Hoje vota-se o Brexit e May arrisca a maior derrota parlamentar em cem anos

Olivier Hoslet / EPA

A primeira-ministra britânica, Theresa May, com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker

Hoje é o dia D para o acordo de saída do Reino Unido da União Europeia. Mas a oposição de várias frentes está a criar muitos cenários, entre os quais a maior derrota parlamentar do último século.

O parlamento britânico realiza esta terça o “voto significativo” para a saída do Reino Unido da UE. O debate começa às 12h00 e termina às 19h00. A hora de votação dependerá do número de emendas aceites.

O programa indica que o debate termina às 19h00, mas os procedimentos deverão prolongar-se pela noite dentro e o voto realizar-se já perto ou depois das 21h00.

O acordo para uma saída amigável foi negociado pelo governo de May durante 17 meses com o objetivo de permitir uma saída ordenada, mas mantendo uma relação económica e política próxima com o bloco europeu.

O documento define os termos da saída do Reino Unido da UE, incluindo uma compensação financeira de 39 mil milhões de libras (44 mil milhões de euros), os direitos dos cidadãos e um mecanismo para manter a fronteira da Irlanda do Norte com a República da Irlanda aberta se as negociações para um novo acordo não forem concluídas até ao final de dezembro de 2020, quando acaba o período de transição.

Inclui ainda uma declaração política não vinculativa sobre as relações futuras com as linhas gerais para negociar um futuro acordo comercial, que preconiza uma parceria económica e uma cooperação estreita em matéria de justiça e segurança.

Para o acordo passar, Theresa May precisa de 318 votos a favor. A Câmara dos Comuns tem 650 deputados, mas é preciso descontar os sete eleitos pelo Sinn Féin – os nacionalistas irlandeses não ocupam os lugares em Londres -, o presidente e os seus três vices, e ainda os quatro deputados que fazem a contagem dos votos.

Segundo a Sky News, o acordo de retirada do Reino Unido da União Europeia só conta com o apoio de 198 deputados – todos conservadores, à exceção de três trabalhistas e três independentes. Não se sabe o sentido de voto de 18 deputados. Ainda que todos votassem a favor e se dessem alguns apoios de última hora a Theresa May, o acordo parece estar condenado a fracassar.

A votação poderá ser uma derrota estrondosa para o governo do último século. A última vez que aconteceu foi em 1924 e acabou com o governo trabalhista de Ramsay MacDonald, na sequência do chamado caso Campbell.

O diretor do jornal do Partido Comunista Britânico, J.R. Campbell, publicou um artigo que apelava à resistência passiva dos soldados para “nunca apontarem armas aos camaradas trabalhadores”. O procurador-geral considerou haver base para julgá-lo por instigação a um motim, mas parte dos deputados trabalhistas acabaram por se virar contra o executivo. O governo de MacDonald foi também derrotado numa moção de censura.

Os deputados vão, por fim, votar uma moção a declarar que o Parlamento aprova o acordo de retirada, legislação que estabelece os termos da saída da UE, bem como a declaração política que define as relações a longo prazo que o Reino Unido terá com a UE.

Os deputados podem apresentar emendas. Cabe ao presidente do Parlamento, John Bercow, escolher no próprio dia da votação quais são submetidas a votação. Se for aprovada, uma emenda é incluída no texto da moção final, o que pode mudar o significado ou adicionar condições extra à aprovação parlamentar.

No sistema parlamentar britânico, a derrota de uma emenda pode ser tão significativa que o processo de votação é interrompido e a lei que vai a votos é logo rejeitada. Em sentido contrário, emendas bem-sucedidas não vinculam o governo a cumpri-las, mas têm peso político e condicionam a estratégia do governo.

As emendas são votadas antes da votação final da moção sobre o acordo de retirada. Isto significa que o governo tem de ganhar uma série de votações, em vez de apenas uma, cada uma com o potencial de destruir o resultado final.

Problema pode não ficar fechado hoje

Se o acordo não chegar a ser votado ou se for derrotado, Theresa May tem até três dias para regressar ao Parlamento com uma solução. Até agora, o seu círculo faz saber que nesse caso vai voltar a pedir para se votar outra vez no acordo – ou seja, sem plano B nem pedir uma extensão do Artigo 50º do Tratado de Lisboa.

O Sunday Times avançou que deputados anti-Brexit planeiam mudar as regras parlamentares para que as moções de deputados tenham precedência em relação às do governo. Theresa May pode demitir-se da liderança do Partido Conservador, desencadeando eleições internas, evitando eleições e Jeremy Corbyn cumpre a promessa de avançar com uma moção de censura.

Se o governo cair, os trabalhistas têm 14 dias para propor e ver aprovado um governo no Parlamento. Caso o Labour não consiga formar uma maioria, há lugar a eleições.

Todas estas hipóteses se conjugam com outras: extensão da data-limite do prazo de saída (29 de março), referendo ou a revogação da saída.

Embora a saída sem acordo seja a opção por defeito, por a data estar escrita na lei, nos últimos dias a União Europeia deu conta da possibilidade de a data do Brexit ser suprimida, adiada ou de um grupo de parlamentares transversal aos diferentes partidos tentar ganhar o controlo do processo para determinar o seu curso.

MC, ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em Itália, preparar o regresso às escolas inclui serras afiadas

Itália, o primeiro epicentro de covid-19 fora da China, usou um regime agressivo de testes e uso de máscaras para conter uma segunda vaga no país. Agora, as escolas estão a preparar-se para receber, no …

Marcelo promulga Estatuto do Antigo Combatente e veta alterações ao direito de petição

O Presidente da República promulgou o novo Estatuto do Antigo Combatente, aprovado por larga maioria no parlamento em 23 de julho, desejando tratar-se de “o início de um caminho” e não “o seu termo”. Em nota …

O céu de Wuhan iluminou-se com 400 drones para homenagear a população

O céu de Wuhan, cidade chinesa onde se pensa ter surgido o novo coronavírus, em dezembro de 2019, foi iluminado, este domingo, com 400 drones para homenagear os habitantes. De acordo com o vídeo da CGTN, …

Vila do Conde revela que tem 173 casos ativos no concelho

A Câmara de Vila do Conde, do distrito do Porto, revelou esta quarta-feira que existem 173 casos ativos de covid-19 no concelho e que já está em marcha um plano de apoio à população, assim …

Descarrilamento de comboio na Escócia faz pelo menos três mortos

Três pessoas morreram e seis ficaram feridas em consequência do descarrilamento de um comboio de passageiros na Escócia, anunciou a polícia escocesa, citada pela agência Lusa. O acidente ocorreu 160 quilómetros a nordeste de Edimburgo. Numa primeira …

Temido garante que "não haverá exceções" para o Avante (e pede cautela com vacina russa)

A ministra da Saúde defendeu esta quarta-feira que a lotação da Festa do Avante!, organizada pelo PCP, terá este ano que ser inferior à capacidade máxima de 100 mil pessoas do recinto no Seixal, por …

Trump pondera impedir entrada de residentes suspeitos de exposição à covid-19

A Administração norte-americana está a ponderar barrar a reentrada no país a cidadãos norte-americanos ou residentes legais suspeitos de terem sido expostos ao novo coronavírus. De acordo com o Jornal Económico, que cita o jornal New …

Pelo menos 42 feridos em Beirute em confrontos entre polícia e manifestantes

Pelo menos 42 pessoas ficaram feridas, esta terça-feira, em confrontos entre manifestantes e a polícia, pelo quarto dia consecutivo, nas proximidades do Parlamento em Beirute. De acordo com a Cruz Vermelha libanesa, dos pelo menos 42 …

ONU envia ajudas para estabilizar falta de alimentos no Líbano

A Organização das Nações Unidas já começou a ajudar o Líbano, através do envio de farinha de trigo. O objetivo é começar a colmatar a falta de alimentos destruído pelas explosões. Segundo o The Washington Post, …

Mais três mortes e 278 novos casos. Infeções aumentam no Norte

Portugal tem atualmente 12.519 casos ativos de covid-19 e 161 surtos, circunstâncias em que os casos ativos estão ligados a um fenómeno comum, anunciou esta quarta-feira a ministra da Saúde em conferência de imprensa. Esses surtos, …