“Não está na hora de pôr cascas de banana”. Rio afasta crise política, mas quer Marcelo mais exigente com o Governo

ppdpsd / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

Rui Rio, líder do maior partido da oposição, não vai forçar uma crise política, mas admite que está mais exigente com o Governo.

Esta segunda-feira, em entrevista à TVI, o presidente do PSD admitiu que “o pior que podia acontecer” ao país, neste momento, era somar uma crise política a uma crise sanitária.

Nesse sentido, e apesar de garantir que está a fazer oposição a António Costa, Rui Rio afirmou que “não está na hora de tentar pôr cascas de banana ao Governo para ver se a coisa corre mal para eu ganhar votos com isso”.

Na entrevista, Rio lamentou as críticas de que o PSD tem sido alvo por parte do Governo, falando em “ingratidão” e “tática política errada”. “Por mais que eu entenda que o PS é ingrato, e se porta mal, e que eu faria diferente se lá estivesse, há uma coisa acima, que é o interesse nacional”, disse, rejeitando “criar um caos ainda maior”.

Ainda assim, admitiu que agora tem de ter “sentido crítico” e pode “exigir que o Governo faça melhor”, uma vez que agora “os erros são maiores“.

As críticas mais duras do social-democrata ficaram reservadas para o planeamento da segunda e terceira vagas da pandemia, tendo criticado a “bagunça” em torno da vacinação.

No que toca aos casos de vacinação de pessoas não prioritárias, muito vezes justificados pelos intervenientes com a sobra de doses, Rui Rio questionou: “mas sobram como?“. “Os que recebem 50, mas afinal eram 40, descongelam aquelas 10 para quê se não têm as pessoas para dar? Não compreendo.”

Quanto à vacinação dos deputados, criticou que o critério escolhido tenha sido o protocolo do Estado, segundo o qual Rio seria o segundo parlamentar a ser vacinado, e afirmou que aceitará ser prioritário caso haja “uma revisão dos critérios” que priorize “só aqueles que se consideram vitais para o funcionamento da Assembleia da República”.

Sobre o caso da nomeação do procurador europeu, José Guerra, defendeu que seria motivo mais do que suficiente para o primeiro-ministro ter demitido Francisca Van Dunem.

Em relação a Marcelo Rebelo de Sousa, reeleito há uma semana, Rui Rio disse que não considera que o Presidente da República deu a mão ao Governo num quadro de crise de saúde pública e económica. No entanto, apelou a que, no segundo mandato, seja “mais crítico e mais exigente” com a atuação do Executivo de António Costa.

“Gostava de ver o Presidente da República no seu segundo mandato um pouco mais crítico e mais exigente com o Governo”, frisou. “Quando há esta falta de planeamento, este ziguezaguear do Governo, o Presidente tem de vir a terreiro. Tem de ser mais exigente com o Governo e ajudar o país.”

“Clichés” e “bazófias” de André Ventura

Questionado por Miguel Sousa Tavares sobre a intervenção de André Ventura na noite das presidenciais – que disse que sem o Chega não voltaria a haver um Governo de direita em Portugal – o líder social-democrata respondeu com um sorriso e desvalorizou o adversário.

“Enquanto for assim com essas bazófias nós, os portugueses, estamos bem com a extrema-direita”, disse.

Rui Rio usou exemplos dos partidos de extrema-direita consolidados em Espanha (Vox), França (Rassemblement National) ou Alemanha (AfD) para sublinhar que, na Europa, estes partidos “não andam com clichés” nem com a “bazófia” de André Ventura. Em vez disso, “têm pensamento estruturado”.

“O Chega não tem um pensamento estruturado, nem de longe, nem de perto. É uma federação de descontentes. Ninguém consegue ser um partido forte quando é pela negativa. A partir de agora ou se firma como um partido pela positiva, com ideias e recursos humanos, ou vai esvaziar”, defendeu.

Sobre eventuais acordos com o partido de Ventura, Rio sublinhou que “se alguma coisa nos for pedido que vá ferir os nossos princípios a resposta é ‘não'”.

  Liliana Malainho, ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Novo ano letivo marcado pelo recorde de pedidos de bolsas de estudo no superior

Número crescente de alunos e perda de rendimentos das famílias são duas das razões apontadas para os pedidos recorde. O ano letivo 2021/22 ainda agora arrancou, mas já está a bater recordes no que respeita aos …

Urgências em Lisboa estão cheias. Situação pode piorar nas próximas semanas

As urgências do Hospital de Santa Maria, em Lisboa, e do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, estão em situação crítica, com tempos de espera elevados. A situação de calamidade multiplica-se em vários hospitais do país, de …

Portugal já tem 86% da população totalmente vacinada contra a covid-19

A vacinação completa contra a covid-19 abrange já 86% da população portuguesa e são já mais de nove milhões de pessoas as que têm pelo menos uma dose da vacina, de acordo com os dados …

Direção do CDS desautoriza Telmo Correia e defende eleições "o mais brevemente possível"

A direção do CDS-PP não gostou de ouvir o líder parlamentar dizer que a melhor altura para realizar eleições legislativas seria no final de janeiro ou fevereiro. Depois de uma reunião com o presidente da Assembleia …

Órban e Le Pen apoiam a Polónia e criticam "imperialismo" da UE

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Órban, e a líder da União Nacional (RN, na sigla em francês), Marine Le Pen, manifestaram esta terça-feira apoio à Polónia no conflito que mantém com a UE, a qual acusam …

Após goleada frente ao Bodø/Glimt, Mourinho põe de lado quatro jogadores

Em duas convocatórias consecutivas, José Mourinho deixou de fora quatro futebolistas que participaram na derrota por 6-1 frente ao Bodø/Glimt. Naquela que foi a maior derrota de sempre da carreira de José Mourinho, o Tottenham perdeu …

O que cai e o que fica: as medidas que o chumbo do OE deita por terra e as que permanecem

O grosso das medidas previstas na proposta de Orçamento do Estado para 2022 não deverá sair do papel. As aprovadas em Conselho de Ministros, por sua vez, manter-se-ão viáveis, já foram discutidas fora da sede …

Truque permite que o Orçamento não seja votado esta quarta-feira

Há um mecanismo que, se for acionado, permite que o Orçamento do Estado para 2022 sobreviva mesmo que não seja votado. O Orçamento do Estado para 2022 pode baixar à comissão sem votação. Este mecanismo, nunca …

Conceição reconhece supremacia do Santa Clara e admite culpa na derrota

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, reconheceu que o Santa Clara foi superior e diz-se culpado pela derrota pesada que deixa o clube fora da Taça da Liga. O FC Porto está fora da Taça …

"Vechtpartij", quadro de Jan Steen.

Antigos jogos de bebida acabavam em vinho derramado e esfaqueamentos

Hoje vistos como jogos de diversão para jovens, na antiguidade, os drinking games (jogos de bebida) eram comuns em toda a sociedade — e, por vezes, terminavam mal. O kottabos era um antigo jogo de bebida …