriram hoje a divulgação da lista de vítimas do incêndio de junho para serenar as populações, enquanto o autarca de Pedrógão Grande apelou a que “os boateiros” sejam corridos.

Para serenar as populações, se calhar não era desajustado que se tornasse público ou se compilasse o nome e a relação de todas as pessoas”, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, que referiu ainda não ter tido acesso à lista oficial de vítimas.

No entanto, o autarca frisou que, no terreno, todos têm conhecimento “de quem faleceu e de quem foi vítima” do incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande.

Também o autarca da Castanheira de Pera, Fernando Lopes, considerou que, “se calhar, o melhor é divulgar a lista” para acalmar as populações, visto que têm corrido várias listas e rumores de mais vítimas mortais nos concelhos mais afetados.

Porém, Fernando Lopes recordou que os familiares das vítimas também poderão não estar “disponíveis para autorizar a divulgação”.

“Quem tem responsabilidade nesta matéria tem de responder por ela e desfazer as dúvidas todas”, frisou.

Já o presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, que também não tem conhecimento da lista global, vincou que as autarquias têm a sua própria lista do conhecimento que têm das pessoas que faleceram.

“Eventualmente, poderá aparecer um cadáver aqui ou acolá”, notou, apesar de duvidar que tal tenha acontecido, visto que ninguém se dirigiu à Câmara “a reivindicar a morte ou desaparecimento de fosse quem fosse”.

Valdemar Alves sublinhou que há que “ter boa-fé”, frisando que há “pessoas que gostam de contrariar e de perseguir o poder”.

“As pessoas que andam com estas histórias devem ter o bom senso e a vergonha de parar. Sempre houve boateiros. Quero que corram com os boateiros”, disse o presidente do município, que falava aos jornalistas após visitar a Área de Localização Empresarial, nas Fontainhas, acompanhado do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, no âmbito do programa do Dia do Município.

Das vítimas do incêndio que começou em Pedrógão Grande, segundo as autoridades pelo menos 47 morreram na Estrada Nacional 236-1, entre Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, concelhos também atingidos pelas chamas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

França é esta sexta-feira novamente palco de greve geral contra reforma das pensões

Os sindicatos franceses voltam à rua no 51.º dia de greve contra a reforma das pensões que é apresentada esta sexta-feira no Conselho de Ministros. Durante esta sexta-feira, não se espera o nível de paralisação …

Marcelo nada diz sobre eventual candidatura de Ana Gomes à Presidência da República

O Presidente da República recusou esta quinta-feira comentar, em Israel, uma possível candidatura presidencial da ex-eurodeputada do PS Ana Gomes. "Eu não faço comentários sobre a vida política portuguesa", justificou Marcelo Rebelo de Sousa, quando questionado …

Defeito nos travões força Metro do Porto a andar devagar. Falha foi detetada há um ano

O descarrilamento de um metro na estação de Campanhã foi provocado por um defeito nos patins eletromagnéticos. A avaria afeta vários veículos da frota do Metro do Porto. No passado dia 2 de janeiro, uma falha …

Soares da Costa acusada de ajudar hotel-fantasma a "sacar" 1,2 milhões de euros ao Estado

A Soares da Costa e dois ex-responsáveis de um dos maiores grupos de construção civil portugueses estão acusados de fraude e de branqueamento de capitais num processo judicial que envolve um hotel-fantasma, que nunca foi …

Chega vai organizar angariação de fundos para a pediatria do S. João (mas hospital não sabe de nada)

O partido Chega, liderado por André Ventura, vai realizar um jantar no Mercado Ferreira Borges, no Porto, esta sexta-feira, e anunciou que parte da receita reverte para o serviço de Oncologia Pediátrica do S. João. …

Isabel dos Santos também sai da Efacec. Era "o negócio mais vulnerável" da empresária em Portugal

A Efacec anunciou, nesta sexta-feira, que Isabel dos Santos decidiu "sair da estrutura accionista" da empresa, "com efeitos definitivos". Uma decisão que surge no âmbito do "Luanda Leaks" que implica a empresária no desvio de …

Há pessoas a fingir serem funcionários da Segurança Social

A Segurança Social está a alertar para situações de fraude e roubo por pessoas que se fazem passar por funcionários que prometem prémios. Esta sexta-feira, o Instituto da Segurança Social alertou para situações de fraude e …

Já chegaram à Assembleia da República quase 600 propostas de alteração ao Orçamento

Nos serviços do Parlamento já deram entrada quase 600 propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2020. A esquerda domina a lista de mudanças. O PCP foi o partido que mais alterações colocou em cima …

Brexit já recebeu luz verde da Comissão e do Conselho Europeu

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, formalizaram esta sexta-feira o Acordo de Saída do Reino Unido da União Europeia (UE), faltando agora apenas a …

Isabel dos Santos esteve em Portugal, mas saiu na hora da reunião entre procuradores

No mesmo dia, Isabel dos Santos chegou e saiu de Portugal, onde esteve em Lisboa para conceder "plenos poderes" aos seus representantes legais no processo de alienação do capital do Eurobic. Isabel dos Santos esteve em …