Aliados desiludidos com Puigdemont. Rajoy pede que clarifique declaração da independência

Alberto Estevez / EPA

O Presidente do governo catalão, Carles Puigdemont

Esta terça-feira, Espanha parou para ouvir Carles Puigdemont. O presidente do Governo catalão proclamou a independência da Catalunha mas, logo de seguida, propôs a suspensão dos seus efeitos para procurar o diálogo com Madrid.

Depois um longo discurso de quase uma hora, Carles Puigdemont acabou por fazer um apelo à sensatez, ao sentido de responsabilidade e à pacificação, e propôs a suspensão dos efeitos do referendo “para procurar o diálogo com Madrid”.

Uma decisão que não caiu bem aos seus aliados, vista pela Candidatura de Unidade Popular (CUP) como uma “oportunidade perdida” e anunciando que dá um prazo de um mês para que o presidente do Governo catalão avance com a independência.

“A confiança no governo foi afetada e queremos que se estabeleça uma data limite para dar suporte legal à declaração de independência. Para que tenha validade jurídica deve confirmar-se em sede parlamentar”, disse o partido, citado pelo Público.

“Uma hora antes do início da sessão parlamentar trocaram todos os guiões. Nós não subscrevemos a suspensão da declaração de independência”, acrescentou Quim Arrufat, dirigente da CUP.

Nas redes sociais, a juventude da CUP (Arran) foi ainda mais longe. “Devíamos ter proclamado a independência. O mandato popular do 1 de outubro era claro e continua a ser. (…) Estamos a testemunhar uma traição inadmissível“, escreveu no Twitter.

Rajoy pede clarificação da declaração de independência

Esta manhã, o Governo espanhol realizou uma reunião extraordinária para analisar o anúncio de Puigdemont e para decidir “os próximos passos” a tomar.

“O Conselho de Ministros concordou esta manhã pedir formalmente à Generalitat para que clarifique se declarou a independência da Catalunha”, afirmou Mariano Rajoy em resposta ao que o presidente do governo catalão proclamou, citado pelo Público.

“A resposta do presidente da Generalitat irá definir as decisões que o Governo adotará nos próximos dias”, acrescentou o chefe do Governo espanhol. No entanto, Rajoy assumiu que poderá acionar o artigo 155 da Constituição espanhola, se Puigdemont assumir que proclamou unilateralmente a independência.

Este artigo, considerado uma autêntica “bomba atómica”, nunca usado desde que foi escrito e aprovado em 1978, permite a suspensão de uma autonomia e dá ao governo central poderes para adotar “as medidas necessárias” para repor a legalidade.

Mas Rajoy espera que isso não aconteça. “Se Puigdemont respeitar a legalidade isso poria fim a um período de ilegitimidade e incerteza. É o que esperamos todos para pôr fim à situação que a Catalunha está a viver”, acrescentou.

Desde a noite do referendo de 1 de outubro, o presidente regional da Catalunha tem insistido numa mediação internacional entre o governo regional e o governo central. Para já, a Suíça foi o único país a oferecer-se para ajudar nesse processo.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Ora bem… então isto da declaração de independência é como… deixe-me cá ver a melhor maneira de lhe explicar isto… é do género estamos casados mas quero o divórcio e enquanto isto não se resolve legalmente ficamos os dois a viver na mesma casa. É mais ou menos isto caro Rajoy.

RESPONDER

Em São Miguel, os restaurantes de concelhos em nível de alto risco fecham as portas a partir de amanhã

Todos os estabelecimentos de restauração, bebidas e similares nos concelhos do Nordeste e Vila Franca do Campo, em São Miguel, nos Açores, vão encerrar a partir de terça-feira, funcionando apenas em regime de take-away ou …

O Brasil está a construir uma nova estátua gigante de Cristo. Vai ser mais alta que a do Rio de Janeiro

Uma nova estátua gigante do Cristo que está a ser construída no sul do Brasil será ainda mais alta do que a icónica estátua do Cristo Redentor com vista para o Rio de Janeiro. Cabeça e …

Costa anuncia 252 milhões de euros de investimento na investigação e economia do mar

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vai ter uma verba de 252 milhões de euros autonomizada para financiar investimentos na investigação, na economia do mar e na segurança pesqueira. Além …

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …