País Basco em confinamento, Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos e França “perdeu o controlo”

Brais Lorenzo / EPA

Numa altura em que a Europa volta a ser epicentro da pandemia de covid-19, o País Basco decretou o confinamento da população e França considera impor a mesma medida. Com falta de camas, Bélgica pediu aos Países Baixos para receberem os seus doentes.

O Governo regional do País Basco decidiu confinar esta comunidade autónoma espanhola, assim como todos os seus municípios, a partir das 6h de terça-feira para lutar contra o aumento de casos de covid-19.

Os habitantes da região só podem sair das localidades em que residem por razões autorizadas, como ir trabalhar ou ao médico, estudar ou prestar assistência a familiares que necessitem de cuidados.

O responsável pelo pelouro da saúde do executivo regional, Gotzone Sagardui, anunciou esta segunda-feira as novas restrições, depois da declaração no domingo do estado de emergência em todo país, o que permite tomar este tipo de medidas sem a autorização da justiça.

O País Basco entrou esta segunda-feira numa zona perigosa no que diz respeito à transmissão da covid-19, após ter ultrapassado o nível de incidência acumulada 500 casos diagnosticados por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias.

O Governo regional também decretou o recolher obrigatório entre as 23h e as 6h, o mesmo período que tinha sido indicado pelo executivo central espanhol, e foram ainda proibidas as reuniões de mais de seis pessoas.

O País Basco teve até agora 60.511 casos de covid-19 num total de 1.098.320 em todo o país, enquanto o número de mortes foi de 2.039 para um total de 35.031. Esta região espanhola tem cerca de 2,2 milhões de habitantes num total de cerca de 47 milhões em toda a Espanha.

Especialista alerta que França “perdeu o controlo”

Médicos franceses alertaram esta segunda-feira que o seu país “perdeu o controlo da epidemia” de covid-19, um dia depois de as autoridades de saúde terem relatado 52 mil novos casos, enquanto as nações europeias aumentam restrições para reduzir contágios.

Jean-François Delfraissy, presidente do conselho científico que assessora o governo francês sobre o vírus, disse que o país está numa “situação muito difícil, crítica até”.

“Provavelmente existem mais de 50 mil novos casos todos os dias. A nossa estimativa no conselho científico é de cerca de 100 mil. Entre os que não são testados e os assintomáticos, estamos perto desse número de casos. Isso significa que o vírus está a espalhar-se extremamente depressa”, afirmou Delfraissy à rádio RTL.

Eric Caumes, chefe do departamento de infeções e doenças tropicais do hospital Pitié-Salpêtrière, de Paris, disse que o país precisa de ser confinado novamente. “Perdemos o controlo da epidemia, mas isso não data de ontem. Perdemos o controlo da epidemia há várias semanas”, indicou à emissora Franceinfo.

Em França, somam-se mais de 1,1 milhões de casos e 34 761 mortos. O número de óbitos confirmados na Europa ultrapassou os 250 mil, de acordo com uma contagem da Universidade Johns Hopkins, que estima o número global em mais de 1,1 milhões.

Bélgica quer transferir doentes para os Países Baixos

De acordo com o Diário de Notícias, as autoridades sanitárias da Bélgica solicitaram ao governo de Haia para aceitarem a transferência de doentes para os Países Baixos.

O país confirmou o pedido mas, “por enquanto”, não tem lugares vagos do outro lado da fronteira.

Segundo Ernst Kuipers, presidente da National Acute Care Network nos Países Baixos, é “de momento é muito difícil e temos que fazer o nosso melhor para distribuir os nossos pacientes”, segundo a imprensa holandesa.

O dirigente não afasta uma resposta afirmativa ao pedido das autoridades belgas, mas reconhece que seria “muito difícil acomodá-los”, principalmente porque “ambos os países enfrentam um enorme desafio”.

Os Países Baixos registaram 13.192 novas infeções nesta segunda-feira e uma taxa de infecção de 1755.4 por 100 mil habitantes.

Já na Bélgica, o número de casos diários ultrapassa os 15 mil. Mais de 4.800 pessoas estão internadas e perto de 760 dependem de terapia intensiva.

O problema centra-se principalmente no sul do país, na região de Liège. Porém, a transferência para os hospitais da Flandres está afastada, uma vez que esta região norte do país está a “10 dias de distância” de atingir a média do restante território.

Em Bruxelas, a partir desta segunda-feira é proibido sair à rua entre as 22h e as 6h e governo decretou novamente a utilização de máscara como medida obrigatória.

Europa é epicentro, mas pode evitar confinamento

A Europa é novamente o epicentro global da pandemia da covid-19, mas podem ser tomadas medidas para evitar recorrer outra vez ao confinamento, afirmaram esta segunda-feira especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS).

“A Europa é mais uma vez o epicentro da doença, mas ainda podemos reverter esta tendência”, disse o diretor de emergências sanitárias da OMS, Mike Ryan, que pediu “maiores sacrifícios” e que se siga o exemplo de países que conseguiram evitar novas ondas da covid-19.

A diretora técnica da OMS para a covid-19, Maria Van Kerkhove, acrescentou que os especialistas “ainda têm a esperança de que não sejam necessários novos confinamentos nacionais”, como aqueles implementados na primavera no hemisfério norte e que se possa controlar as cadeias de transmissão com outras ferramentas como o rastreio de contactos.

“Os países da Europa conseguiram controlar a doença na primavera e no verão, podem voltar a fazê-lo e vão fazê-lo“, afirmou a especialista norte-americana, que destacou que o confinamento em massa das populações pode ser evitado “se todos fizerem a sua parte e fizerem sacrifícios individuais”.

Tais sacrifícios, sublinhou, vão desde evitar lugares lotados a adiar grandes encontros, “decisões difíceis que devem ser tomadas para reduzir a exposição”.

Maria Van Kerkhove também afirmou que “deve ser tudo feito para manter as escolas abertas”, depois de a primeira vaga da pandemia ter obrigado a encerrar os estabelecimentos de ensino durante vários meses.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou por sua vez que a organização “compreende o cansaço físico e mental” que a pandemia está a causar em algumas sociedades que tiveram que trabalhar mais em casa, não puderam organizar grandes celebrações em grande parte do ano ou nem sequer tiveram a possibilidade de dizer adeus aos entes queridos que faleceram.

“O cansaço é real, mas não devemos desistir”, sublinhou, pedindo aos líderes políticos que façam todos os possíveis para proteger os profissionais de saúde e evitar que os hospitais e unidades de cuidados intensivos atinjam o limite da sua capacidade.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (44.896 mortos, mais de 873 mil casos), seguindo-se Itália (37.479 mortos, mais de 542 mil casos), França (34.761 mortos, mais de um 1,1 milhões de casos) e Espanha (35.031 mortos, mais de 1,098 milhões de casos).

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

    • Simples, posições diferentes frente Pandemias. E não é só a China, Singapura, Taiwan, Japão… etc. A economia boa, é uma consequência da do controlo sanitário.

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …