Autor do relatório sobre Pedrógão acusa Comissão de Dados de censura

António Cotrim / Lusa

O investigador Xavier Viegas entende “que nada justifica a decisão de censurar” um capítulo do relatório e que “tudo fará” para que as histórias das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande e Góis sejam conhecidas.

Xavier Viegas, que coordenou uma equipa do Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Universidade de Coimbra na elaboração de um relatório sobre os fogos de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e Góis, distrito de Coimbra, reage num artigo de opinião publicado no Público ao veto da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) à publicação integral do capítulo 6 do documento.

Na semana passada a CNPD vetou a publicação integral do capítulo 6 do relatório elaborado por Domingos Xavier Viegas sobre os incêndios de Pedrógão Grande, permitindo apenas que os familiares das vítimas tenham acesso à informação.

A CNPD considera que a divulgação pública do relatório expõe “as pessoas num grau muito elevado, afetando significativamente os direitos fundamentais ao respeito pela vida privada e à proteção de dados pessoais”.

O especialista explica que preparou uma nova versão deste capítulo de forma a omitir os nomes das pessoas envolvidas e “tornando o texto impessoal e de difícil leitura mas ainda assim compreensível”.

No artigo de opinião hoje publicado, Xavier Viegas considera “penoso ver que o trabalho de uma equipa de investigação, com provas e contribuições dadas no âmbito do estudo do comportamento do fogo, da segurança e da proteção de pessoas e bens, seja censurado a bem da proteção de dados que são reconhecidamente do domínio público”.

“Pela nossa parte, tudo faremos para que tal aconteça e iremos usar a nossa liberdade de investigação e o nosso direito e obrigação de divulgar os resultados da nossa investigação, para a dar a conhecer a todos os que tenham interesse nela”, refere.

O investigador lembra que o propósito da sua equipa “foi sempre o de dar a conhecer os factos apurados, registando o que de bom e mau” lhes foi dado a analisar, sem condenar ou culpar nenhuma pessoa ou entidade, mas para comunicar, ao público em geral, as lições que se devem retirar deste eventos e para dotar as entidades pertinentes de elementos que lhes permitam “tomar decisões quando estas se imponham”.

No entender de Xavier Viegas, “o ruído que se tem feito em torno deste capítulo tem erradamente desviado a atenção das pessoas para o conteúdo do relatório, mesmo sem este capítulo”.

“Na preparação e apresentação dos acidentes não nos moveu qualquer intenção de voyeurismo, de expor publicamente as pessoas ou os seus familiares, mas sim a de apresentar, com o rigor que nos foi possível ter, os factos apurados, para ficarem documentados historicamente e para servirem de ensinamento para outros”, disse.

No que diz respeito à publicação de algumas subsecções do capítulo 6, que a CNPC autoriza, o investigador considera tratar-se de “partes pouco substanciais do relatório, omitindo-se assim aspetos muito importantes, que como a própria CNPD reconhece, são de interesse público”.

O Governo divulgou na sexta-feira passada alguns pontos do capítulo 6 do relatório sobre os incêndios de Pedrógão Grande, que fazem uma análise detalhada a casos de sobrevivência, a vítimas mortais encontradas e a problemas nas comunicações.

Os pontos em causa no relatório analisam várias situações, entre as quais casos de sobrevivência por as pessoas terem permanecido em casa ou em tanques de água, alguns feridos que foram socorridos, as pessoas que foram encontradas já sem vida, mas salvaguardam a identidade dos envolvidos, bem como alguns dos locais onde ocorreram as situações.

Dias antes do anúncio do veto pela CNPD, Xavier Viegas já tinha defendido que o relatório entregue ao Governo fosse divulgado na totalidade.

Em 17 de junho e durante vários dias, fogos florestais devastaram extensas áreas, sobretudo em Pedrógão Grande, provocando 64 vítimas mortais e mais de 200 feridos, além de elevados prejuízos materiais.

// Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Qual e o problema de ocultar o nome das familias?! Acho bem!

    Na minha opiniao so querem o nome das familiar para “vender sangue”.

  2. Este tipo quer obviamente obter dividendos públicos do relatório que ajudou a fazer!
    Como se costuma dizer, “quer aparecer”… Esta publicidade gratuita dá-lhe uma pseudo-notoriedade!
    Mais um triste, coitado!

  3. E ainda dizem que a censura não existe… depois vêm com a noticia das cheias de 1967 essas sim uma catástrofe natural,e falam da censura da época, para disfarçar as asneiras feitas nos tristes incêndios de 2017 que de catástrofe natural nada têm. Pois foram colocados pela mão do homem, e ainda não querem que se saiba … isto sim é Censura

RESPONDER

Estados Unidos filtram imigrantes que possam ser um "fardo" para o país

Os imigrantes que optem por residir permanentemente nos EUA, mas que o Governo considere que são um encargo para as finanças públicas, podem ver negado o seu visto, de acordo com uma lei que entra …

"A solução única é apoiar a minha candidatura". CDS e Chega reúnem-se para falar sobre as presidenciais

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, vai reunir-se na quinta-feira com o deputado e líder do Chega, André Ventura, na Assembleia da República. A reunião "de cortesia" foi pedida pelo CDS, para "apresentação de …

Gordura à volta dos vasos sanguíneos pode ajudar a mantê-los saudáveis

A gordura encontrada à volta das artérias pode ajudar a manter os vasos sanguíneos saudáveis, ajudando a reduzir a tensão deles quando esticam. A gordura à volta das artérias, conhecida como tecido adiposo perivascular, pode …

Sporting disposto a pagar 5 milhões ao Sp. Braga por Rúben Amorim

O Sporting estará decidido a "roubar" o treinador Rúben Amorim ao Sporting de Braga. E para isso poderá pagar cinco milhões de euros, incluindo jogadores nas negociações, segundo a CMTV. O percurso vitorioso do Sp. Braga …

Rui Pinto apresenta queixa contra Portugal na União Europeia

A defesa de Rui Pinto, criador do Football Leaks, anunciou esta segunda-feira que vai apresentar uma queixa contra Portugal na União Europeia, alegando que as regras europeias de extradição do seu constituinte não foram respeitadas. “Houve …

Português infetado com coronavírus no Japão já foi transferido para o hospital

O português infetado com o coronavírus Covid-19 num navio de cruzeiros no Japão foi esta terça-feira transferido para um hospital na cidade de Okazaki. A mulher de Adriano Maranhão afirmou à agência Lusa que tinha acabado …

Cientistas descobrem novo estado eletrónico da matéria

Uma equipa de cientistas norte-americanos observou um novo estado da matéria, que mostra que os eletrões podem unir-se de maneira semelhante à forma como os quarks se combinam para formar neutrões e protões. Normalmente, os eletrões …

"Célula de combustível reversa" converte resíduos de carbono em produtos valiosos

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Toronto, no Canadá, anunciou o desenvolvimento de um eletrolisador capaz de produzir produtos químicos valiosos a partir de CO2 e eletricidade limpa com uma velocidade 10 vezes superior …

Descobertas da missão Juno alimentam mistério da água em Júpiter

A missão Juno da NASA forneceu os seus primeiros resultados científicos sobre a quantidade de água na atmosfera de Júpiter. Publicados recentemente na revista científica especializada Nature Astronomy, os resultados da Juno estimam que, no …

Os humanos podem descender de marcianos antigos, diz Bill Nye

Bill Nye defendeu recentemente que é importante continuar a financiar a agência espacial norte-americana, especialmente se as missões levadas a cabo pela NASA no futuro ajudarem a responder a uma questão há anos tira o …