Primeira muçulmana em governo britânico demite-se contra apoio a Israel

ukhomeoffice / Flickr

Sayeeda Warsi

Sayeeda Warsi

A primeira muçulmana a integrar um governo no Reino Unido Sayeeda Warsi anunciou esta terça-feira a sua demissão por não poder continuar “a apoiar a política do governo [britânico] sobre Gaza”.

“Foi com profundo pesar que escrevi esta manhã ao primeiro-ministro [David Cameron] para lhe apresentar a minha demissão. Não posso continuar a apoiar a política deste governo sobre Gaza”, escreveu Sayeeda Warsi, atual secretária de Estado do ministério dos Negócios Estrangeiros, na sua conta no Twitter.

Desde o início da operação israelita em Gaza, a 8 de julho, Londres defendeu o direito de Israel a defender-se, apesar de pedir uma “resposta proporcional”.

Warsi é uma política de origem paquistanesa, nomeada em setembro de 2012 secretária de Estado no ministério dos Negócios Estrangeiros e secretária de Estado para credos e comunidades.

A secretária de Estado era responsável por questões relacionadas com o Afeganistão, Paquistão, Banglades e Ásia central, Direitos Humanos, ONU, organizações internacionais e Tribunal Penal Internacional, de acordo com o site do governo britânico.

Warsi foi também encarregada de todas as questões relativas ao ministério dos Negócios Estrangeiros na Câmara dos Lordes, câmara alta do Parlamento britânico.

Antiga presidente do Partido Conservador e secretária de Estado sem pasta, Warsi é uma senadora conservadora, com assento na Câmara dos Lordes.

Retirada israelita

Na segunda-feira, o primeiro-ministro britânico considerou que as Nações Unidas tinham razão na condenação do ataque que matou dez palestinianos numa escola da ONU em Gaza.

Muito prudente neste tema, David Cameron não quis falar em violação do direito internacional. A oposição trabalhista tem criticado, nos últimos dias, o executivo conservador por não adotar uma posição mais dura relativamente a Israel.

Hoje, às 8h locais (6h em Lisboa), um cessar-fogo de 72 horas, aceite por Israel e pelo movimento radical palestiniano Hamas, entrou em vigor na Faixa de Gaza, com a retirada do exército israelita do enclave depois de cerca de um mês de uma guerra devastadora.

Ao todo, mais de 1.850 palestinianos morreram durante a operação “Margem Protetora“, de resposta ao disparo de foguetes palestinianos contra o território israelita. A 17 de julho, além dos ataques aéreos contra Gaza, o exército de Israel deu início a uma operação terrestre para destruir túneis, construídos pelo Hamas e usados para ataques em zonas fronteiriças.

Do lado israelita, 64 soldados e três civis morreram nos confrontos.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tribunal aceita afastamento de juiz Paulo Registo do caso Football Leaks

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) aceitou o pedido de escusa apresentado pelo juiz Paulo Registo, a quem foi distribuído o processo de Rui Pinto, criador do Football Leaks. Segundo o acórdão do TRL, a …

Governador do Rio de Janeiro acusado de fraude com hospitais de campanha

O Ministério Público brasileiro indicou ter reunido provas de que o governador do Rio de Janeiro comandou uma organização que defraudou a construção de hospitais de campanha, no âmbito do combate à covid-19. De acordo com …

Centeno já cativou mais de 1025 milhões de euros no Orçamento de 2020

As cativações no Orçamento do Estado (OE) para 2020 ascendem a 1025,5 milhões de euros, revelou o boletim da Direção-Geral do Orçamento relativo a abril, montante inferior ao do OE 2019. Segundo avançou o Expresso esta …

Supremo Tribunal anula presidência parlamentar de Juan Guaidó

Esta terça-feira, o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela reconheceu como presidente do parlamento Luís Parra, um dissidente da oposição. O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) declarou nula a junta de direção da Assembleia …

Há 285 novos casos de covid-19. São quase todos na Grande Lisboa

A região de Lisboa continua a registar o maior número de novos casos de covid-19 registados no país. A Direcção Geral de Saúde (DGS) anuncia hoje 31.292 infectados com o coronavírus, mais 285 do que …

Com bens arrestados e a filha a pagar contas, é quase impossível cobrar multa de 3,7 milhões a Ricardo Salgado

O Tribunal Constitucional confirmou a multa de 3,7 milhões de euros que foi aplicada pelo Banco de Portugal ao banqueiro Ricardo Salgado, mas é quase impossível cobrar esse valor. O ex-presidente do BES tem os …

França suspende tratamentos com hidroxicloroquina

O Governo francês decidiu esta quarta-feira suspender os tratamentos à base de hidroxicloroquina para pacientes infetados com a covid-19. O Executivo revogou o decreto de 11 de maio que autorizava a prescrição e a administração …

Decisão unânime. Deputados vão pedir para ver contrato de venda do Novo Banco (e para ouvir Carlos Costa)

Os deputados da comissão de orçamento e Finanças aprovaram esta quarta-feira por unanimidade o requerimento do Bloco de Esquerda para que seja entregue ao parlamento o contrato de venda do Novo Banco ao Lone Star. Segundo …

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de Bruxelas. 15,5 mil milhões a fundo perdido

Portugal poderá receber 26,3 mil milhões de euros em subvenções e empréstimos no âmbito do Fundo de Recuperação da União Europeia (UE), após a crise da covid-19, que ascende a um total de 750 mil …

"Taxa covid" cobrada por clínicas e hospitais privados não é ilegal (e pode alastrar ao comércio)

Aumentaram, nos últimos dias, as queixas à DECO, a Associação de Defesa do Consumidor, relacionadas com o pagamento de taxas adicionais no acesso a hospitais e clínicas privadas. Taxas que se destinam a pagar os …