Marcelo diz que “o mais importante ainda está por fazer” em Pedrógão

José Sena Goulão / Lusa

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quarta-feira que ainda há “muitíssimo por fazer” na região afetada pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, que ocorreu em junho de 2017.

“Falta muitíssimo por fazer. O mais importante ainda está por fazer“, afirmou o chefe de Estado, considerando que o mais importante para esta região “é trazer gente, trazer atividade económica e manter atividade social aqui”.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas depois de um banho nas águas frias da praia fluvial do Mosteiro, no concelho de Pedrógão Grande, uma localidade também ela afetada pelo grande incêndio de 2017.

O Presidente da República salientou que é importante fixar jovens, mas também “menos novos” em idade de reforma, nestes territórios, e referiu que essa fixação pode ser fundamental, sobretudo “nos interiores mais despovoados”.

“É muito importante que haja gente nova e menos nova e que venham para cá e que tenham condições de viver cá e de trabalhar cá”, disse, tendo realçado que tal significa medidas de incentivo à fixação de novas atividades económicas e à “não saída de atividades sociais”, “algumas delas estão anunciadas e estão previstas” para os próximos tempos.

Na visita à praia fluvial do Mosteiro, voltou a encontrar uma família de fora da região – neste caso de Vagos – e reafirmou que “está a surtir efeito a ideia” das pessoas fazerem as suas férias nas zonas afetadas pelos incêndios.

Na ida para Mosteiro, a partir da Pampilhosa da Serra, Marcelo Rebelo de Sousa disse aos jornalistas que optou por fazer um trajeto mais longo, em que se conseguiu aperceber do “grau de destruição” em Pedrógão Grande.

“O grau de recuperação é lento. Assistimos a obras, nomeadamente nas bermas, mas assistimos, por exemplo, a postes de iluminação que ainda não estão reparados”, contou, encontrando como explicação para a lentidão na reconstrução o despovoamento.

O facto de não haver pessoas “explica largamente também o porquê de demorar tanto tempo a haver esta regeneração”, constatou.

Esta não é a primeira vez que Marcelo aborda a situação de Pedrógão durante as suas férias pelas zonas mais afetadas pelos incêndios do ano passado. Ainda nesta terça-feira, o chefe de Estado disse esperar que a alegada fraude na construção de casas afetadas pelos fogos de Pedrógão fique esclarecida até ao fim do ano.

Por estes dias, o Presidente vai passar por concelhos afetados pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, em junho de 2017, procurando promover o turismo da região.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Festa leonina, OE e política. Marcelo poupa Cabrita, mas não põe de lado uma remodelação

Em entrevista à RTP, a primeira deste mandato, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, poupou Cabrita, culpou os adeptos pelo que se passou nos festejos do Sporting, sublinhou que acredita que o Orçamento …

Governo prometeu a Bruxelas reforma de serviços do Estado. Sindicatos não sabiam

O Governo prometeu a Bruxelas arrancar com uma “reforma funcional e orgânica da administração pública (AP)” sob pena de não receber os cheques da bazuca europeia. “A reforma iniciar-se-á no segundo trimestre de 2021, com a …

Implante neural permite que pessoas paralisadas escrevam. Basta imaginar as letras

Pela primeira vez, uma equipa de investigadores descodificou os sinais neurais associados à escrita de letras e, em seguida, exibiu versões digitadas dessas letras em tempo real. Quando uma lesão ou doença priva uma pessoa da …

Presidente do PSD Oeiras demite-se depois de Rio rejeitar apoiar Isaltino Morais

O presidente da Comissão Política do PSD de Oeiras, estrutura que declarou apoio à candidatura do independente Isaltino Morais à liderança do município, demitiu-se, conforme anunciou esta quinta-feira o próprio, depois de a Comissão Política …

Revolta nas Forças Armadas. Ramalho Eanes entre os 28 ex-chefes militares contra reforma Cravinho

Vinte e oito ex-chefes de Estado-Maior dos três ramos, incluindo o general Ramalho Eanes, assinaram uma carta a contestar o processo da reforma das Forças Armadas em curso e apelaram a um debate alargado à …

Israel reforça presença militar na fronteira com Gaza. "Última palavra ainda não foi dita"

O Exército israelita tinha anunciado, esta quinta-feira à noite, que os seus soldados tinham entrado na Faixa de Gaza. Depois veio negar essa informação, atribuindo a confusão a um problema de "comunicação interna". Na noite desta …

Carta de 1949 revela que Einstein já suspeitava do "super sentido" dos pássaros

Muitas décadas antes de sabermos que alguns animais têm "super sentidos", como é o caso dos pássaros, já o Nobel da Física discutia esse assunto com outros investigadores. Embora não se conheça o conteúdo da primeira …

Ferro empossa comissão de revisão constitucional por três meses. Iniciativa Liberal retira projeto

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, deu esta quinta-feira posse à comissão de revisão constitucional por três meses (90 dias), desejando “votos de muito bom trabalho”, na sala do Senado do Palácio de …

Serena Williams: "A prioridade é a minha filha, não os Jogos Olímpicos"

Recordista do ténis feminino deixa a entender de que não vai a Tóquio. Naomi Osaka coloca dúvidas à volta do próprio evento. "Sou atleta e, por isso, é claro que o meu pensamento imediato é: quero …

A Cidade do México está a afundar a um ritmo incontrolável

Um novo estudo mostra que a Cidade do México, a metrópole mais populosa da América do Norte, afundou tanto que será impossível salvá-la. Depois de séculos de drenagem dos aquíferos subterrâneos, o leito do lago no …