“Novembro é mais um teste à nossa resistência”, diz Presidente da República

António Cotrim / Lusa

O Presidente da República dirigiu-se aos portugueses, esta sexta-feira à noite, a propósito do novo estado de emergência, aprovado hoje na Assembleia da República.

“Acabei de assinar o decreto relativo ao segundo estado de emergência, no decurso da pandemia que dura há oito meses e que sabemos poder prolongar-se por alguns mais”, começou por dizer Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado reconheceu que esta “conheceu, neste último mês e meio, uma evolução negativa, muito rápida, que importa conter”, sendo também preciso aprender “com as lições daquilo que, em diversos domínios, não correu bem no passado“.

O Presidente da República quis salientar a “ampla convergência” entre si, Assembleia da República, Governo, partidos e parceiros sociais, ressalvando que, “num contexto mais difícil do que em março e em abril”, houve “uma maioria parlamentar de 84% favorável ao estado de emergência e de 94% que não se opôs”.

Retrato da vontade dos portugueses, que sentem que devem continuar unidos nos momentos essenciais”, afirmou.

O chefe de Estado quis também “sublinhar a preocupação deste estado de emergência muito limitado e largamente preventivo de conciliar a proteção da vida e da saúde com o emprego, o salário, o rendimento de trabalhadores e de micro e pequenos empresários, que estão mais em risco neste difíceis tempos”.

Marcelo relembrou que é um estado de emergência “muito limitado, sem confinamentos compulsivos” e “largamente preventivo porque se concentra, sobretudo, na prevenção do crescimento da pandemia, embora reforce a cobertura das estruturas de saúde“.

O Presidente exemplificou com o facto de permitir “alargar o rastreio, o despiste e o contacto com centenas de milhares de cidadãos, nomeadamente recorrendo às nossas excecionais Forças Armadas e de Segurança”.

Segundo o chefe de Estado, este novo estado de emergência também “abre novas medidas, como a da limitação de circulação em certas horas e dias, em municípios de mais alto risco” e “apela a maior articulação, preferencialmente por acordo, sempre com justa compensação entre o Serviço Nacional de Saúde e os setores privado, social ou cooperativo, perante necessidades aumentadas no futuro próximo”.

Marcelo reforçou que o estado de emergência “será reavaliado no final de novembro, na sua existência, no seu âmbito e no seu conteúdo, olhando para as exigências da pandemia e com a garantia constitucional permanente que essa reavaliação depende, além do parecer do Governo, de iniciativa e de decisão do Presidente da República e da autorização da Assembleia da República, um e outra eleitos democraticamente pelo povo”.

Por último, o Presidente quis deixar uma “palavra de compromisso e de confiança”, neste caso, “o compromisso de se acelerar, com trabalho e humildade, o investimento na Saúde e, em particular, nos seus heroicos profissionais, agora também pensando no Orçamento do Estado para 2021”.

E “confiança na capacidade para, juntos, tudo fazermos para atenuar o custo da pandemia na vida e saúde de doentes covid, tal como de doentes não covid, porque uma coisa é certa: o objetivo do visado deve ser de tentar garantir a todos eles os legítimos direitos à vida e à saúde”.

Marcelo destacou que este “desafio não acaba neste mês de novembro, nem em dezembro, nem muito provavelmente nos primeiros meses de 2021″, sendo, por isso, novamente, “um teste essencial”.

“As semanas que se seguem têm de ser de esforço coletivo, de contenção da subida inquietante dos números de internados em geral e de internados nos cuidados intensivos em especial, por forma a evitarmos todos um dezembro agravado e, com isso, restrições mais drásticas para todos nós”, declarou.

“Novembro é, pois, mais um teste à nossa contenção, à nossa serenidade, à nossa resistência; que vamos viver solidários e determinados, tal como vivemos na primavera com o arranque da pandemia e, no verão, com a situação mais aguda na região de Lisboa”, concluiu o Presidente.

O decreto que determina o estado de emergência foi aprovado no Parlamento, esta tarde, com votos a favor do PS, do PSD, do CDS e da deputada não inscrita Cristina Rodrigues.

O BE, o PAN e o Chega abstiveram-se, enquanto o PCP, o PEV, a Iniciativa Liberal e a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira votaram contra.

O primeiro-ministro já convocou para este sábado, com início previsto para as 18h00, uma reunião do Conselho de Ministros extraordinário para concretizar as medidas previstas no projeto de decreto presidencial.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Será mesmo como diz Marcelo?
    Ainda hoje a Assembleia da República demonstrou estar bastante dividida sobre a eficácia do estado de emergência através da abstenção e votos contra de vários partidos.
    Não é com confinamentos que se resolvem os problemas mas sim com uma abordagem centrada nos grupos de risco e numa melhor gestão do SNS.
    Felizmente a maioria das pessoas não foi sequer infectada nem será. Já se percebeu que esta é uma pandemia muito forjada. Daqui a razão de tantos protestos e opiniões discordantes em Portugal e lá fora.

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …