Taxas moderadoras na Saúde acabam até 2023

Carlos Barroso / Lusa

A proposta para o Orçamento de Estado para 2020 que o Governo socialista vai entregar na próxima segunda-feira vai avançar com o calendário para o fim das taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e das prestações de saúde que tenham tido origem no Serviço Nacional de Saúde (SNS).  

A notícia é avançada pelo Observador, que ouviu os partidos que estão em negociação com o Governo, depois de António Costa ter dito no debate quinzenal de terça-feira que pretendia começar a fazer cumprir a lei de bases da saúde nesta matéria já no Orçamento de Estado para 2020.

Segundo a lei de bases, “deve ser dispensada a cobrança de taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e, se a origem da referenciação for o SNS, nas demais prestações de saúde, nos termos a definir por lei”.

A ideia é que isto seja feito de forma gradual e até ao final da legislatura, de acordo com as fontes ouvidas pelo Observador.

A isenção deste pagamento custa, nas contas do Governo, 150 milhões de euros por ano e será feita de forma faseada estando ainda for conhecer a fórmula que constará na proposta de Orçamento do Estado do Governo.

O Bloco de Esquerda e o PCP defendem o fim imediato das taxas moderadoras mas, em junho passado, uma fonte do Executivo disse que “não há dinheiro para isso”.

O faseamento fez com que a líder do Bloco de Esquerda viesse acusar o Governo de ter recuado. Catarina Martins insistiu no fim imediato, dizendo que esta foi uma medida “acordada no âmbito da conversação sobre a lei de bases da saúde e foi votada na especialidade por uma maioria muito ampla”.

O Executivo apresentou esta quarta-feira um plano de investimento na saúde, que vai significar um reforço neste sector, já neste Orçamento, no valor de 800 milhões de euros. O investimento será alocado, segundo explicou a ministra da Saúde, Marta Temido, em “consultas, internamentos, cirurgias, cuidados de saúde primários e aconselhamento para a promoção da saúde”.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. Em vez de resolver os graves problemas com que se debate o SNS, este governo resolve resolver um não-problema… A população mais carenciada já está isenta de taxas moderadoras. Esta medida — tal como a descida das propinas — só beneficia quem não precisa realmente de ajuda! E prejudica o orçamento de Estado que, assim, vai ter que ir buscar o dinheiro em falta a outro lado. E o contribuinte bem sabe que lado é esse!…

    • nem mais.

      acrescento que a par do populismo idiota de passar para 35h semanais esta é mais uma medida para ajudar a dar cabo do SNS.

      com estas duas “brilhantes” medidas são mais uns largos milhões que os que já tudo pagam terão de se amanhar…

      paga tuga trabalhador!

    • E ainda tem outro problema. Pode sobrecarregar o SNS com idas desnecessárias. Enfim, só tolices. O problema do SNS resolve-se com a formação de mais médicos. E isto todos sabem mas ninguém resolve.

    • È mesmo. Muita gente está isenta. Porquê acabar com as taxas moderadoras, para quem tem rendimento que pode pagar. Mas não é o PS. Veja-se as exigências do BE e do PCP.

  2. Isto é uma contradição TOTAL. O SNS está pela hora da morte, Não há dinheiro para NADA e querem acabar c/ as taxas moderadoras?? O que é que estes desgovernantes pretendem?? Colapsar de vez o SNS certamente. O que é que esta gentalha que está no governo a fazer?? Povo acorda o quanto antes senão não haverá salvação possível… Nenhum politico é bom a governar são todos um bando de corruptos e ladrões, mas estes do PS só fazem M—- quando estão no poleiro.

  3. Não sei se estão recordados da justificativa para se implantar as “taxas moderadoras”, era para moderar o acesso ao SNS daqueles que não necessitavam realmente desse serviço. Na prática estas taxas têm servido para financiar parte do SNS, aliviando assim o erário público. Se moderar o acesso indevido aos médicos fazia algum sentido, a aplicação actual das taxas moderadoras, globalmente, já não é bem assim, moderar uma consulta de urgência, um serviço de enfermagem para tomar uma injecção, etc., não devia caber no contexto de “moderar”.
    Também a constituição diz que a saúde é um bem de todos e que deve tendencialmente ser gratuito.
    As taxas moderadoras foram um erro desde o início, aceites por todos os políticos na altura, deveriam haver outras soluções para o problema.
    Mas passar uma legislatura inteira para abolir o que está mal também não me parece correcto, parece mais uma campanha política antecipada.

  4. É o PS, sim senhor, agarra-se a tudo para comandar o Governo, mesmo ao ditador P.C.P.
    Enfim, desta vez só não se coligou com o 2º. Partido mais votado. Do mal o menos, dirão alguns, antes fizeram-se governo mesmo sem ganharem eleições, só para terem o seu Presidente como primeiro-ministro. Grande Beisocas. Viva !!!!
    Quanto ao maís, o Povo trabalhador e capaz de pagar ninharias, cá estará para cobrir os défices, quanto mais não seja à custa da não comparticipação de mais uns não sei quantos Medicamentos. Enfim, habilidades….

RESPONDER

Caso prazo das moratórias não seja alargado "terão de ser criadas outras medidas extraordinárias"

Caso as "as moratórias dos créditos não forem prolongadas, ou o Governo ou a Assembleia da República terão de criar outras medidas extraordinárias para as apoiar", disse a coordenadora do Gabinete de Proteção Financeira (GPF) …

Santuário de Fátima retoma no sábado celebrações com presença de peregrinos

O Santuário de Fátima vai retomar as celebrações com a presença de peregrinos a partir de sábado, garantindo as condições de segurança para o maior número de pessoas. O Santuário de Fátima, no concelho de Ourém, …

Ex-ministro da Saúde da Bolívia em prisão preventiva por suspeitas de corrupção

O ex-ministro da Saúde da Bolívia foi detido, na semana passada, por suspeita de corrupção na compra de ventiladores. O ex-ministro da Saúde da Bolívia, detido na última semana por suspeita de corrupção na compra a …

OMS considera cada vez mais improvável segunda grande vaga

A diretora do departamento de Saúde Pública da Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou hoje que é "cada vez mais" improvável uma segunda grande vaga do novo coronavírus, mas aconselhou muita prudência. Em entrevista à rádio …

Açores reabrem creches e jardins de infância. Aulas de 11.º e 12.º também em São Miguel

As respostas sociais, encerradas devido à pandemia, reabrem esta segunda-feira no Pico, Faial, Terceira e São Jorge, e na ilha de São Miguel são retomadas as aulas dos 11.º e 12.º anos para alunos inscritos …

"Há muita gente a passar fome" no sector das Artes (alguns artistas receberam 50 euros de apoio)

Não vai haver condições para abrir muitas salas de espectáculos a 1 de Junho, como está permitido, alerta-se no sector das Artes, onde há "há muita gente a passar fome". Alguns artistas só conseguiram receber …

Cancelamento de consultas leva a quebra de vacinação contra a pneumonia

O cancelamento ou adiamento de milhares de consultas levou a uma quebra na vacinação contra a pneumonia. É preciso "voltar a dar confiança às pessoas para que regressem aos estabelecimentos de saúde", apela o Mova. De …

Há 11.636 casos activos de covid-19 em Portugal (e duas crianças nos Cuidados Intensivos)

Portugal regista esta segunda-feira 1.330 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 30.788 infectados, mais 165, segundo o boletim da Direcção-Geral da Saúde (DGS). Há duas crianças internadas nos Cuidados …

"O que se passa com enfermeiros e lay-off é uma vergonha." Marques Mendes também fala dos "4 contratos" do Novo Banco

António Costa e Rui Rio "não têm a coragem de dizer a verdade" no âmbito da polémica do Novo Banco, critica o comentador Luís Marques Mendes, considerando que ambos procuram sacudir água do pacote. Na …

"Nenhuma era apenas um número". NYT dedica toda a primeira página a mil vítimas da pandemia

Mil nomes de pessoas numa primeira página. O jornal norte-americano The New York Times dedicou a primeira página da edição deste domingo a mil vítimas mortais da pandemia de covid-19, para assinalar a iminente passagem …