Lisboa “não pode ser contra” a mudança do Infarmed para o Porto

Câmara Municipal de Lisboa / Facebook

Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa

O presidente da Câmara de Lisboa disse, esta segunda-feira, que o município “não pode ser contra medidas de desconcentração” de serviços e mostrou confiança no Ministério da Saúde em relação ao Infarmed.

“Lisboa não pode ser contra medidas de desconcentração ou descentralização de serviços, pois temos defendido essas políticas a bem da coesão do país e da melhoria da eficácia dos serviços”, afirmou Fernando Medina, num comunicado enviado à agência Lusa.

As declarações do autarca surgem depois de a presidente do Infarmed, Maria do Céu Machado, em entrevista ao Público, ter-se manifestado admirada pelo facto de a Câmara de Lisboa nada ter dito sobre a mudança.

O presidente da Câmara de Lisboa confia que, “qualquer que seja a decisão, o Ministério da Saúde acautelará o bom funcionamento” do Infarmed.

No mesmo comunicado, Medina afirma ainda que a autarquia continua “a trabalhar para reforçar o papel de Lisboa como capital global, capaz de acolher investimentos e empregos altamente qualificados”.

“Exemplos recentes, como a Web Summit ou a instalação em Lisboa do centro mundial de competências digitais da Mercedes, são bons exemplos do sucesso de Lisboa nesse capítulo”, notou.

Na entrevista, a presidente do Infarmed afirmou que o ministro da Saúde a informou de que a transferência daquele organismo para o Porto era apenas uma intenção e não uma decisão, recordando que o próprio plano estratégico para 2018 da instituição, aprovado pela tutela, não faz qualquer referência a essa mudança.

A responsável sublinhou ainda que o regulador iria perder milhões se a mudança se concretizasse.

O anúncio da transferência da sede do Infarmed de Lisboa para o Porto foi feito na semana passada pelo ministro Adalberto Campos Fernandes, um dia depois de se saber que o Porto não conseguiu vencer a candidatura para receber a sede da Agência Europeia do Medicamento, que mudar de Londres para Amesterdão.

A Comissão de Trabalhadores do instituto vai pedir uma reunião com o ministro para demonstrar que a transferência desta agência ultrapassa as duas linhas vermelhas traçadas pela tutela e pedir a reversão da decisão.

Em comunicado, a CT afirmou que a reprovação dos trabalhadores relativa a uma eventual transferência e o “risco da continuidade da missão do Infarmed” estão comprovados.

“Assim, ficam evidenciadas as duas linhas vermelhas traçadas pelo senhor ministro da Saúde na reunião mantida com esta Comissão de Trabalhadores na manhã de dia 22 de novembro, de que não será tomada nenhuma decisão definitiva caso seja posta em causa 1) a missão do Infarmed e 2) a vontade manifestada pelos seus trabalhadores”, lê-se no comunicado.

O Infarmed – Agência Nacional do Medicamento tem 350 trabalhadores e mais cerca de 100 colaboradores externos que incluem especialistas.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Votem outra vez no presidente que defende a autarquia. É preciso não ter vergonha e socialmente se borrifar em 400 famílias lisboetas. Estes idiotas fazem-me lembrar a série “Yes Prime Minister” que foi o que este Homo Idioticus fez. Não tenho nada contra o Porto e nem sou de Lisboa mas é inadmissível andar a arranjar “Jobs for the boys”. Criem mas é mais EP’s e sociedades pagas pelo estado que nós pagamos, é uma questão de hábito.

Responder a Slan Cancelar resposta

Depois do balde de água fria da pandemia, Israel vai ficar melhor do que nunca. Tudo pelos turistas

Israel está fechado em casa e viajar para este país não faz parte dos planos de muitas pessoas. No entanto, este período de acalmia pode mesmo ser o melhor momento para planear uma viagem - …

Menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais e menos 151 mil cirurgias em 2020

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, houve menos 151 mil cirurgias e menos 1,3 milhões de consultas nos hospitais públicos. A covid-19, que chegou a Portugal a 2 de março de 2020, obrigou …

Várias escolas de Tóquio pedem "certificados de cabelo real" aos alunos

As escolas japonesas são conhecidas pela sua rigidez relativamente à aparência dos seus alunos, tanto que os estudantes que não seguem o padrão de "cabelo liso e preto" têm de apresentar provas. Dados divulgados, esta semana, …

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …