/

Satélite da NASA pode ter captado avião do voo MH370 perdido no oceano

francescoprocida / Flickr

Avião Boeing 777 da Malaysia Airlines

Após cinco anos do acidente envolvendo o Boing 777 da Malaysia Airlines, que desapareceu com 239 pessoas a bordo durante a rota de Kuala Lumpur a Pequim, o mistério ainda permanece sem solução.

Embora o governo malaio tenha interrompido as buscas pela aeronave do voo MH370, que desapareceu dos radares no dia 8 de março de 2014, entusiastas continuam à procura de pistas, com recurso a tudo à disposição.

O vídeo sobre a alegada descoberta, com a compilação das imagens, foi publicado no YouTube pelo utilizador Darren Bailey. O utilizador alega ter usado dados de satélite da NASA, fornecidos pelo Zoom Earth — um site que permite capturar atualizadas imagens via satélite da Terra.

Por incrível que pareça, as fotos coincidem com o dia do misterioso desaparecimento do avião, que levava 239 pessoas a bordo, perto da costa da ilha vietnamita de Tho Chu, no sul do país.

Nas imagens, é possível ver um objeto em forma de avião, que também poderia ser uma nuvem, na área do oceano Índico, a oeste da Malásia e da Indonésia. As coordenadas do possível avistamento do MH370 são 3’00.549’S e 86’21.943’E.

Em 2015, um fragmento da asa do avião foi descoberto a leste de Madagáscar, na ilha francesa de Reunião, e confirmado como proveniente do Boeing 777.

Enquanto que, em julho de 2018, investigadores malaios emitiram um longo relatório, dizendo que o Boeing terá sido provavelmente desviado da rota de propósito, mas não conseguiram encontrar o responsável.

Em maio do ano passado, o programa australiano 60 minutos reuniu um painel de especialistas que acredita ter desfeito o mistério do desaparecimento do Boeing 777 da Malaysia Airlines.

Os especialistas revelaram que a tese mais plausível seria a de que o piloto do voo MH370, Zaharie Ahmad Shah, de 53 anos terá sido o responsável pelo desaparecimento da aeronave que culminou na morte de todas as 238 pessoas que seguiam viagem ali, num ato “planeado, deliberado”.

A teoria a que estes especialistas chegaram agora aponta então para o suicídio do piloto, antecedido por um ato premeditado de homicídio em massa. Para isso, Zaharie terá provocado a despressurização da cabine, deixando todos os ocupantes inconscientes, à exceção do próprio piloto que usaria uma máscara de oxigénio. De acordo com a teoria, o piloto desligou o sistema de comunicação deliberadamente.

Buscas subaquáticas e de superfícies na parte sul do oceano Índico foram realizadas durante três anos pela Malásia, China e Austrália. Foram gastos mais de 125 milhões de euros.

  ZAP // Sputnik News

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.