Costa pisca o olho com baixa do IRS, mas PCP e Bloco não se deixam iludir

Manuel de Almeida / Lusa

Catarina Martins, Jerónimo de Sousa e António Costa

Na entrevista concedida ao semanário Expresso esta semana, António Costa admitiu mexidas nos escalões do IRS, um aumento dos tetos das deduções familiares e um impulso no abono de família. Mas nem o PCP, nem o Bloco de Esquerda se deixaram iludir.

O Bloco de Esquerda interpretou as promessas do atual primeiro-ministro como uma espécie de chantagem para as negociações do Orçamento do Estado que se avizinham.

A revisão dos escalões do IRS e a atualização dos salários da Função Pública são medidas previstas no programa do Governo, pelo que não resultam da negociações com os parceiros. Os bloquistas entendem, por isso, que dizer que estas medidas só avançam se os partidos da esquerda não lutarem por outras é um “truque” de Costa.



O Novo Banco saiu das prioridades, mas as mexidas nos escalões não são de agora. Isto significa que o Bloco de Esquerda vai bater-se pelas bandeiras de sempre: Saúde e Trabalho são os dossiês primordiais mas, segundo o Expresso, os primeiros sinais nestas matérias não são animadores.

O PCP também não está convencido. Jerónimo de Sousa disse que nada nas declarações do primeiro-ministro, “quer no domínio do OE para 2022, quer noutros domínios como os dos salários e da legislação laboral”, mostra que o PS esteja apostado em dar passos significativos. Prova disso é a “contradição insanável” sobre o combate à precariedade laboral: o que o PS diz, mas o Governo nada faz.

Costa disse na entrevista que o período experimental de 180 dias não vai cair, e isso agrada aos comunistas e aos bloquistas. No entanto, os socialistas já admitiram que não vão aprovar na sua plenitude na especialidade o projeto de lei do PCP.

Para Jerónimo de Sousa, o Governo só tem dado seguimento a medidas inscritas no Orçamento do Estado e que, portanto, eram “automáticas”.

O Governo já anotou as prioridades dos parceiros e quer dar sinais de abertura negocial. Há ainda a esperança de que, com o desaparecimento do “fantasma Novo Banco” e das medidas de emergência social impostas pela covid-19, as circunstâncias possam facilitar as conversas. Mas só depois das autárquicas.

  ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Fenprof anuncia nova greve no dia 12 e concentração em frente ao Parlamento

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou, esta sexta-feira, a realização de uma concentração em frente à Assembleia da República no dia 5 de novembro e a adesão à greve nacional da Administração Pública marcada …

Luis Díaz será a prioridade do Newcastle

Valor de mercado será agora inacessível para os clubes italianos, escreve-se... em Itália. O novo Newcastle deverá atacar o mercado do futebol com estrondo, possivelmente já daqui a pouco mais de dois meses, e a prioridade …

Rui Rio, presidente do PSD

Rio apresenta recandidatura. "Seria muito prejudicial para o país se o PSD mudasse agora de líder"

O presidente do PSD apresentou, esta sexta-feira, na cidade do Porto, a sua recandidatura à liderança, tendo considerado que "seria muito prejudicial", não só para o país como para o partido, mudar agora de líder. Rui …

"Conquistem a vaga no relvado": aviso à UEFA sobre a nova Liga dos Campeões

Associação das Ligas Europeias contra vagas garantidas para clubes que não terminarem o campeonato nacional num dos primeiros lugares. A reunião da Associação das Ligas Europeias de futebol terminou com o reforço de posições públicas contra …

Bloco diz que as suas nove propostas foram rejeitadas. Governo aponta avanços em sete

O Bloco considerou, esta sexta-feira, que o Governo recusou as suas nove propostas para chegar a acordo no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022). O Executivo, por sua vez, considera que há avanços negociais em …

Comissão de inquérito ao Novo Banco. PSD frisa "maioria popular", PS queixa-se de "partidarite"

Os partidos apreciaram, esta sexta-feira, o relatório final da comissão de inquérito ao Novo Banco, aprovado em julho, com o PSD a destacar a "maioria popular" nas conclusões e o PS a criticar a "partidarite" …

"Falta de respeito". Patrões abandonam Concertação Social e pedem audiência a Marcelo

As quatro confederações patronais suspenderam, esta sexta-feira, a sua participação nas reuniões da Concertação Social e decidiram solicitar uma audiência ao Presidente da República, perante a "desconsideração do Governo pelos parceiros sociais" na discussão sobre …

Parlamento aprova diplomas para alargar gratuitidade das creches e "direito ao esquecimento"

O Parlamento aprovou, esta sexta-feira, um projeto-lei para o alargamento da gratuitidade das creches e de soluções equiparadas e ainda um diploma que consagra o "direito ao esquecimento". A Assembleia da República aprovou um projeto-lei do …

Costa está muito empenhado num acordo pelo OE, mas não "a qualquer preço"

O primeiro-ministro disse, esta sexta-feira, que o Governo vai fazer tudo ao seu alcance para chegar a um acordo sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), mas advertiu que "um acordo não se obtém …

Evergrande escapa por um triz ao default e garante o pagamento de juros de 71.7 milhões de euros

A gigante imobiliária chinesa conseguiu cumprir com o pagamento dos juros no limiar do fim da extensão do prazo. No entanto, persistem os receios sobre a possibilidade da crise na China contagiar a economia mundial. A …