Bélgica enfrenta “tsunami” de infeções. Irlanda e País de Gales são os primeiros a voltar a confinar

Stephanie Lecocq / EPA

O número de casos de covid-19 na Bélgica está a aumentar a um nível galopante, sendo que o ministro da Saúde se refere mesmo a um “tsunami” de infeções. Entretanto, já há países europeus a regressar ao confinamento total.

A Bélgica está a enfrentar um “tsunami” de infeções, segundo alertou o ministro da Saúde, Frank Vandenbroucke, numa entrevista à RTL.

O governante disse que os belgas precisam de mudar radicalmente o seu comportamento para controlar os contágios.



Para Vandenbroucke, a situação na Valónia e na capital, Bruxelas é “a pior, e por isso a mais perigosa de toda a Europa”.

“Somos a região mais afetada em toda a Europa. Estamos muito perto de um tsunami… em que já não controlaremos o que está a acontecer. Agora ainda controlamos o que acontece, mas com enormes dificuldades e esforço”, disse Vandenbroucke.

A partir desta segunda-feira e durante quatro semanas, todos os bares e restaurantes do país vão fechar. A venda de álcool está proibida a partir das 20h e entra em vigor o recolher obrigatório entre a meia-noite e as 5h.

Os belgas só podem ter um contacto próximo fora do agregado familiar. As visitas em casa também estão limitadas a quatro pessoas desde que mantenham o distanciamento social.

O novo primeiro-ministro belga, Alexander De Croo, admitiu que a situação na Bélgica é pior agora do que foi em março, quando o país foi colocado em confinamento.

Nos últimos 14 dias, a Bélgica registou 756 infeções por cem mil habitantes. Ao todo, a Bélgica, com uma população de 11,6 milhões, já registou mais de 222 mil casos e mais de dez mil mortos de covid-19.

Primeiro país da UE regressa ao confinamento

A Irlanda decretou esta segunda-feira o alerta máximo do plano de combate à pandemia de covid-19, que obriga os cidadãos a permanecerem em casa e o encerramento de bares, restaurantes e comércios não essenciais, mantendo abertas escolas e creches.

O novo confinamento, menos restrito que o imposto na primeira vaga da pandemia do novo coronavírus, entrará em vigor na próxima quinta-feira e durará seis semanas, prevendo levantar progressivamente as restrições até ao início de dezembro, para que a economia possa recuperar durante o período natalício.

Com as novas restrições, os bares e restaurante apenas poderão oferecer o serviço de venda de comida para fora, serão proibidas todas as reuniões familiares e não serão permitidas visitas a outras residências.

Para quem vive sozinho foi criado um programa para permitir às pessoas em risco de isolamento social ou com problemas de saúde mental receber outras pessoas em casa.

As deslocações não essenciais, como passeios ou saídas de casa para exercícios físicos, serão limitadas a um raio de cinco quilómetros.

A população só poderá abandonar os respetivos condados para trabalhar, estudar ou “por outros propósitos essenciais”, apesar de o governo recomendar que se trabalhe a partir de casa sempre que tal for possível.

Os serviços de transporte vão passar a funcionar com 25% da capacidade – apenas para trabalhadores essenciais.

País de Gales também impõe confinamento total

Já o País de Gales vai impor, partir de sexta-feira, um confinamento total de duas semanas para tentar reduzir os contágios pelo novo coronavírus, anunciou o primeiro-ministro Mark Drakeford.

Segundo as regras, todas as pessoas têm de ficar em casa – exceto os trabalhadores essenciais, que podem continuar a deslocar-se para o trabalho.

Os ajuntamentos estão proibidos e os contactos limitados ao agregado familiar – com exceção dos adultos que vivam sozinhos e os pais solteiros.

“Um período de confinamento para quebrar as cadeias de contágio é a nossa melhor hipótese de recuperar o controlo do vírus e evitar um confinamento mais longo e prejudicial a nível nacional”, afirmou Drakeford. “Se não agirmos agora, o NHS (o serviço nacional de saúde britânico) não vai conseguir dar resposta ao número de pessoas que vão ficar doentes”.

Na próxima semana, as escolas vão também encerrar para um período de férias, deixando apenas abertas as escolas primárias, os estabelecimentos de ensino especial e os infantários.

Em Espanha, Navarra, com cerca de 650 mil pessoas, vai ficar confinada a partir de quinta-feira e durante 15 dias – exceto para casos excecionais, como trabalho, serviços essenciais ou de emergência.

A presidente do Governo de Navarra, María Chivite, anunciou além do confinamento, o encerramento às 21h de bares, restaurantes e outros estabelecimentos desportivos e culturais, bem como a restrição de reuniões fora do agregado familiar.

Em Espanha, mais de 5,6 milhões de pessoas são já alvo de medidas idênticas, tomadas principalmente ao nível de municípios, como por exemplo as mais de 3,2 milhões na capital do país, Madrid.

Estas medidas, que afetam um total de 36 municípios, 16 dos quais em Madrid e nove em Castela e Leão, procuram evitar um regresso ao confinamento domiciliário, como aconteceu aquando da primeira vaga da pandemia de covid-19, e vão na mesma linha da Europa, onde as restrições são reforçadas e o recolher obrigatório foi mesmo adotado em cidades como Paris.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …