/

Tiros disparados junto à base militar de Tancos

22

Paulo Novais / Lusa

Militares à entrada dos Paióis Nacionais do Polígono Militar de Tancos

Na noite deste domingo, vários tiros terão sido disparados perto da casa do comandante, junto à base militar de Tancos, de onde foram roubados na quarta-feira diversos materiais de guerra.

A notícia é avançada pelo Correio da Manhã, que dá conta de que o alerta soou na noite de domingo pelas 21h30, quando os disparos foram ouvidos junto ao perímetro militar.

No mato da área circundante foram vistos vários homens, pelo que foram reforçadas as patrulhas e rondas aos paióis para evitar novos roubos de armamento e salvaguardar o restante material. Depois disso, foi criada uma equipa especial militar para localizar e identificar os autores dos disparos.

Os disparos surgem depois de na quarta-feira ter sido roubado diverso material bélico. Na sequência do roubo, cinco comandantes foram exonerados temporariamente, para que “não haja entraves às averiguações”, segundo o chefe do Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte.

Na altura do roubo, o General Loureiro dos Santos confirmou que o sistema de videovigilância da instalação militar está avariado há dois anos.

No entanto, apesar da falta de videovigilância, o material estaria a ser vigiado todos os dias, 24 horas por dia, através de rondas feitas a pé e em viaturas, em horários aleatórios.

Mas, segundo o jornal Público, na noite de terça-feira, a última ronda de vigilância realizou-se às 20h00 e só por volta das 16h00 do dia seguinte é que foi feita uma nova ronda. Isto significa que os paióis ficaram sem vigilância de militares durante quase 20 horas.

Entretanto, a Corifa, empresa que reparou parte da vedação violada no roubo – 900 dos 2.500 metros que a compõem -, já se veio defender, dizendo que fez um “trabalho limpinho” e apontou ainda as responsabilidades para alguém “de dentro”.

“No início até fiquei preocupado, mas não me parece que a investigação aponte para nós e ainda bem, porque o nosso trabalho foi todo limpinho“, disse Manuel Castelão, responsável pela empresa que já trabalha para o Exército “há mais de 20 anos”.

“O acesso aos paióis é feito por um portão de alta segurança. O que faz sentido é que alguém tenha aberto o portão de segurança” para entrar o veículo que terá transportado a carga roubada, pelo que o buraco na vedação deve ter sido aberto como “manobra de distração”, antecipa.

No domingo, o roubo foi falado além-fronteiras, quando o jornal El Español divulgou a lista do material roubado em Tancos. De acordo com os espanhóis, a lista inclui 1.450 cartuchos de munição de nove milímetros, 18 granadas de gás lacrimogéneo e 150 granadas de mão ofensivas.

O El Español garantiu que este era o “inventário definitivo que já foi enviado às forças antiterroristas espanholas”.

  ZAP //

22 Comments

  1. Como portugal mudou quando fui tropa ,nos quartéis só roubavam bacalhau,carne,feijão,arroz pão,chouriço,gasolina,roupa,medicamentos,mas pelo que estou vendo os ladrões agora são mais finos e estão ligados a redes internacionais.

  2. Estranho, qd cumpri o meu servico militar, obrigatorio, a vigilancia ao paiol de Sta. Margarida era garantida por todos os quarteis e tinham presenca humana 24h, nada de rondas de quando em quando. Cada grupo de dois militares ficava responsavel por uma area, sendo visitados de quando em quando por uma equipa movel.

    Agora com o servico militar a ser visto como uma colonia de ferias da nisto!!!!

    • Concordo absolutamente. No meu tempo também era assim. Não se admite que paióis de armamento e munições fiquem sem guarda 20 horas, sem vigilância ou reforço. Os D.G.M.A e D.G.M.G. têm que estar sempre com guarda efectiva.
      Eram outros tempos…

      • É que as verbas agora são mais para pagar aos generais e coronéis. Aos que estão no ativo e aos aposentados . Não há verba para pagar a vigilantes…

      • Como era possível este roubo se não fossem criadas medidas de segurança para o fazer?
        1- Acabaram com a presença humana 24h por dia, mas ainda havia o problema das camaras e das rondas.
        2- Acabaram com as camaras, continuavam com o problema das rondas.
        3- No dia do roubo nem as rondas foram efectuadas para que o roubo fosse um sucesso.
        Acredito que este roubo foi planeado há muito por quem criou todas as condições para se concretizar sem haver a mais pequena possibilidade de insucesso.

    • Tem razão amigo, a nossa Terra neste momento é uma anarquia completa.
      Mas quem é que roubava armamento nos anos 70?
      E os paiois sem guarda permanente? Mas o que vem a ser isto?
      No meu tempo os paiois à volta de Lisboa e o da Trafaria eram guardados permanentemente e ainda eram visitados de noite pela PM para confirmar se estava tudo bem.
      Onde é que vamos parar??? O futuro dos miúdos de hoje está muito comprometido…

  3. Soldados que facilitam ou roubam armas para terroristas, PSP que roubam pistolas para o mundo do crime, um exército que ouve tiros perto do Quartel e chama a GNR, ridículo … a realidade ultrapassou em muito a ficção. Isto deve-se apenas e só à impunidade que grassa neste país. A culpa é de quem faz a Lei e sobretudo de quem a aplica, do excesso de protecção dado a bandidos que as vitimas muitas vezes não têm. Duarte Lima, Armando Vara, Sócrates, Ricardo Salgado, Oliveira e Costa, Portas, e tantos outros .. depois nos crimes mais pequenos todos têm uma atenuante … os Juízes que estão à espera para dar justiça ao povo português ?

  4. Muito grave o q aconteceu…sera q este mistério vai ser resolvido? Espero bem que sim e que seja rapidinho se Não alguém tem que bailar na corda bamba…nao acham?

    • Para mim a culpa é do governo que esteve lá antes deste e do outro e do outro e do outro e que antecedeu aquele que foi chefiado pelo outro.

  5. Quando eu não fui à tropa e não estive na guerra, estava a borrifar-me para o exército. Agora que roubam armamento e andam aos tiros… continuo a borrifar-me para isso tudo. Agora uma coisa é certa: o pessoal que roubou o que roubou… não foi para ir à caça… nem mesmo à caça grossa… mas como não andei no exército… posso estar errado… mas também como nunca fui à caça nem à pesca… não sei quais são os métodos atuais. Provavelmente abriu a caça à perdiz com lança-granadas. Eu vou estar atento…

  6. Blow Away, faltava-lhe alguma coisa para não ir ao serviço militar ou já era considerada a época balnear pós
    não obrigatório ?
    Já agora borrife-se para tudo e dê um tiro na cabeça !
    Queira um dia não precisar de ter uma arma na mão para se defender a si ou aos seus ou então nesse momento, borrife-se também ! Arranje uma fisga pelo menos mas não a vire para si para se suicidar porque pode ficar à Camões !

    Esta situação deve-se exclusivamente ao leve ânimo que as forças armadas levam dentro dos aquartelamentos, orçamentos curtos e irresponsabilidade.

  7. É bem claro, que o roubo só pode ter origem dentro dos militares, com a sua completa conivência com o exterior.

  8. E os paiois do Campo de Tiro de Alcochete?… Estive lá em 1982 e naquele tempo os roubos eram outros, ajudas de custo falsas, venda de metal para sucatas pelos sargentos, compadrio com caçadores nos terrenos anexos, etc. Naquele tempo, a quantidade de material de guerra, G3, HK41, WALTER 9mm, LOW e TOW´s, granadas, cargas para obus, eram ali armazenados em paiois subterraneos, para venda aos milhares. A vigilância era mais que muita, 24/24 hrs com militares em ronda permanente, armados e com ordem de disparo. E agora? Como estará? Num carregamento efectuado para um navio, sairam 25 TIR e nos mapas de existencia apenas desapareceram dois minusculos quadradinhos num universo de dezenas de folhas A4 com centenas de quadradinhos. Nos paiois em que entrei, havia lotes com data de 1973….. E agora como estará aquilo?….. Os planos de emergência, naquele tempo, propunham ordem de evacuação civil desde Porto Alto até à Moita, em caso de perigo de deflagração. Um raio de 30 Km só compreendido pela quantidade de explosivos ali armazenada. O perimetro da Zona militar eram mais de 50 Km e nessa altura já só era feita uma ronda por dia e não era raro observar rastos de camiões e ninguém fazia nada…
    Este “roubo” só apareceu porque alguém foi posto fora do “bolo” e “zangam-se as comadres aparecem as verdades”……..

    • Agora é que disseste… quase tudo, porque tudo o que se rouba nas FA ninguém sabe. Mas é muito, muito mesmo. Aliás, o roubo nas FA sempre foi prática comum. Só não sabe quem não frequentou as instituições militares.

  9. A malta efectiva da tropa ganha tão pouco… e tem tão poucas regalias, que o melhor é roubar umas coisitas para vender por fora e fazer mais uns trocos. Afinal, aquilo estava lá a deteriorar-se, quiçá, já fora do prazo de validade. Nas mãos certas, ainda dará para fazer um “brilharete”.

  10. Eu fiz tropa em Tancos era o 030271 1977/ 78 e as imagens na televisão fizeram-me reviver esses tempos principalmente quando vi aquela torre de guarda por um episódio passado com o meu camarada de armas e amigo Reis precisamente nessa vigia. Então foi assim ; o meu amigo estava afazer guarda quando aparece uma ronda surpresa feita pelo próprio comandante o meu amigo estava cá fora mas tinha a G3 dentro da torre no entanto disse na mesma quem vem lá faz alto como é obrigatório e comandante ó soldado e se fosse um ataque como é que você se defendia ? ele respondeu atirava pedras meu comandante. Conclusão apanhou 30 dias de cadeia.Não tem nada a vercom o assunto mas por ser verdade e engraçado resolvi contar.

  11. Querem ver que brevemente vamos ter um avião a levantar voo em Tancos com uma quantidade enorme de generais e ministros e entregues ao Daesh como reféns! Vamos ficar muito mais pobres! E eu a pensar que isto andava melhor com as meninas lá na tropa afinal começo a ver que andam todos muito mais distraídos lá pelas casernas.

  12. Saudades tenho dos tempos em que caes de combate faziam a guarda efectiva dos paiois…… assim era na BETP … esses sim eram pro !!!

  13. O ridículo de um país-manicómio em autogestão… os impensáveis acontecem…. vergonha, nojo e incompetência!

  14. Em relação a esta historia dos tiros, é no minimo estranho que hoje dia 7, passada praticamente 1 semana nunca mais se ouviu nada acerca disto. Não ouvi os tiros mas vi o aparato policial (GNR) que impedia a passagem para o Castelo de Almourol, mas nem mais piu sobre isto… estranho !

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.