Governo rejeita criação de passaporte de vacinação (para já)

António Pedro Santos / Lusa

O ministro da Economia e do Estado, Pedro Siza Vieira

O Ministério da Economia considera, nesta fase, prematuro discutir a criação de um “passaporte de vacinação”, uma ideia que está a dividir os parceiros na União Europeia (UE).

Questionado pela agência Lusa sobre qual a posição do executivo sobre a eventual criação deste documento, o Ministério da Economia e Transição Digital disse, numa resposta escrita, considerar – “nesta fase, em que o processo de vacinação na UE ainda está concentrado em grupos prioritários” – “prematuro discutir a criação dos chamados passaportes de vacinação”.

O ministério lembra que sob a Presidência portuguesa, “o Conselho da União Europeia já aprovou o quadro comum para a utilização maciça de testes rápidos de despistagem de covid-19 e para o reconhecimento dos resultados dos testes PCR e de antigénio em toda a UE” e que se trabalha “agora no sentido de avançar com o reconhecimento e certificação técnica da vacinação, bem como num possível certificado médico de recuperação”.

O gabinete do ministro Pedro Siza Vieira lembra, no entanto, que “Portugal tem acompanhado o desenvolvimento de várias soluções tecnológicas que têm como objetivo a retoma aérea, algumas das quais baseadas no conceito de ‘passaportes turísticos de vacinação’”, mas sublinha que se afigura “fundamental (…) que se definam primeiro regras sobre as condições segundo as quais se podem realizar viagens”.

Regras que “idealmente devem ser harmonizadas a nível europeu” e que “devem depois ser divulgadas profusamente para serem do conhecimento geral e permitir que quem as cumpre possa viajar”, acrescenta.

Vários países europeus têm apoiado a emissão de certificados de vacinação com o intuito de facilitar as viagens de pessoas imunizadas contra a covid-19, mas a ideia de um “passaporte de vacinação” ainda está a gerar controvérsia.

A Grécia apresentou em janeiro uma proposta à Comissão Europeia (que recebeu o apoio de Portugal) no sentido de permitir que os certificados de vacinação também pudessem ser utilizados para facilitar viagens no espaço comunitário.

Entretanto, as autoridades helénicas assinaram na segunda-feira um acordo com Israel que vai permitir aos cidadãos gregos e israelitas vacinados viajarem sem restrições para os dois países.

Ao nível da UE, conversações entre os 27 Estados-membros estão em curso para avaliar normas comuns para um reconhecimento mútuo dos certificados de vacinação para tal fim, mas ainda não há, nesta fase, uma posição comum sobre as implicações, os direitos e as questões éticas (como a discriminação entre cidadãos europeus no acesso à vacina, sem esquecer que a administração é voluntária) envolvidas nesta matéria.

Para já, os 27 já adotaram orientações sobre comprovativos de vacinação contra a covid-19 para fins médicos, de forma a garantir a sua “interoperabilidade” e assegurar que o seu conteúdo é “uniforme”.

Espanha, outro país com um forte mercado turístico, ainda não lançou um “passaporte de vacinação”, mas Madrid é favorável à ideia. O mesmo acontece em Itália.

A Suécia e a Dinamarcaanunciaram a criação de certificados de vacinação digitais destinados para viagens ao estrangeiro, documentos que também poderão ser utilizados para ter acesso a eventos desportivos ou culturais. No caso dinamarquês, estes certificados podem também ser utilizados para ter acesso a restaurantes.

A Islândia, que não é membro da UE mas integra o espaço Schengen (espaço europeu de livre circulação), tornou-se, no final de janeiro, num dos primeiros países a emitir estes certificados.

Já na Estónia, os viajantes estão isentos de cumprir um período de quarentena à chegada ao país caso mostrem documentos comprovativos de vacinação, de um teste molecular PCR ou de um teste serológico (teste de anticorpos).

Entre os países “reticentes” a este conceito está França, que considera que o debate sobre esta questão poderá ter lugar “dentro de alguns meses”, e a Alemanha, cujas autoridades opõem-se ao levantamento das restrições para uma única população vacinada.

Na Bélgica, também não se coloca a questão de condicionar a participação em determinada atividade à posse de um “passaporte de vacinação”. No que diz respeito às viagens, o país aguarda o resultado das discussões a nível europeu e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na Polónia, o executivo não prevê instituir, neste momento, esta espécie de passaporte, mas lançou uma aplicação para telemóveis, intitulada em português “Vacinado”, que permite ao seu titular evitar um período de quarentena à entrada no país.

Apesar de se mostrar favorável ao princípio dos certificados de vacinação para monitorizar as campanhas de imunização nos países, a OMS é crítica à introdução deste “passaporte de vacinação” como um pré-requisito, por exemplo, para viajar.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Como surgiu a vida na Terra? Cientistas acreditam ter descoberto o "elemento-chave"

Uma equipa de investigadores da Ludwig-Maximilians-Universitaet, na Alemanha, mostrou que pequenas alterações nas moléculas de transferência de ARN (tARNs) permitem que se auto-agrupem numa unidade funcional que consegue replicar informações exponencialmente. Uma equipa de biólogos alemães …

Telescópio FAST detetou três misteriosos sinais rádio do ainda jovem Universo

O gigante telescópio chinês FAST (Five Hundred Metre Aperture Spherical Telescope) detetou três misteriosas rajadas rápidas de rádio (FRB) que ocorreram quando o Universo era ainda jovem. As rajadas rápidas de rádio são um dos …

Áustria reitera rejeição de acordo comercial UE-Mercosul

O Governo austríaco, numa carta enviada ao primeiro-ministro, António Costa, reiterou a sua rejeição do acordo comercial UE-Mercosul e apelou a que Portugal, enquanto presidência da União Europeia (UE), “assegure” que a sua votação seja …

Em Málaga, pode comer-se o pão mais caro do mundo. É feito com ouro e prata

É na padaria espanhola Pan Piña que se confeciona aquele que é, de momento, o pão mais caro de todo o mundo. Este é vendido por uma quantia que pode chegar até aos 3.700 euros …

Novas evidências apontam eventual localização dos destroços do MH370. Jornalista sugere que foi abatido

O chefe da busca fracassada pelo voo MH370 da Malaysia Airlines está a pedir um novo inquérito com base em novas evidências que podem finalmente resolver o mistério do desaparecimento da aeronave há sete anos. De …

Cidade nos EUA testou o rendimento básico universal. "Os números foram incríveis"

Além de a percentagem de pessoas que tinham um emprego a tempo inteiro ter subido, os participantes da iniciativa também relataram sentir-se menos ansiosos. De acordo com o estudo publicado esta quarta-feira, citado pela agência …

Belenenses 0-3 Benfica | Vendaval suíço após o descanso

O Benfica venceu o dérbi com a Belenenses SAD, em jogo a contar para 22ª jornada da Liga NOS, por 3-0. Uma partida que teve uma primeira parte mal jogada e com muitas dificuldades para as …

Investigador apresenta nova geração de drones minúsculos e ágeis. São inspirados em mosquitos

Os mosquitos são insetos incrivelmente acrobáticos e resistentes durante o voo, o que os ajuda a navegar entre rajadas de vento, obstáculos e incertezas. Agora, uma equipa de investigadores construiu um sistema que se aproxima …

OMS considera que a pandemia podia ter sido evitada se alguns países não tivessem sido lentos a reagir

O diretor-geral da OMS afirmou esta segunda-feira que alguns países reagiram lentamente à declaração de emergência sanitária global em janeiro de 2020, desperdiçando-se uma "janela de oportunidade" para evitar a pandemia de covid-19. "A 30 de …

Louvre recupera armadura do século XVI roubada há quase 40 anos

O peitoral e o capacete elaboradamente decorados, que estavam desaparecidos desde 1983, datam do século XVI e voltaram finalmente ao museu do Louvre, em França. Quase quatro décadas depois, um peitoral e um capacete do século …