Marcelo pede que não se passe do “8 para o 80” e alerta para imagem do país

Miguel A. Lopes / Lusa

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá dentro e lá fora”.

Em declarações aos jornalistas depois de participar numa celebração religiosa na Mesquita Central de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a dirigir um apelo especial aos mais jovens para que pensem que “um terço da população portuguesa é de risco”, entre pessoas idosas ou com problemas de saúde.

“Até para pensarem no seguinte: nós precisamos de solidificar a imagem cá dentro e lá fora de que este processo é irreversível, não vai conhecer recuos, não levanta dúvidas e objeções, para querermos ter turismo, investimento, para querermos ter pessoas que possam vir e circular cá dentro e lá fora”, salientou.

O chefe de Estado alertou que se Portugal continuar a ter “picos de infetados”, apesar de não se traduzirem em aumento de internados ou de pessoas nos cuidados intensivos, fica “uma imagem que não dá segurança cá dentro e permite lá fora formular juízos que não correspondem ao que tem sido conseguido até agora”.

“É uma questão de bom senso, de não passar do 8 para o 80. É passar do 8 para 16, depois para 24, depois para 48 e por aí adiante até chegar aos 80”, afirmou.

Questionado sobre a possibilidade, admitida pela ministra da Modernização do Estado e da Administração Publica Alexandra Leitão, de não haver aumentos salariais na função pública em 2021 ou até de congelamento de carreiras, o chefe de Estado escusou-se a comentar para já esses temas.

“Eu não gostava de estar a comentar esta matéria neste momento, primeiro pelo local em que em encontro, pelo significado que tem a minha presença aqui e também porque isso terá de ser ponderado no quadro do orçamento suplementar, que ainda está a ser preparado”, disse.

Numa entrevista à Antena 1 e ao Jornal de Negócios, Alexandra Leitão disse que não espera que, no quadro da pandemia de covid-19, haja uma política de redução de rendimentos.

Quanto a um eventual congelamento das progressões de carreira na Administração Pública afirmou que é uma questão que “não está em cima da mesa”, mas admitiu que essa possibilidade depende do evoluir da situação económica e não pode ser excluída “liminarmente”.

Alexandra Leitão assumiu também que não pode garantir que seja possível manter o compromisso do aumento salarial de 1% para a função pública previsto para 2021.

Marcelo Rebelo de Sousa foi hoje de manhã à missa de Pentecostes na Sé de Lisboa e à tarde participou numa oração com a comunidade islâmica na Mesquita Central de Lisboa.

“Este fim de semana marca o início das cerimónias religiosas coletivas públicas, nomeadamente nos lugares de culto e nesse sentido, simbolicamente, aqui estou também”, justificou, reiterando o elogio à forma como as várias confissões religiosas sacrificaram as celebrações coletivas durante quase três meses.

No caso da comunidade islâmica, salientou, estas restrições coincidiram com o período do Ramadão, “um período da fé islâmica que supõe normalmente o encontro, uma dimensão coletiva”.

“Todas essas privações têm um mérito enorme. Como Presidente da República de todos os portugueses queria agradecer nestas duas comunidades o que sei que foi vivido por todas”, disse, considerando que o exemplo deste setor deveria ser seguido por todos.

Tal como já tinha feito hoje de manhã, Marcelo Rebelo de Sousa dirigiu um apelo especial aos jovens.

“Sabendo nós que os mais novos nem sempre gostam de ouvir opiniões dos mais velhos. Se pudessem pensar um pouco no risco que há em excessos de confraternização, com dezenas ou centenas de pessoas sem preocupações de natureza sanitária, num país que em temos mais de um terço dos portugueses em grupos de risco”, alertou.

O chefe de Estado considerou que nas próximas semanas – “esperemos que não muitas”, disse – “alguma moderação da parte dos mais jovens seria bem-vinda”.

“Eu, que não sou defensor de radicalismo sanitário, [acho que] também não se pode cair no outro extremo que é o facilitismo”, defendeu, alertando que seria “pouco inteligente” perder tudo o que foi alcançado “por insensatez ou precipitação”.

Questionado sobre como se explica o agravamento dos números da pandemia da covid-19 na Grande Lisboa, o Presidente da República atribuiu-os à maior concentração populacional numa zona onde vivem “milhões de pessoas” e fez questão de separar dois tipos de situações.

“Há uma realidade que são as pessoas que trabalham: trabalhadores precários deslocados das suas origens, que trabalham ou se deslocam em condições que propiciam o contágio. Outra é o clima que tenho testemunhado que é o à vontade com que os jovens, achando que não têm risco pessoal, começam a viver esta fase, como se não se tivesse vivido tudo o que se viveu”, reforçou.

Marcelo recusa folclore como “aspeto menor” da cultura

Marcelo Rebelo de Sousa recusou este domingo que o folclore seja “um aspeto menor da cultura portuguesa” e reconheceu o “empenhamento autárquico e associativo” nesse domínio, assinalando assim o Dia Nacional do Folclore Português.

“Em primeiro lugar estou consciente de que o folclore não é, como por vezes se insinua, um aspeto menor da cultura portuguesa, mas que, nas suas manifestações mais antigas ou mais genuínas, representa o melhor de uma cultura no seu enraizamento local e identitário”, diz Marcelo Rebelo de Sousa numa mensagem publicada no sítio oficial da Presidência da República na internet.

O Presidente da República sublinha também o “empenhamento autárquico e associativo, bem como as investigações etnográficas e a militância patrimonial que envolvem tantos indivíduos e instituições”.

“Do meu interesse e atenção, poderei continuar a dar grato testemunho em condições que sejam, em breve, mais favoráveis à proximidade social e cultural”, finalizou.

// Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Mas quem passa do 8 para o 80 são os responsáveis deste país.
    Por exemplo fecham os parques infantis com a desculpa de que não podem ser desinfectados após cada utilização mas depois mantêm os transportes públicos abertos que andam sempre sobrelotados e nunca são desinfectados.
    8 e 80 portanto.
    A grande pandemia é andarem a morrer milhares de pessoas por falta de tratamento a outras doenças bem mais graves do que o Covid. Depois dizem que morrem de Covid. Acredita quem quiser.

RESPONDER

É preciso esforço grande agora para salvar o Natal, alerta Santos Silva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta quarta-feira ser necessário “um esforço muito grande” para travar a propagação do coronavírus ” para salvar o Natal” das famílias dos cerca de 5 milhões …

"É uma treta". Ronaldo publica (e depois apaga) crítica a teste à covid-19

O futebolista Cristiano Ronaldo, capitão da seleção portuguesa, modificou a publicação efetuada esta quinta-feira no Instagram, tendo retirado a frase “PCR é uma treta”, em referência ao teste de despiste à presença do novo coronavírus. Um …

PSD confiante em geringonça, mas Ventura lembra que não tem "duas caras". Carlos César quer PS no poder

Com a solução governativa dos Açores em aberto, André Ventura já disse que está fora de questão integrar uma geringonça com "partidos do sistema", mas admite viabilizar um Governo do PSD na região com algumas …

Lage rasga elogios a João Félix. "Vai ser uma das referências do futebol europeu e mundial"

O antigo técnico do Benfica Bruno Lage teceu rasgados elogios ao internacional português João Félix, que esta terça-feira somou dois golos e fez uma boa exibição no jogo do Atlético de Madrid frente ao RB …

"Sentimo-nos em Itália". Médicos do Tâmega e Sousa contradizem hospital e reiteram situação de rutura

Médicos do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) ouvidos pelo semanário Expresso reiteram que os hospitais que integram o centro, o de Penafiel e o de Amarante, se encontram perto da rutura, contradizendo a …

Vieira reeleito em votação histórica para o sexto (e último) mandato

O presidente do Benfica esta quarta-feira eleito para um sexto mandato, manifestou "orgulho" por vencer o ato eleitoral mais concorrido da história do clube e apelou a que os benfiquistas "respeitem os resultados" do escrutínio. "Vencer …

Bélgica anuncia confinamento parcial. Ministro visita hospital e mostra-se "chocado" com o que viu

O chefe do governo federal na Bélgica anunciou ontem novas medidas de confinamento que entraram em vigor à meia-noite em todo o território. Em causa está uma crescente preocupação com o aumento de infetados que, …

O caso mais antigo de osteopetrose foi descoberto no esqueleto de um homem da Idade do Ferro

Uma equipa de cientistas alemães descobriu o caso mais antigo conhecido de osteopetrose, ou doença dos "ossos da pedra", nos restos mortais de um homem de 20 anos da Idade do Ferro. A osteopetrose é uma …

Orçamento sem favas contadas. Governo depende mais do PCP (que aproveita para apertar o cerco)

A aprovação do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, que contou com o voto contra do Bloco de Esquerda e a abstenção do PCP, deixou o Governo mais dependente da apreciação final do documento …

Oito em cada 10 portugueses é a favor do recolher obrigatório. Metade rejeita novo confinamento

Uma sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias e TSF concluiu que a maioria dos portugueses é favor de que Portugal adote o recolher obrigatório, mas é contra um novo confinamento. De acordo com a …