Quatro arguidos no processo de reconstrução das casas de Pedrógão

António Cotrim / Lusa

Quatro requerentes de apoios para a reconstrução de casas em Pedrógão Grande foram constituídos arguidos no inquérito que investiga alegadas irregularidades no processo.

Numa nota publicada hoje na página eletrónica do Departamento de Instrução e Ação Penal (DIAP) de Coimbra, é referido que foram “até agora constituídos quatro arguidos entre os requerentes de apoios”, no âmbito do inquérito onde se investigam suspeitas de irregularidades relacionadas com a reconstrução de casas afetadas pelo grande incêndio de Pedrógão Grande.

Segundo o DIAP de Coimbra, em investigação “estão factos suscetíveis de integrarem os crimes de corrupção, participação económica em negócio, burla qualificada e falsificação de documento“.

Os arguidos encontram-se sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência, acrescenta a mesma nota, referindo que as investigações prosseguem sob direção desta entidade, “com a coadjuvação da Polícia Judiciária”.

Em causa estão denúncias feitas por duas reportagens, uma da Visão e outra da TVI, que aludiam a situações eventualmente ilegais na atribuição de fundos para a reconstrução de habitações.

As duas reportagens referiam que casas que não eram de primeira habitação foram contempladas com obras em detrimento de outras mais urgentes e também que casas que não arderam foram reconstruídas com fundos solidários.

A presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, Ana Abrunhosa, disse não ter dúvidas sobre os procedimentos formais, mas, ainda assim, enviou para ao Ministério Público 21 processos para análise.

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, Valdemar Alves, também negou estas acusações, mas enviou igualmente para análise um conjunto de processos.

No dia 12, a PJ realizou buscas na Câmara de Pedrógão Grande e também na Casa da Cultura, onde esteve sediado o gabinete que analisava os processos sobre a reconstrução das casas e que era coordenado por Bruno Gomes, um ex-vereador e agora afastado da posição.

Presidente da Câmara pede para sair do Fundo Revita

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande anunciou hoje ter pedido a saída do Conselho de Gestão do Fundo Revita, estrutura criada pelo Governo na sequência do incêndio de junho de 2017 naquele concelho.

Além da sua saída, Valdemar Alves optou por substituir Bruno Gomes, antigo vereador e técnico do município que coordenava o gabinete responsável pelos processos de reconstrução de casas destruídas pelo fogo e que tinha assento na comissão técnica do Revita.

Os donativos em dinheiro rondam os 4,4 milhões de euros, a que se juntam 2,5 milhões de euros disponibilizados pelo Ministério da Solidariedade e da Segurança Social.

Em comunicado, Valdemar Alves diz que “as últimas semanas têm sido férteis em especulações, mentiras e manipulações, visando desacreditar todo o trabalho desenvolvido no âmbito do Fundo Revita e que semeiam dúvidas sobre a lisura dos procedimentos técnicos e a seriedade das declarações feitas pelos proprietários dos prédios”.

“Continuo a acreditar nuns e noutras, mas a verdade é que as suspeições estão instaladas”, refere Valdemar Alves, salientando ser urgente “apurar com o rigor devido todas as situações”.

Por isso, “a fim de evitar quaisquer constrangimentos e permitir uma total independência de análise no seio do Fundo Revita”, Valdemar Alves diz ter solicitado ao presidente do Conselho de Gestão do Revita, Rui Fiolhais, a “saída deste órgão e, consequentemente, também da coordenação da Comissão Técnica do Revita”.

Atribuir ao engenheiro Álvaro Lopes as funções até aqui desempenhadas pelo dr. Bruno Gomes como técnico responsável por toda a área de construção/reconstrução das habitações Revita e de contacto e trabalho com as instituições que constroem/reconstroem habitações, e ainda como técnico do município junto da Comissão Técnica do Revita, retornando este último ao estrito exercício das suas funções municipais nos serviços de gestão do território” são outras decisões tomadas por Valdemar Alves, eleito pelo PS.

Valdemar Alves diz pretender com estas decisões “evitar o ruído que se instalou e contribuir para a celeridade e transparência de todo este processo”.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017, em Escalos Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, e que alastrou depois a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e 253 feridos, sete deles com gravidade, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais eram habitações permanentes, e 50 empresas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Convívio deve ser limitado às pessoas com quem se vive, apela DGS

A diretora-geral da Saúde apelou aos portugueses, esta segunda-feira, na conferência de imprensa sobre a evolução da pandemia em Portugal, para limitarem os contactos físicos às pessoas com quem vivem. "Ao conviver em presença com familiares …

"Lembranças da Lua." China prepara missão para recolher amostras do solo lunar

A China vai fazer a primeira tentativa desde os anos 70 de ir à Lua recolher rochas. A missão ficará a cargo da Chang'e 5, que será lançada esta terça-feira. A Chang'e 5 vai realizar a …

Hotéis já podem ser usados como escritórios e centros de dia

Os estabelecimentos hoteleiros, de turismo de habitação e resorts já estão autorizados a serem temporariamente usados como escritórios, showrooms e centros de dia, segundo o decreto-lei publicado em Diário da República. O diploma publicado no domingo, …

Bolsonaro critica "ataques injustificados" sobre a desflorestação da Amazónia

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, considerou durante a cimeira virtual do G20, que as críticas sobre o aumento da desflorestação são "ataques injustificados" e "demagógicos" que surgem de países "menos competitivos". “Eu apresento factos, dados …

Dois novos casos de legionella diagnosticados no Grande Porto

Mais duas pessoas foram diagnosticadas com legionella, esta segunda-feira, na região do Grande Porto, elevando para 87 o número de casos identificados desde o início do surto. Fonte da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-Norte) …

Reformaram-se 1.649 professores este ano. É o valor mais alto desde 2013

Este ano, reformaram-se mais 1.649 professores em Portugal continental. É o valor mais alto dos últimos sete anos. De acordo com o Correio da Manhã, entre janeiro e dezembro deste ano, aposentaram-se 1.649 professores em Portugal …

Já foram assassinadas 30 mulheres este ano, metade por violência doméstica

O Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA) contabilizou 30 mulheres assassinadas entre 1 de janeiro e o dia 15 de novembro, 16 das quais em contexto de relações de intimidade, um valor abaixo das 21 registadas …

Netanyahu terá visitado Arábia Saudita (e reunido com Mike Pompeo e o príncipe herdeiro em segredo)

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, terá viajado no domingo em segredo à Arábia Saudita para se encontrar com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman, divulgaram esta segunda-feira vários meios de comunicação de Israel. De acordo …

Arguidos no processo da queda da árvore na Madeira vão a julgamento

O Tribunal da Comarca da Madeira decidiu, esta segunda-feira, após a fase de instrução, levar a julgamento os dois arguidos no caso da queda da árvore no Funchal que, em agosto de 2017, provocou a …

Ausência de máscara na via pública dá multa a pelo menos 7 pessoas por dia

Entre 28 de outubro e 16 de novembro, a GNR e a PSP aplicaram 825 coimas por incumprimento relativo ao uso de máscara, sendo que mais de 130 foram por falta dela na via pública. De …