Reino Unido deixa de partilhar informação do atentado com EUA

Olivier Douliery / EPA

Theresa May com Donald Trump

Theresa May com Donald Trump

A bomba com que um suicida matou 22 pessoas e feriu dezenas na segunda-feira em Manchester era um engenho potente e sofisticado, segundo provas da polícia britânica reveladas e analisadas pelo jornal norte-americano New York Times.

O New York Times publica em exclusivo oito fotografias recolhidas à saída da Manchester Arena, onde o bombista suicida atacou as pessoas que saíam do concerto da cantora norte-americana Ariana Grande.

Embora não seja ainda conhecido o tipo ou quantidade de explosivo utilizado, a análise das imagens revela que “foi feito com perícia e reflexão”.

A bomba era “potente, com uma carga ultra-rápida, mas com peças de metal colocadas nos locais certos” para provocar a maior quantidade de danos possível.

Transportada num saco ou mochila e não num colete, a bomba era suficientemente potente para ter atirado metade do corpo do bombista suicida para longe do local da explosão e ter atingido pessoas num raio alargado, onde estavam a maior parte das 22 pessoas que foram mortas e as mais de 50 que ficaram feridas.

Segundo especialistas ouvidos pelo jornal, a bomba tinha vários sistemas diferentes de detonação e uma bateria mais potente do que as que são normalmente usadas.

Andy Rain / EPA

Equipa forense no local do atentado de Manchester

Equipa forense no local do atentado de Manchester

Reino Unido deixa de partilhar informação com EUA

A publicação do New York Times foi a gota de água para a polícia de Manchester que, a partir de agora, vai deixar de partilhar informação sobre o atentado com os EUA. As informações publicadas pelo jornal tiveram como fonte a Administração norte-americana.

O The Guardian cita hoje uma “fonte do governo de Londres” que refere que “as imagens procedentes do sistema norte-americano são claramente perturbadoras para as vítimas, para os familiares e para os cidadãos”.

Já foram enviadas queixas aos nossos parceiros dos EUA“, indica a mesma fonte que considerou “inaceitável” o comportamento por parte de Washington.

De acordo com a imprensa britânica, a primeira-ministra Theresa May, que participa hoje na cimeira da Aliança Atlântica, em Bruxelas, pretende questionar Donald Trump sobre estas fugas de informação.

Ontem, a ministra do Interior britânica, Amber Rudd, já tinha anunciado o envio de uma queixa ao Executivo norte-americano pela difusão de informações sobre o autor do atentado antes de as autoridades britânicas terem comunicado oficialmente os dados.

A polícia antiterrorista britânica também lamentou a “divulgação não autorizada” de informações. “Nós valorizamos em grande medida as relações que mantemos com os nossos parceiros dos serviços de informações e com as forças de segurança, a nível mundial, com quem partilhamos informações sensíveis. Mas, quando a confiança é quebrada as relações ficam comprometidas“, disse um porta-voz do organismo.

Peter Powell / EPA

-

Polícia faz oitava detenção

A polícia de Manchester anunciou a prisão de novos suspeitos no âmbito da investigação ao atentado suicida que matou 22 pessoas esta segunda-feira. Dois homens foram detidos hoje de manhã na região de Manchester.

Cinco homens e uma mulher tinham sido já sido detidos no Reino Unido no âmbito desta investigação, além do pai e do segundo irmão do bombista, na Líbia. Segundo as informações dadas pela polícia, a mulher foi detida no âmbito de buscas no bairro de Blacley, no norte de Manchester, mas foi entretanto libertada sem acusação.

Esta quarta-feira foi detido um homem em Wigan, na periferia de Manchester, e outras quatro outras pessoas foram detidas no Sul de Manchester.

Há informações de que, entre estas cinco pessoas, está o irmão mais novo de Salman Abedi, o bombista suicida que se fez explodir durante a saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena.

Fontes policiais disseram à revista Focus que o autor do ataque esteve na Alemanha, pelo menos duas vezes nos últimos dois anos. A polícia está a investigar uma eventual rede internacional no âmbito do inquérito sobre o atentado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Fiquei confuso pois dizem Reino Unido deixa de partilhar informação com EUA e mais à frente dizem que a polícia de Manchester, a partir de agora, vai deixar de partilhar informação sobre o atentado com os EUA.
    É a cidade de Manchester que vai deixar de partilhar informação com os EUA ou é o Reino Unido?

    É que poderemos estar a falar somente de um cidade ou dos quatros países que integram o Reino Unido e a diferença é grande demais para ser ignorada num órgão de comunicação que se quer sério e transparente.

RESPONDER

Época balnear arranca no sábado, mas começa mais tarde no Norte

A época balnear arranca no próximo sábado, 6 de junho, mas não em todo o país. No Norte de Portugal só começa a 27 de junho. Segundo o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, …

Um terço das empresas de restauração não reabriu

Cerca de um terço das empresas de restauração não retomou a atividade e quase metade tem registado uma faturação média inferior a 10%, revelou a associação representativa do setor. A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares …

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está morta

O procuradores do Ministério Público alemão acreditam que Madeleine McCann foi assassinada. O investigador Christian Hoppe, do Bundeskriminalamt, revelou que a criança pode ter sido alvejada quando o suspeito assaltava o apartamento da família. O procuradores do …

Nadadores-salvadores devem privilegiar salvamento "sem entrar na água"

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores divulgou hoje alguns dos procedimentos que os vigilantes devem adotar na época balnear face à pandemia, como privilegiar o salvamento “sem entrar na água” ou abordar o náufrago pelas costas. “Ainda …

Confederação do Turismo propõe Lay-off simplificado, banco de horas e horário concentrado

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) propôs ao Governo 99 medidas para mitigar as consequências "gigantescas" que a pandemia está a ter no sector, apontando um cenário de "eclipse total e asfixia". Segundo noticiou esta …

Coreia do Norte ameaça romper acordo militar com Seul

A Coreia do Norte ameaçou hoje romper o acordo militar com a Coreia do Sul e fechar o gabinete de ligação transfronteiriça, se Seul não impedir que ativistas continuem a enviar panfletos através da fronteira. A …

Moratórias no crédito prolongadas até 31 de março de 2021

O Governo decidiu estender a moratória nos empréstimos dos bancos às famílias e empresas afetadas pela crise. As prestações e juros só voltarão a ser pagos depois de 31 de março de 2021, apurou o …

Santana Lopes deixou funções executivas no Aliança. Mas não "deserta"

O fundador do partido Aliança deixou, recentemente, as suas funções executivas por "motivos profissionais", mas promete "não desertar", "muito menos em alturas difíceis". No passado dia 15 de maio, Pedro Santana Lopes pediu a suspensão das …

Pela primeira vez em 30 anos, Hong Kong proíbe vigília em memória de Tiannamen

Pela primeira vez em 30 anos, tanto Hong Kong como Macau não vão ter vigílias em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen. A Polícia de Hong Kong proibiu a vigília em memória do massacre de …

Portugal com mais 8 mortos e 331 casos positivos em 24 horas

Portugal registou mais oito mortes e 331 casos positivos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, de acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Esta quinta-feira, Portugal registou 1.455 mortes por …