Reino Unido deixa de partilhar informação do atentado com EUA

Olivier Douliery / EPA

Theresa May com Donald Trump

Theresa May com Donald Trump

A bomba com que um suicida matou 22 pessoas e feriu dezenas na segunda-feira em Manchester era um engenho potente e sofisticado, segundo provas da polícia britânica reveladas e analisadas pelo jornal norte-americano New York Times.

O New York Times publica em exclusivo oito fotografias recolhidas à saída da Manchester Arena, onde o bombista suicida atacou as pessoas que saíam do concerto da cantora norte-americana Ariana Grande.

Embora não seja ainda conhecido o tipo ou quantidade de explosivo utilizado, a análise das imagens revela que “foi feito com perícia e reflexão”.

A bomba era “potente, com uma carga ultra-rápida, mas com peças de metal colocadas nos locais certos” para provocar a maior quantidade de danos possível.

Transportada num saco ou mochila e não num colete, a bomba era suficientemente potente para ter atirado metade do corpo do bombista suicida para longe do local da explosão e ter atingido pessoas num raio alargado, onde estavam a maior parte das 22 pessoas que foram mortas e as mais de 50 que ficaram feridas.

Segundo especialistas ouvidos pelo jornal, a bomba tinha vários sistemas diferentes de detonação e uma bateria mais potente do que as que são normalmente usadas.

Andy Rain / EPA

Equipa forense no local do atentado de Manchester

Equipa forense no local do atentado de Manchester

Reino Unido deixa de partilhar informação com EUA

A publicação do New York Times foi a gota de água para a polícia de Manchester que, a partir de agora, vai deixar de partilhar informação sobre o atentado com os EUA. As informações publicadas pelo jornal tiveram como fonte a Administração norte-americana.

O The Guardian cita hoje uma “fonte do governo de Londres” que refere que “as imagens procedentes do sistema norte-americano são claramente perturbadoras para as vítimas, para os familiares e para os cidadãos”.

Já foram enviadas queixas aos nossos parceiros dos EUA“, indica a mesma fonte que considerou “inaceitável” o comportamento por parte de Washington.

De acordo com a imprensa britânica, a primeira-ministra Theresa May, que participa hoje na cimeira da Aliança Atlântica, em Bruxelas, pretende questionar Donald Trump sobre estas fugas de informação.

Ontem, a ministra do Interior britânica, Amber Rudd, já tinha anunciado o envio de uma queixa ao Executivo norte-americano pela difusão de informações sobre o autor do atentado antes de as autoridades britânicas terem comunicado oficialmente os dados.

A polícia antiterrorista britânica também lamentou a “divulgação não autorizada” de informações. “Nós valorizamos em grande medida as relações que mantemos com os nossos parceiros dos serviços de informações e com as forças de segurança, a nível mundial, com quem partilhamos informações sensíveis. Mas, quando a confiança é quebrada as relações ficam comprometidas“, disse um porta-voz do organismo.

Peter Powell / EPA

-

Polícia faz oitava detenção

A polícia de Manchester anunciou a prisão de novos suspeitos no âmbito da investigação ao atentado suicida que matou 22 pessoas esta segunda-feira. Dois homens foram detidos hoje de manhã na região de Manchester.

Cinco homens e uma mulher tinham sido já sido detidos no Reino Unido no âmbito desta investigação, além do pai e do segundo irmão do bombista, na Líbia. Segundo as informações dadas pela polícia, a mulher foi detida no âmbito de buscas no bairro de Blacley, no norte de Manchester, mas foi entretanto libertada sem acusação.

Esta quarta-feira foi detido um homem em Wigan, na periferia de Manchester, e outras quatro outras pessoas foram detidas no Sul de Manchester.

Há informações de que, entre estas cinco pessoas, está o irmão mais novo de Salman Abedi, o bombista suicida que se fez explodir durante a saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande na Manchester Arena.

Fontes policiais disseram à revista Focus que o autor do ataque esteve na Alemanha, pelo menos duas vezes nos últimos dois anos. A polícia está a investigar uma eventual rede internacional no âmbito do inquérito sobre o atentado.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Fiquei confuso pois dizem Reino Unido deixa de partilhar informação com EUA e mais à frente dizem que a polícia de Manchester, a partir de agora, vai deixar de partilhar informação sobre o atentado com os EUA.
    É a cidade de Manchester que vai deixar de partilhar informação com os EUA ou é o Reino Unido?

    É que poderemos estar a falar somente de um cidade ou dos quatros países que integram o Reino Unido e a diferença é grande demais para ser ignorada num órgão de comunicação que se quer sério e transparente.

RESPONDER

Rara cobra de duas cabeças e dois cérebros independentes encontrada na Florida

Uma rara cobra com duas cabeças e dois cérebros independentes foi resgatada no estado norte-americano da Florida por uma equipa de especialistas do organização Florida Fish and Wildlife Conservation Commission. Na rede social Facebook, a organização, …

Benfica 2-0 Belenenses SAD | Darwinismo rende arranque histórico

O Benfica cumpriu e venceu o Belenenses SAD por 2-0, no Estádio da Luz, na partida que encerrou a quinta jornada da Liga NOS. Foi o quinto triunfo benfiquista no campeonato em cinco partidas, o …

Uma tarefa doméstica está a poluir sorrateiramente o ambiente

O que vestimos e como lavamos as nossas roupas influencia o número de microfibras sintéticas que libertamos no meio ambiente. Há uma tarefa doméstica a poluir sorrateiramente o ambiente. Um novo artigo científico, publicado na PLOS …

A companhia aérea que faliu devido à covid-19 está de volta

A pandemia de covid-19 foi traiçoeira para muitas empresas. A Flybe, uma das primeiras vítimas, está agora a ressuscitar - e pode voltar a rasgar os céus já no próximo ano. A economia mundial foi muito …

Dormir bem antes de tomar a vacina da gripe pode ajudar a aumentar a sua eficácia

Segundo os especialistas, uma boa noite de sono pode mesmo ajudar a aumentar a eficácia da vacina da gripe, que neste ano ganha particular relevância em plena pandemia de covid-19. De acordo com Matthew Walker, autor …

Há um petroleiro abandonado há mais de uma década nas Caraíbas (e é uma "bomba-relógio")

Um navio de armazenamento de petróleo venezuelano está ancorado no Golfo de Paria, um trecho de mar fechado entre a Venezuela e a ilha de Trinidad, há mais de uma década. Antes de os Estados Unidos …

Portugal deve bater recorde de doentes em cuidados intensivos ainda esta semana

Portugal deverá ultrapassar, esta quarta-feira, o recorde de doentes em unidades de cuidados intensivos, alertou a ministra da Saúde, Marta Temido, em conferência de imprensa sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para combater …

A Budapest Eye foi restaurante por um dia (e com estrela Michelin)

Um restaurante com estrela Michelin em Budapeste, na Hungria, ofereceu aos clientes uma experiência gastronómica na famosa roda gigante Budapest Eye. Atraiçoado pela queda de faturação após o desaparecimento de turistas estrangeiros, o restaurante Costes, premiado …

Antigo ministro da Saúde Leal da Costa admite novo estado de emergência

O antigo ministro da Saúde Fernando Leal da Costa defendeu hoje que em algum momento deve ser decretado de novo o estado de emergência, para que o Governo possa tomar medidas na luta contra a …

Marcelo promulga uso obrigatório de máscara na rua por 70 dias

O Presidente da República promulgou esta segunda-feira o decreto da Assembleia da República que determina o uso obrigatório de máscara na rua, por um período de 70 dias, sempre que não seja possível cumprir o …