Ministério Público ainda sem data para acusação de Sócrates

José Goulão / Flickr

José Sócrates, durante as gravações da mensagem de Natal de 2008

José Sócrates, durante as gravações da mensagem de Natal de 2008

O diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) garantiu esta sexta-feira que o DCIAP está a fazer “tudo o que está ao seu alcance” para concluir a investigação da Operação Marquês “no mais curto espaço de tempo”.

“Logo que analisada toda a prova será proferido o despacho final”, e “o DCIAP está a fazer tudo que está ao seu alcance” para concluir o inquérito que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates “no mais curto espaço de tempo possível”, disse Amadeu Guerra, em entrevista à agência Lusa.

O diretor do DCIAP, no cargo há três anos, lembrou que no âmbito deste inquérito já foram realizadas mais de 100 buscas, tendo sido ouvidas mais de 60 testemunhas.

“Foi também reunida uma extensa e complexa prova documental e digital, da qual fazem parte cerca de 1.900 pastas de documentos em suporte de papel e mais de cinco milhões de ficheiros informáticos. Há quase duzentos apensos bancários, anexos ao inquérito, a que correspondem mais de cento e trinta mil registos bancários. A documentação recolhida tem vindo a ser objeto de análise e sistematização”, precisou o magistrado.

Amadeu Guerra justificou a escolha da Inspeção Tributária para colaborar com o DCIAP na investigação, deixando de fora a Polícia Judiciária, alegando que “os factos sob investigação apresentam uma relevante dimensão fiscal, por suspeita de fraude fiscal qualificada e aproveitamento abusivo do RERT”, o Regime Excecional de Regularização Tributária.

“Face à informação inicial, oriunda essencialmente de comunicações por operações suspeitas em sede de prevenção do branqueamento, entendeu-se que o Orgão de Polícia Criminal melhor colocado para desenvolver a informação era a Inspeção Tributária, até pela experiência anterior, em sede de movimentos de idêntica natureza no âmbito de outros processos”, acrescentou o dirigente à agência Lusa.

A operação Marquês conta já com 12 arguidos, entre os quais José Sócrates, que esteve em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora durante mais de nove meses.

José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, por suspeitas dos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

A medida de coação do ex-primeiro-ministro foi alterada a 4 de setembro de 2015 para prisão domiciliária com vigilância policial, e desde outubro que está em liberdade, embora proibido de se ausentar de Portugal e de contactar com outros arguidos do processo.

Recentemente, o Ministério Público enviou às autoridades angolanas uma carta rogatória para constituir arguido o empresário luso-angolano Hélder Bataglia, por suspeitas de pagamentos relacionados com a aprovação do empreendimento de Vale do Lobo, no Algarve, quando José Sócrates era chefe do Governo.

ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Tantas provas, tanta investigação e… NADA! Mas, pelo sim pelo não, prende-se! Depois… Logo se vê… Justiça (?) portuguesa no seu melhor…

RESPONDER

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …

Em Berlim, Marta Temido defende reforma e reforço de poder da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deve ser alvo de uma reforma substancial que leve ao reforço do seu poder internacional na sequência da pandemia de Covid-19, defendeu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta …