Esqueça a Coreia. A III Guerra Mundial será causada (e ganha) pela Inteligência Artificial

oninnovation / Flickr

Elon Musk, o bilionário visionário fundador do PayPal, Tesla e SpaceX, não se cansa de alertar para o perigo da IA

Elon Musk, Ceo da Tesla e da SpaceX, e Vladimir Putin são duas das personalidades mundiais que recentemente falaram nas potencialidades – e perigos – da Inteligência Artificial. Um acha que será a IA a ditar a próxima Grande Guerra, o outra acredita que “quem liderar na IA, vai mandar no mundo”.

Os mais recentes desenvolvimentos na tensão entre a Coreia do Norte e a comunidade internacional não preocupam Elon Musk. O CEO da Tesla acredita que a Coreia do Norte “deve estar muito em baixo na nossa lista de preocupações“, como o próprio fez questão de referir no Twitter.

Numa série de posts sobre o assunto, Musk defende que “a concorrência entre países para o domínio da Inteligência Artificial, e não um conflito militar com a Coreia do Norte, é a causa mais provável da III Guerra Mundial”.

Os comentários do CEO da SpaceX não são de hoje. Musk é uma das muitas personalidades ilustres do mundo da ciência e tecnologia, entre os quais Bill Gates e Stephen Hawking, que nos últimos anos têm manifestado grandes preocupações com a possibilidade de que o desenvolvimento da IA possa significar o fim da humanidade.

Recentemente, 100 gurus da tecnologia apelaram à ONU que proíba os “robôs assassinos”, alertando para o risco de “uma terceira revolução na tecnologia de guerra” – entre os quais o co-fundador da Apple Steve Wozniak, que em 2015 defendia que os robôs vão conquistar o mundo, mas isso é bom. “Seremos apenas as suas mascotes“.

Também o presidente russo, Vladimir Putin, se pronunciou sobre a importância da inteligência Artificial. Putin acredita que a IA é ‘a chave para dominar o mundo’. “A inteligência artificial é o futuro não só da Rússia, mas de toda a humanidade. Quem se tornar o líder nesta esfera governará o mundo”, diz Putin.

Actualmente, os Estados Unidos, a China e a Índia são os três países que lideram a corrida da AI, de acordo com um executivo da indústria de alta tecnologia.

Mas Elon Musk acredita que outros países tentarão também alcançar a supremacia no âmbito da Inteligência Artificial por qualquer meio possível. Questionado por um utilizador no Twitter sobre se não seria melhor o desenvolvimento da IA ser entregue às empresas em vez de ficar nas mãos dos governos, Musk diz que isso não resolveria o problema.

“Os governos não precisam de se sujeitar às leis normais”, explica o empreendedor, “e mesmo limitados por acordos de controlo de armamento, e se necessário, podem usar a força para ter acesso à IA desenvolvida por empresas“.

(CC0/PD) ArielR / pixabay

100 gurus da tecnologia apelaram à ONU que proíba os “robôs assassinos”

As preocupações de Musk em relação à “singularidade tecnológica“, o dia em que as máquinas inteligentes desenvolvidas por máquinas inteligentes se tornam mais inteligentes que o Homem, levaram já o visionário empresário a lançar duas iniciativas importantes.

Em 2015, Musk lançou a OpenAI, uma ONG para impedir o apocalipse dos robôs.  Já este ano, lançou a Neuralink, empresa que pretende desenvolver formas de adicionar uma camada de inteligência artificial ao cérebro humano.

“Se a Inteligência Artificial vai mesmo desenvolver-se, então temos que ajudar a que se desenvolva de uma forma positiva“, aponta Elon Musk. E se um dia o apocalipse robô acontecer mesmo, não será por falta de aviso seu – nem de esforços para o impedir.

PARTILHAR

14 COMENTÁRIOS

    • Primeiro, não está. Mas mesmo que estivesse a tentar fazer publicidade, estaria a tentar fazer publicidade a quê? À sua impresa de AI sem fins lucrativos?

  1. Estes ditos Gurus só demonstram os idiotas que são.
    A ai será um grande avanço em muitas questões da vida e poderá ater ser uma excelente ferramenta de apoio e ajuda ao ser humana. Agora substitui-lo?
    Mas será que estes idiotas pensam que são mais inteligentes e perspicazes que a “Mãe Natureza” num todo? eles pensam que podem superar com apenas 100 anos de evolução humana os 4 mil milhões de anos de evolução do planeta Terra? Que sobreviveu a todo tipo de calamidades para ser o que a terra é!
    Um dia o equilíbrio na Terra é posto em cause, seja qual for a AI que por ai andar, isto tudo é “posto” no sítio novamente.
    Vamos mas é preocupar-nos por ter um emprego e comida no prato e não dar ouvidos a estes palermas que, na verdade, não sabem o que dizem… Mas, mais tolo são os que neles acreditam e os seguem como “iluminados”.
    Enfim…

      • Boas Zabist.
        AI é tão perigosa como qualquer inversão humana. Esse perigo depende sempre dos poderes, dos governos… das pessoas que estão por detrás…
        Dessa pessoas, é que devemos ter mesmo muito medo, porque serão delas que partirá o grande perigo…
        Sendo da área, mas não me considerando um perito, foi sempre a minha atenção avisar as pessoas em geral que o grande perigo da humanidade não são as invenções com a AI (apesar de haver invenções que realmente apenas servem para destruir!), mas sim as pessoas que estão depois a usar ou “comandar” essas invenções.
        Essas pessoas mal intencionadas vão vir com a desculpa que: “não fui eu, foi a AI que teve a iniciativa” e assim esquivar-se a responsabilidade e ao castigo levando a que depois pessoas inocentes (como nós) acabem por sofrer com essas consequenciais.
        Acredite que o grande mal da humanidade não será a AI (por assim dizer) mas os grandes poderes que depois andarão por detrás a controlar…
        Como sempre foi…

        • RObôs sem sentimentos = psicopatas/ sociopatas.
          A humanidade depressa irá perder o controlo desse tipo de máquinas porque são autopensantes, autosuficientes.
          MAs numa coisa tem razão, as pessoas mal intencionadas que estão por detrás a controlar tudo e todos. Esses também são sociopatas/ psicopatas por natureza.

          • O verdadeiro problema surge quando os media começam a falar sem parar de uma coisa qq: Quer dizer que já é tarde para reagir.
            Isto da IA despista parcialmente do verdadeiro objectivo: tornar os humanos dependentes (1º) e posteriormente, fisicamente combinados com máquinas , “adiçoes” bem piores que os pacemakers (o famoso cyborg).
            É o mesmo fenómeno que com “terrorismo” devidamente montado: conseguiu-se que ninguém mais tenha privacidade… todos são “terroristas” até prova em contrário (temporária), e agradeçam ainda por cima.
            De resto, o menino Musk até não se conteve e apontou isso dos cyborgs como “antídoto” para a IA…
            Como de costume, “eles” não resistem a pôr cá fora de alguma forma as suas verdadeiras intenções para verem os tadinhos a acharem isso uma absurdidade!, impossível!, pode-lá-ser!!, etc, apesar de lhes terem dito (também) a verdade. Deve ser divertido assistir a isso do lado deles.
            É caso para dizer que os tadinhos “merecem o que lhes vai acontecer”.
            Quem conseguir separar adolescentes, crianças, mulheres jovens, etc do seu smartphone durante mais de 2 horas ganha uma semana de férias em Marte. Eles não são já parcialmente cyborgs? Ah não? Pois então, no seu caso, a lua é feita de queijo.

Responder a Alves Cancelar resposta

Trocar garrafas de plástico por descontos só será possível em março

O projeto-piloto para o depósito de garrafas de plástico a troco de talões de desconto nos supermercados estava previsto arrancar em janeiro. Porém, o atraso em desbloquear fundos de financiamento pode empurrar o arranque para …

Depressão Glória. Quedas de árvores, falhas de eletricidade e um ferido grave

A depressão Glória já provocou várias quedas de árvores, falhas na eletricidade e um ferido grave. Coimbra, Viseu e Castelo Branco são os distritos mais afetados. "O concelho mais afetado, neste momento, é Coimbra", afirmou o …

Ministério Público contratou ex-agente da PJ para analisar contas da Operação Tutti Frutti

As contas do caso Tutti-Frutti foram entregues a Edígio Cardoso, antigo diretor da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística (UPFC) da Polícia Judiciária, reformado há mais de um ano. A investigação do caso Tutti-Frutti iniciou-se em …

Reconstruções em Pedrógão. Gulbenkian exige indemnização de meio milhão por suspeita de ilegalidades

A Fundação Calouste Gulbenkian exige uma indemnização de meio milhão de euros por ilegalidades na reconstrução de casas de Pedrógão. Estão em causa cinco habitações. A fundação Calouste Gulbenkian exige uma indemnização de meio milhão de …

Austrália. Depois dos incêndios, chega o granizo (e já está a provocar estragos)

A Austrália está a recuperar dos enormes incêndios dos últimos meses. No entanto, a costa oriental do país debate-se agora com chuvas intensas que tem provocado inúmeras inundações. As fortes chuvas que caíram esta segunda-feira proporcionaram …

Taxa sobre produtos poluentes rendeu 200 milhões em dois anos

A taxa aplicada sobre produtos poluentes - plástico, cartão, embalagens de vidro, entre outros -, rendeu ao Estado português 199,6 milhões de euros em dois anos, avança o Jornal de Notícias esta segunda-feira. O valor, arrecadado …

"Mito sem sentido". Santos Silva rejeita que Portugal seja "amigo especial" da China

O ministro dos Negócios Estrangeiros rejeitou, em entrevista ao Financial Times, que Portugal esteja a desenvolver uma dependência problemática relativamente à China. É um "mito sem sentido", defendeu Augusto Santos Silva. O governante falou ao …

Justiça espanhola liga ex-ministro a alegado caso de corrupção. António Vitorino nega

A Justiça espanhola diz que o ex-ministro socialista se terá apropriado de 35 milhões de euros da petrolífera estatal venezuelana PDVSA. António Vitorino nega. A justiça espanhola alega que uma sociedade de António Vitorino, antigo ministro …

Há um obstáculo que pode travar a primeira condenação de Salgado

Ricardo Salgado foi condenado a pagar 4 milhões de euros e proibido de ser banqueiro nos próximos dez anos. No entanto, ainda há um último obstáculo que pode travar a sua condenação. O Tribunal Constitucional rejeitou …

Diplomatas portugueses salvaram entre 60 mil e 80 mil vidas durante a II Guerra Mundial

Os diplomatas portugueses terão salvo entre 60 mil a 80 mil refugiados do regime nazi, maioritariamente judeus, durante o período da II Guerra Mundial, estimou a historiadora Irene Flunser Pimentel em entrevista à agência Lusa. Além …