Plano Outono-Inverno prevê hospitais covid free, testes rápidos e task-force para doentes não-covid

Caroline Blumberg / EPA

O Plano de Outono-Inverno do Ministério da Saúde foi divulgado esta segunda-feira. O documento será revisto a cada dois meses.

O Plano da Saúde para o Outono-Inverno, divulgado esta segunda-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS), revela que já está em curso a elaboração de mapas de risco epidemiológico, de forma a garantir a “adequação e proporcionalidade das medidas ao risco real de cada região ou local” e a “rápida implementação” de medidas de saúde pública correspondentes a cada nível de risco.

De acordo com o Expresso, o documento assenta em três pilares: a resposta ao risco sazonal incluindo a covid-19; a garantia da resposta de cuidados de saúde não-covid; e um conjunto de medidas específicas em termos de comunicação e literacia.

Na resposta ao risco sazonal – que junta a gripe à covid-19 -, o plano prevê o reforço da resposta em saúde pública, especialmente em situações de surtos e o planeamento da vacinação contra a gripe e contra a covid-19, “logo que a vacina esteja disponível”.

A campanha de vacinação contra a gripe sazonal vai ser antecipada para o final de setembro e deverá chegar a mais gente. É o caso das grávidas, que se juntam aos residentes e funcionários dos lares e profissionais do Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Além disso, prevê-se a adaptação da estratégia nacional de testes laboratoriais para o SARS-CoV-2 face à epidemia de gripe e um reforço de stocks e reserva estratégica de medicamentos, dispositivos médicos, equipamentos de proteção individual e testes laboratoriais. Uma das grandes apostas reside em “consolidar o plano de intervenção em estruturas residenciais para idosos”.

A Direção-Geral de Saúde está também a rever a definição de caso suspeito e os critérios de alta e fim de isolamento, uma vez que a gestão de casos suspeitos de covid-19 “implica a gestão a montante de todos os casos suspeitos de infeção respiratória aguda, cujo diagnóstico diferencial inclui, entre outros, a infeção por SARS-CoV-2, por vírus da gripe e por vírus sincicial respiratório”.

O uso de máscara continua a ser obrigatório para pessoas com mais de 10 anos “em espaços públicos fechados”, mas é recomendado o seu uso “em qualquer espaço aberto ou fechado sempre que não esteja garantido o distanciamento físico mínimo de dois metros”.

Em nome da sustentabilidade ambiental e para evitar a escassez de máscaras cirúrgicas nas unidades prestadoras de cuidados de saúde, o plano incentiva o uso de máscaras comunitárias certificadas.

Doentes não-covid

O plano prevê a criação de uma task-force, constituída por elementos de cada Administração Regional de Saúde e que funcionará na dependência do Ministério da Saúde, que se baseia numa “aposta na resposta maximizada nos cuidados de saúde primários, com atendimento presencial, não-presencial e domiciliário, bem como nas respostas de proximidade, incluindo dispensa de medicamentos”.

A estrutura irá definir “critérios de seleção dos utentes cujo seguimento possa ser assegurado, pelo menos parcialmente, por teleconsulta e telemonitorização“.

Além disso, o documento prevê a definição de unidades hospitalares “covid-19 free”, para evitar “a degradação do acesso em situações de crescimento epidémico significativo” e para continuar a expansão da hospitalização domiciliária.

Há também uma mudança na organização dos hospitais, dado que as Áreas Dedicadas à Covid-19 vão ser convertidas em Áreas Dedicadas aos Doentes Respiratórios, recebendo não só doentes de covid-19 como utentes com outras doenças do foro respiratório.

O documento prevê também a utilização de testes rápidos, com resultados em menos de 60 minutos e outros com resultados disponíveis em 24 horas, um complemento aos testes de maior validade científica para garantir uma abordagem mais célere a um caso suspeito.

Plano chega tarde e falha na “gestão operacional”

Alexandre Lourenço, presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares, considera que o documento “deveria ter sido apresentado em junho” e que o final de setembro “é um momento de decisão e implementação”.

Apesar de ser “interessante” e de merecer uma nota positiva quanto à criação da rede covid e não covid e aos de mapas de risco epidemiológico, “falta gestão operacional“.

“Não diz quais os recursos que vão ser afetos e quais as áreas que vão ficar dedicadas à covid, a partir de que níveis será accionada as unidades free covid ou quantas camas terão”, reagiu, em declarações ao Público.

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, também ambicionava um plano “mais objetivo”. “Não diz que hospitais vão ser covid free, se é possível fazê-lo só com o SNS ou se haverá apoio do setor social e privado. Que plano excecional vai ter para a recuperação de doentes?”

O responsável aplaude, contudo, a medida que prevê hospitais de retaguarda, sobretudo nas áreas metropolitanas, e admite que os testes rápidos “são muito importantes para quebrar cadeias de transmissão”.

Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, dá nota positiva à revisão do plano a cada dois meses, mas considera que o documento podia ter sido apresentado há mais tempo. Da mesma forma, Diogo Urjais, da Associação Nacional de Unidades de Saúde Familiar, refere a necessidade desta atualização.

LM, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. quase em outubro e ainda se fala em fazer equipas de trabalho para fazer isto e aquilo, para delinear e pensar…
    tristeza!
    Muito profissional este plano. Deve ter sido pedido a algum amigo da familia Governo!

  2. nos outros anos temos n notícias sobre o caos nas urgências por causa da gripe.

    este ano mortes por outras causas que não o papão covid194 já são o triplo deste (6mil para as outras, menos de 2000 para o papão).

    até ao final do ano e com o caos que se espera e que há muito deveria ter sido resolvido, muitos anos antes do papão covid1984, o excesso de mortalidade deve disparar.

    claro está que responsáveis por esta desorganização nunca os haverá, é o habitual.

RESPONDER

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …

Novo estudo diz que Remdesivir não tem "impacto significativo" nos doentes com covid-19

Ao contrário do que se pensava, o medicamento antiviral remdesivir não reduz as mortes entre os pacientes com covid-19, sobretudo quando comparado com o tratamento padrão, de acordo com os resultados de um estudo internacional. Em …