Marques Vidal diz que investigação da PJ Militar foi “completamente ilegal” (e culpa Exército pelo assalto)

Pedro Nunes / Lusa

A ex-procuradora-geral da República Joana Marques Vidal reiterou esta terça-feira que a “investigação paralela” da PJ Militar ao furto do armamento de Tancos foi “completamente ilegal” e insistiu que a competência exclusiva para investigar o crime era da PJ.

Joana Marques Vidal depôs esta terça-feira como testemunha no julgamento do processo de Tancos, no Tribunal de Santarém, dizendo que “a investigação paralela da Polícia Judiciária Militar [PJM] sem qualquer suporte à direção do inquérito [do Ministério Público] era completamente ilegal”, justificando que a linha de investigação que estava a ser seguida era a de terrorismo, criminalidade violenta e organizada, “da competência exclusiva da PJ”.

Tecendo várias críticas à atuação da PJM e à atitude do seu ex-diretor e arguido Luis Vieira, a magistrada admitiu, porém, que teria sido desejável que, após a atribuição do processo ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e à PJ, tivessem sido definidas as regras de colaboração institucional da PJM.

Manifestando a sua posição com base na experiência adquirida, a magistrada foi crítica em relação à atuação da PJM em vários processos, considerando existir uma “deficiência na formação dos seus elementos” e uma deficiente coordenação entre investigadores”, devido à exigência de respostas perante as hierarquias, que “pode, por vezes, sobrepor-se à responsabilidades de responder perante as autoridades judiciárias, neste caso ao Ministério Público”.

A testemunha defendeu a reformulação da investigação de crimes militares.

Marques Vidal partilhou ainda o teor do telefonema de 3 de julho de 2017 que teve com o ex-diretor da PJM, quando lhe comunicou que a investigação do furto seria da PJ, dizendo que o coronel teve uma “reação desabrida, exaltada” e se mostrou “inconformado” com a decisão e que ficou com a sensação que “faltava conhecimento sobre os princípios estruturantes do Código de Processo Penal”.

A magistrada insistiu que em causa estava criminalidade altamente organizada, eventuais ações terroristas e tráfico internacional de armas e esses crimes são da competência exclusiva da PJ.

“O Ministério Público, eu própria e o diretor do DCIAP estávamos convencidos que entre as linhas de investigação havia uma possibilidade credível que o material fosse usado para atos terroristas”, sublinhou.

Em termos temporais, a ex-PGR contou ao tribunal que soube do furto do material militar dos paióis pela comunicações social e que, meses mais tarde, teve conhecimento do achamento do mesmo, na Chamusca, através do diretor do DCIAP que lhe falou do comunicado público da PJM.

“Logo que a PJ Militar recebeu a chamada anónima [que na ocasião era tida como verdadeira] a denunciar o local das armas tinha a obrigação legal de comunicar ao MP”.

Lamentou ainda que, no dia do achamento do material, tenha tentado “insistentemente” falar com Luís Vieira, sem sucesso, atitude que admitiu a ter irritado e que comunicou isso mesmo ao ministro da Defesa, na altura Azeredo Lopes, e também arguido neste processo, a quem chegou mesmo a dizer que a atitude dos elementos da PJM na investigação era passível de procedimento disciplinar.

Marques Vidal apontou culpas ao Exército para o roubo ter acontecido. “Lamento que as estruturas militares tivessem mantido no estado em que mantiveram a segurança das instalações. Aquilo também podia ter evitado o furto.”

O processo de Tancos tem 23 arguidos, dez arguidos respondem por associação criminosa, tráfico e mediação de armas e terrorismo, pelo alegado envolvimento no furto do armamento e os restantes 13, entre eles Azeredo Lopes, dois elementos da PJM e vários militares da GNR, sobre a manobra de encenação na recuperação do material ocorrida na região da Chamusca, numa operação que envolveu a PJM, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

Segundo o jornal Público, o MP e a PJ estão sob fogo dos advogados de defesa, que os acusam de inépcia e incompetência por não terem evitado o furto nem alertado o Exército ou o ministro da Defesa para o que poderia acontecer.

  ZAP // Lusa

 

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tal como o tempo veio a comprovar, a ex-procuradora estava completamente certa e a liderança da PJM estava longe de ser de fiar… assim como os as chefias das unidades militares responsáveis pela segurança dos paioís de Tancos – que também se deviam sentar no banco dos réus!

RESPONDER

A humanidade sobreviveu a cinco apocalipses. E está preparada para mais

Nos últimos meses, a atenção mediática tem recaído sobre temas como pandemias, vulcões, sismos e outras catástrofes a que, não sendo novidades, a humanidade tem vindo a sobreviver de forma quase inexplicável. Pandemias, vulcões, sismos, cheias …

OE. Costa promete salário mínimo de 850 euros em 2025 e aumento de pensões em janeiro

O secretário-geral do PS, António Costa, afirmou esta sexta-feira que é intenção do Governo elevar o salário mínimo aos 850 euros em 2025 e aumentar o mínimo de existência no próximo ano, isentando de IRS …

Cientistas portugueses ajudam a descobrir novo mecanismo para regeneração muscular

O músculo é conhecido por se regenerar através de um processo complexo que envolve várias etapas e depende de células-tronco. Mas uma nova pesquisa apresenta um novo mecanismo. Um novo estudo liderado por investigadores do Instituto …

Investigadores de Harvard utilizam corantes para armazenar dados

Na era digital, quase tudo é possível. Uma equipa de químicos de Harvard desenvolveu um novo sistema que utiliza misturas de sete corantes fluorescentes disponíveis comercialmente para armazenar ficheiros de dados. É comum pensarmos no armazenamento …

Uma impressão artística de um impacto gigantesco no sistema estelar HD 17255

Dois planetas envolveram-se num choque tão violento que um deles perdeu a atmosfera

Uma equipa de astrónomos encontrou provas de uma gigantesca colisão entre dois planetas num sistema planetário jovem, localizado a 95 anos-luz da Terra. A poeira à volta da jovem estrela HD 172555, de 23 milhões de …

Rorhwerk, o maior instrumento musical do mundo

Rohrwerk, uma obra de arte efémera, é a maior "fábrica do som" do mundo

Uma espécie de "pavilhão do som". Alunos da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, criaram um novo instrumento musical, o maior alguma vez construído. Com 45 metros de altura, a obra de arte imponente …

Costa já pediu desculpas às confederações patronais. "Houve um lapso"

O primeiro-ministro afirmou, esta sexta-feira, que já apresentou um pedido de desculpas às confederações patronais por o Governo ter aprovado duas medidas na área do trabalho sem antes as ter apresentado em Concertação Social. À chegada …

Luxemburgo torna-se o primeiro país da Europa a legalizar o cultivo e consumo de canábis

O Governo luxemburguês anunciou, esta sexta-feira, que o país será a primeira nação do Velho Continente a legalizar o cultivo e o consumo de canábis. De acordo com a nova legislação, explica o jornal The …

Prisão preventiva para suspeitos da morte de jovem no metro das Laranjeiras

Os quatro suspeitos da morte de um jovem, na quarta-feira, na estação de metro das Laranjeiras, em Lisboa, ficaram em prisão preventiva, depois de presentes a primeiro interrogatório judicial. Os quatro arguidos, com idades entre os …

Cristiano vs. Salah: Klopp não queria comparar mas comparou

Treinador do Liverpool não acredita que vai encontrar um adversário debilitado: "Eles são capazes de fazer coisas incríveis". É o grande jogo de futebol no Reino Unido e um dos mais aguardados em todos os países: …