Afinal, mudança do Infarmed “foi uma intenção, não uma decisão”

Universidade Lusíada de Lisboa / Flickr

Maria do Céu Machado, presidente do Infarmed

A presidente do Infarmed afirma que o ministro da Saúde lhe terá dito que a  mudança do Infarmed para o Porto se tratava apenas de uma intenção. Maria do Céu Machado garante que a passagem da sede para o Porto significará a perda de muitos milhões de euros.

Maria do Céu Machado, presidente do Infarmed, contou ao Público que foi com surpresa que recebeu um telefonema do ministro da saúde, na manhã de dia 21, a dizer que se tinha reunido com o primeiro-ministro e que tinham decidido transferir o Infarmed para o Porto.

“Isto é como todas as notícias de surpresa: até cairmos em nós, há uma fase em que se fica com uma espécie de anestesia, de ‘isto não pode ser verdade’“, conta a presidente.

Nesse dia, foi convocada uma reunião com os dirigentes do Infarmed para as 16h mas, minutos depois do telefonema de Adalberto Campos Fernandes, a informação já tinha sido tornada pública, através dos meios de comunicação.

A reunião foi antecipada e acabaria por durar apenas cinco minutos, com o ministro a pedir para que não lhe fizessem perguntas porque não sabia “responder a nenhuma”.

A presidente do Infarmed explica que no mesmo dia, à noite, voltou a conversar com o ministro da Saúde depois de ter vindo a público a reação negativa dos trabalhadores ao anúncio da transferência e, no dia seguinte, o governante afirmou que se tratava de uma intenção e não de uma decisão.

Maria do Céu Machado conta, em entrevista ao Público, que o ministro da Saúde “disse que percebia, de certa forma, que isto era uma notícia surpresa e que não era uma decisão, era uma intenção. Várias vezes repetiu isso“, garante a responsável que afirma nunca ter sido consultada sobre uma eventual mudança para o Porto.

Confio que seja uma intenção e não uma decisão e que haja uma avaliação de impacto financeiro, social, relativo à atividade nacional e internacional e à saúde pública”, afirma a presidente do Infarmed.

Até esta altura, Maria do Céu apenas tinha ouvido dizer que Adalberto Campos Fernandes tinha perguntado num almoço: “E se o Infarmed fosse para o Porto?“, interpretando a pergunta como uma brincadeira.

Se o Infarmed perder 70% dos seus trabalhadores, Maria do Céu Machado garante que o regulador vai perder milhões, dado que não vai poder garantir a qualidade do trabalho que faz nas áreas dos medicamentos, dispositivos médicos e cosméticos.

“Na semana passada estive na Agência Europeia do Medicamento, numa reunião em que estiveram presentes representantes de diversos países para negociar os processos centralizados de avaliação de medicamentos que estão no Reino Unido e que todos os países querem porque representam prestígio e milhões. Comprometi-me a assumir mais 20% de processos. Serão mais de 10 milhões de euros“, menciona.

Ainda sobre o assunto, Maria do Céu diz que o Infarmed já teve o sinal da EMA de que não poderão dar-lhe os processo que foram combinados caso o regulador português esteja numa fase de transição nas mesma altura em que eles estão.

Sobre a possibilidade da haver apenas a transferência de uma parte da Autoridade Nacional para o Medicamento, a responsável responde que “o Infarmed é coeso e temos uma enorme preocupação na articulação entre serviços. Se pode ir o conselho diretivo? Se for apenas para andar em almoços e jantares, então pode estar em qualquer lado“.

Maria do Céu Machado recorda ainda um inquérito feito aos trabalhadores, na semana passada, em que 82,7 dos funcionários foram taxativos na decisão de não ir para o Porto. Além disso, recorda que o próprio plano estratégico para 2018 do Infarmed, aprovado pela tutela e assinado em setembro, “não faz referência a esta mudança”.

A responsável lembra que “o processo tem de ser liderado pela própria instituição e pelas pessoas que lá trabalham”, mas sublinha que a mudança poderia traduzir-se num problema de “perda de reação imediata para dar resposta a situações de urgência, como ruturas de medicamentos”.

O anúncio da transferência do Infarmed para o Porto foi feito, na semana passada, pelo ministro Adalberto Campos Fernandes, um dia depois de se saber que o Porto não conseguiu vencer a candidatura para receber a sede da Agência Europeia do Medicamento.

O Infarmed conta com 350 trabalhadores e mais cerca de 100 colaboradores externos, que incluem especialistas. “Acho que o Governo e o ministro, tendo consciência destas condições, tomarão a atitude mais correta“, conclui Maria do Céu Machado.

ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. Geringonça ao seu mais alto nível!
    para estes tipos (tipas) existe um dito popular ” não F. nem saem de sima” ou dito de outra forma não fazem nem deixam fazer.

  2. Não se preocupem… Os tugas vão pagar mais uns €€€€ em cartões de compras do continente ou do pingo doce para o governo fazer um estudo de mercado.
    Se o tuga for contra o governo revoga a decisão. Se for a favor o governo mantém a decisão e quem paga os seus custos, para além dos trabalhadores, é o conjunto dos tugas com o dinheiro dos seus impostos.

  3. Isto começa-se a parecer com a história de Tancos em que o material era obsoleto… depois nem tinha sido roubado nada (no limite) e no final sempre apareceu tudo mais uma caixa…
    O que vai aparecer a mais neste caso?

  4. Pronto. Podem os trabalhadores do Infarmed estar descansados que já não vão para o Porto. Primeiro estava tudo decidido há muito tempo. Como o costa começou a ver o rabo a arder, agora já era só um intenção. Não há palavras para esta corja!!!

  5. Que grande palhaçada. Este governo na ânsia de agradar a todos (o que é impossível) começa a fazer disparates. Os partidos da esquerda na ânsia de estarem no governo começam a pactuar com ele. Então? estão a defender Portugal os começamos outra vez com interesses partidários e pessoais. Já chega de amigos especiais e de mãos largas.

RESPONDER

Novo líder do Aliança reúne-se com Rui Rio (com autárquicas em cima da mesa)

Paulo Bento, recém-eleito presidente do Aliança, e Rui Rio, líder do PSD, vão encontrar-se esta quarta-feira. Em cima da mesa vão estar as eleições autárquicas do próximo ano. De acordo com o Público, o encontro destina-se …

Mais de 60% dos portugueses deixaram de ir a restaurantes. Só 33% considera que o Estado prioriza a saúde

A nível nacional, 63% dos portugueses que continuaram a ir a espaços de restauração indicaram o convívio familiar com principal motivo da deslocação. A nível dos cuidados de saúde apenas 33% dos portugueses consideram que …

Santa Casa contratou Paulo Pedroso como consultor por 3700 euros

O ex-ministro socialista Paulo Pedroso, actual director da campanha presidencial de Ana Gomes, foi contratado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) em Setembro passado, com um ordenado de 3700 euros e efeitos retroactivos …

Covid-19. Médicos devem dar prioridade a quem pode recuperar vida normal e não à idade

Os doentes que podem recuperar para uma vida normal devem ter prioridade face aos que têm baixa probabilidade de recuperação e a idade não pode por si só ser critério, recomenda um parecer do Colégio …

"Há doentes a ficar para trás". Ex-ministro da Saúde diz que mortes por falta de cuidados são inaceitáveis

O ex-ministro da Saúde Adalberto Campos Fernandes afirmou esta terça-feira que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está a ser exposto a um teste de stresse devido à pandemia e que não é aceitável que …

Ordem dos Médicos abre processo disciplinar a médica que divulgou receita para enganar testes à covid-19

Depois de médica divulgar receita para os possíveis infetados testarem negativo à covid-19, a Ordem dos Médicos abriu o terceiro processo contra membros do movimento que contesta o uso de máscaras - os "Médicos pela …

Aprovado alargamento das taxas agravadas do IMI e IMT para empresas em offshores

As empresas localizadas em offshore que criem um veículo para deter imóveis em Portugal vão passar a estar sujeitas a taxas agravadas de IMI e de IMT, segundo uma proposta aprovada pelo Parlamento nesta terça-feira. A …

Processo de contratação pública "é um terror" que "torna um inferno" o trabalho do Estado

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, afirmou esta terça-feira que "o processo de contratação pública é um terror" que "torna num inferno" o trabalho do Estado e das empresas que fazem investimento público. "O processo …

"Não fui eu que o fiz". Nélio Lucas não se lembra de detalhes dos negócios com o FC Porto

O ex-presidente da Doyen, Nélio Lucas, disse esta terça-feira em tribunal, no âmbito do julgamento do caso Football Leaks, que não se recorda das circunstâncias e detalhes dos empréstimos que o fundo fez à SAD …

Juízes indeferem requerimentos da Doyen contra defesa de Rui Pinto

O coletivo de juízes do processo Football Leaks indeferiu os requerimentos apresentados hoje pelos advogados da Doyen para travar a linha de inquirição da defesa de Rui Pinto, alegando estar em causa um "escrutínio" dos …