Defesa de Pedro Dias pede processo a militar por depoimento falso

Paulo Novais / Lusa

Pedro Dias, suspeito de triplo homicídio em Aguiar da Beira.

A defesa de Pedro Dias, suspeito de ter cometido três homicídios em Aguiar da Beira, pediu a instauração de um inquérito criminal a um militar da GNR, alegando que este deu “um depoimento claramente falso” em tribunal.

No requerimento, que foi aceite, o advogado Rui Silva Leal disse que Pedro Dias pretende “que se extraia certidão da gravação da totalidade deste depoimento e se entregue a mesma ao Ministério Público, a fim de que seja instaurado o inquérito criminal“.

O militar em causa é Filipe Sequeira, do posto da GNR de Fornos de Algodres, que na noite de 11 de outubro de 2016 deu a informação à patrulha de Aguiar da Beira, constituída por Carlos Caetano e António Ferreira, de que o homem que tinham encontrado a descansar numa carrinha, junto a um hotel em construção nas Caldas da Cavaca, estaria armado.

Esta quarta-feira, o militar da GNR disse em tribunal que estava em patrulha com Carlos Cruz, quando este recebeu um telefonema de Carlos Caetano a pedir informações sobre Pedro Dias. Antes, tinha ouvido, via radio, um pedido de António Ferreira sobre a matrícula da carrinha encontrada junto ao hotel, que associou a uma outra de uma situação ocorrida dois anos antes, porque “só mudavam os números da matrícula”.

Filipe Sequeira contou que, numa madrugada de 2014, foi alertado para uma carrinha parada junto a um aviário em construção. Ao fazer a abordagem, ligou os rotativos da viatura e o veículo pôs-se em fuga, tendo depois constatado que aquela matrícula era falsa, porque pertencia a um ciclomotor.

O militar contou que nesse dia pensou tratar-se de um caçador furtivo e, por isso, quando ouviu o telefonema feito por Carlos Caetano a Carlos Cruz, dadas as características da viatura serem idênticas, avisou que o homem podia estar armado.

Sequeira disse que fez a associação das duas situações “pelas características da carrinha” e não pelo arguido, que não conhecia. No entanto, depois admitiu que já “tinha ouvido dizer que o namorado da Cristina (empresária de Fornos de Algodres) seria caçador”, mas não sabia tratar-se de Pedro Dias.

Em declarações aos jornalistas no final da sessão da tarde, Rui Silva Leal disse não ter dúvidas de que o militar da GNR “mentiu descaradamente”, o que, “vindo de um agente policial, é gravíssimo”.

“A mentira é total em todo o depoimento, não tem ponta por onde se lhe pegue“, afirmou, considerando que os factos que se encontram a ser julgados começaram no momento desse telefonema.

O advogado Pedro Proença, que representa a família de Carlos Caetano e António Ferreira, considerou que o que interessa do depoimento de Filipe Sequeira é que confirma o que disseram os guardas ouvidos antes.

“Veio credibilizar o depoimento de todos os militares da GNR que estiveram anteriormente, que afirmaram ter recebido e transmitido a informação de que este arguido era potencialmente perigoso e poderia estar armado”, frisou, alertando que não se deve cair “na tentação de poluir os restantes depoimentos“.

No seu entender, o depoimento do militar “em nada prejudica o que de bom se fez hoje em termos de prova”, porque os militares ouvidos, que estiveram envolvidos nos primeiros contactos com os cenários de crime, frisaram que “houve uma preocupação em preservar a prova e evitar que fosse contaminada”.

Outro dos militares que depôs durante a tarde foi Nuno Gonçalves, na altura comandante do posto da GNR de Vila Nova de Paiva, que se apercebeu de uma poça de sangue na berma da estrada e de um rasto que o levou aos locais onde estavam Liliane (que ainda estava viva e de quem ouviu gemidos) e Luís Pinto, colocados a cerca de 20 metros. No local estava um invólucro.

A descoberta foi feita numa altura em que “já havia um grande aparato no local”, uma vez que anteriormente, a poucas dezenas de metros, tinha sido encontrado o carro-patrulha da GNR de Aguiar da Beira com o corpo de Carlos Caetano na bagageira.

Nuno Gonçalves disse ter sido o primeiro a chegar ao local, imediatamente seguido pelos colegas que estavam consigo, e que encontrou Liliane e Luís “parcialmente cobertos” com fetos e ramos de giesta cortados o que, na sua opinião, teria como intenção impedir que fossem avistados da estrada nacional.

Os militares ouvidos durante a tarde negaram que alguma vez lhes tivessem sido dadas informações para fazer uma “caça ao homem”. A única indicação dada foi de que, caso Pedro Dias fosse encontrado, não fosse abatido, contou o militar Luís Ribeiro.

Cláudio Carvalho, do posto de Moimenta da Beira, disse ter ajudado a tentar reanimar Carlos Caetano depois de os bombeiros o terem retirado da bagageira do carro, uma vez que tem o curso que permite fazer essas manobras.

O militar contou que, nessa altura, a carta de condução do arguido caiu do bolso esquerdo das calças de Carlos Caetano e que a entregou à comandante do Núcleo de Investigação Criminal de Moimenta da Beira.

Hoje, estão previstas serem ouvidas nove testemunhas, entre elas o inspetor da PJ da Guarda, Fernandes da Cruz, responsável pela investigação do processo.

Pedro Dias está a ser julgado no Tribunal da Guarda desde a última sexta-feira. Está acusado de três crimes de homicídio qualificado sob a forma consumada, três crimes de homicídio qualificado sob a forma tentada, três crimes de sequestro, crimes de roubo de automóveis, de armas da GNR e de quantias em dinheiro, bem como de detenção, uso e porte de armas proibidas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Quando o Bosta do Assassino de Aguiar da beira for condenado aos merecidos 100 anos de cadeia condenem também a arruaceira da sua advogada e respetivo marido também advogados a pela menos 25 anos de cadeia por defenderem teses da conspiração em casos em que não existe apelação possível pois as provas falam por si!!!
    Esta senhora e marido não valem nada!

  2. Como é possível que a “justiça” permite a defesa de um monstro destes, que deveria ser condenado à morte, e ainda por cima, que este pense ter direito seja a que for? Digo mais, se não tem dinheiro nem bens em seu nome, que penhorem a sua futura herança, ordenado, ou seja que modo de vida for, e que preste serviço ao estado (limpeza de terrenos, recolha do lixo, etc.) até pagar BEM PAGO, se tal for possível, os crimes horrendos que fez.

  3. Os mercenários que os defendem deveriam ter a humildade de aceitar as culpas do seu cliente p+edidno misericórdia ao Tribunal e às Familias das Vitimas , que abateu sem que alguma delas lhe fizesse mal.

    Mas a ânsia do protagonismo pelo pior, leva-os a não ter respeito pela Lei , da qual deveriam ser guardiões, até na correcção do homem que a infringe.

    Aos pais do monstro, as minhas condolências !

    • Os pais devem ser os principais culpados!!
      Sempre deixaram o menino fazer o que queira e foram escondendo as suas porcarias – o resultado está aí!…

  4. Hahahaaa!!…
    Os advogados são mesmo uma espécie rara!…
    Realmente, com provas que enterram o assassino louco até ao pescoço, a acusação precisa mesmo de inventar depoimentos!..
    Só mesmo a cabeça destes advogados manhosos/mafiosos armados em inteligentes!…
    Agora é por esse advogado a provar o que diz!!

RESPONDER

Julgamento de Rui Pinto arranca dia 4 de setembro

O pirata informático português Rui Pinto vai a julgamento no dia 4 de setembro, escreve a Sábado. O alegado autor do Football Leaks responde por 90 crimes de acesso indevido, violação de correspondência, acesso ilegítimo, …

PCP anuncia voto contra no Orçamento Suplementar

Apesar da abstenção na votação inicial, o PCP anunciou que vai votar contra o Orçamento Suplementar na votação final marcada para esta sexta-feira. "Concluída a votação na especialidade verifica-se que os aspetos negativos da proposta do …

Figura em pedra com mais de dois mil anos descoberta em Miranda do Douro

O acaso colocou a descoberto em Duas Igrejas, no concelho de Miranda do Douro, uma figura zoomórfica que representa um berrão (porco) e que os arqueólogos datam entre os séculos IV e I a.C., foi …

FBI prende Ghislaine Maxwell, ex-namorada de Jeffrey Epstein

A ex-namorada de Jeffrey Epstein, Ghislaine Maxwell, foi esta quinta-feira detida pelo FBI. A mulher de 58 anos é acusada de ajudar a montar uma rede de tráfico de mulheres. O FBI deteve, esta quinta-feira, Ghislaine …

Polícia italiana apreendeu 14 toneladas de anfetaminas. Droga foi produzida pelo Estado Islâmico

As autoridades italianas apreenderam na quarta-feira 14 toneladas de anfetaminas produzidas na Síria por membros do Estado Islâmico, cujos lucros serviriam para reativar as suas operações. "É um facto que o Daesh [Estado Islâmico] utiliza a …

Câmara de Lisboa defende fim do financiamento público às touradas

A Câmara de Lisboa defendeu hoje a criação de legislação que impeça o financiamento público de espetáculos que "causem sofrimento animal", salientando que as touradas incluem "atos de violência". Numa moção “pelo fim de espetáculos com …

Acordo entre Neeleman e Governo já só depende da confirmação da Azul

O acordo entre David Neeleman e o Governo está prestes a concretizar-se, escreve o Expresso. Aparentemente já só falta a confirmação da Azul para garantir o acordo. Depois de a nacionalização da companhia ter sido dada …

Medina recua e diz que "há convergência total" com Governo no combate à pandemia

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, disse hoje que “há convergência total” com o Governo no combate à pandemia de covid-19, recusando que as críticas que fez à atuação das autoridades de saúde …

Parlamento vai debater o teletrabalho por iniciativa do PAN

O PAN considera que "o teletrabalho é uma ferramenta que pode ajudar a conciliar a vida profissional e a vida familiar", ainda que apresente fragilidades como a "invasão da vida pessoal". O PAN agendou para sexta-feira …

PSP também queria prémio semelhante ao dos profissionais de saúde

O Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP) manifestou-se esta quinta-feira “desiludido” com “a falta de respeito” que o Governo demonstra em relação à PSP e a outras forças de segurança que estão na “linha da …