“Não podemos brincar em serviço”. Marcelo convicto na renovação do estado de emergência até 1 de maio

Mário Cruz / Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que vai renovar novamente o estado de emergência até ao dia 1 de maio.

Apesar de ainda faltar ouvir os especialistas de saúde pública e o Governo, o Presidente da República está convicto sobre o que vai propor em relação ao estado de emergência em Portugal.

“Está formada a minha convicção quanto à renovação do estado de emergência até ao dia 1 de maio. Não podemos brincar em serviço, não podemos afrouxar”, disse, em comunicação ao país.

No dia em que o número de infetados e mortos por causa do coronavírus registou uma evolução menos positiva do que nos dias anteriores, Marcelo Rebelo de Sousa baixou as expectativas sobre a saída do estado de emergência e alertou parar os riscos que ainda existem.

“Avisei que os portugueses deveriam estar preparados para o número de casos subir. Preparei os portugueses para essa eventualidade. O número de hoje representa como quase que uma duplicação do número dos últimos dias. Significa que temos de estar muito focados num combate que não está totalmente ganho. Por isso é que o esforço desta Páscoa é tão importante, disse.

O Presidente da República deixou apoio à proposta apresentada pelo Governo sobre as medidas para o término do ano letivo. “Não há propostas perfeitas nestas circunstâncias, não há como ter uma recuperação integral do tempo perdido, evitar desigualdades entre crianças e famílias, não há como encontrar a melhor forma de avaliação da matéria à medida do que seria normal num ano letivo normal. O que se encontrou foi a solução possível e no meio de muitas incertezas.”

Em relação ao acordo a que chegou o Eurogrupo na quinta-feira, Marcelo disse que “ainda bem que existiu. 4.600 milhões de euros no caso português. É uma ajuda, mas é um começo, a Europa tem a obrigação de ir mais longe no futuro. Fez isto, que é curto, antes ter feito do que não ter feito, mas é preciso olhar para a reconstrução europeia”.

O boletim diário da Direção-Geral de Saúde (DGS) desta sexta-feira revela que Portugal tem 435 mortos e 15.472 infetados devido à pandemia provocada pela covid-19.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. As declarações do presidente Sousa não possuem qualquer fundamento pois as medidas de estado de emergência, isolamento social, distanciamento social, quarentena, são amplamente refutadas pela comunidade médica e científica a nível internacional, não sendo compreensível o silêncio cúmplice desses sectores em Portugal que são assim coniventes com a prisão domiciliária que foi imposta aos cidadãos.

    Nunca ao longo da história se procedeu ao isolamento da população saudável para combater uma doença; isso vai contra as leis da ciência, da medicina, da matemática, e da natureza.

    Por muito que custe à presidência da República, ao governo, e aos partidos que se encontram na Assembleia da República (AR), não estamos na Idade Média, e uma crise económica não se supera com recolheres obrigatórios mas sim chamando os cidadãos a colaborar na resolução da mesma como verdadeiros patriotas orgulhosos da República que são e do país que é Portugal.

    • Mais uma pérola do maior alucinado que tem aparecido por aqui!…
      Tu nem sequer percebes o que se passa à tua volta, quanto mais o que comunidade científica diz…

    • Há gente que realmente mete medo, seja por serem ignorantes ou tomar os outros por parvos !…..Este tipo de comentário, da autoria do Ilustre Figueiredo, revela o que de pior pode haver num individuo, ou seja pura e simplesmente negar a realidade. Desculpe Sr. Figueiredo, mas visivelmente não parece estar consciente do que afirma. Ou foi o Bolsonaro que o influenciou ????…só lhe desejo uma coisa simples de minha parte, que não venha a ser um Dia vitima deste inimigo invisível ! Boa Pascoa !

  2. E quando chegar 1 de Maio, irá renovar novamente ? Se continuar assim será renovado até 2021. Enquanto isso o povo perde todas as liberdades individuais. Maravilha de solução.

Covid-19. Tóquio quer pagar até quatro mil euros a bares que fiquem fechados

As autoridades de Tóquio, no Japão, estão a ponderar pagar um subsídio, que pode chegar aos quatro mil euros, aos bares que se mantenham fechados para conter a propagação da covid-19 na cidade. De acordo com …

Médicos franceses detetaram primeiro caso de bebé infetado no útero

Médicos em França pensam ter identificado aquele que será o primeiro caso confirmado de um bebé infetado com covid-19 no útero materno. De acordo com o site Business Insider, a equipa médica conta que a …

17 anos depois, Estados Unidos voltam a aplicar a pena capital a nível federal

Os Estados Unidos procederam, esta terça-feira, à primeira execução federal de um prisioneiro no "corredor da morte" em 17 anos, através de uma injeção letal. Daniel Lewis Lee, 47 anos, natural de Yukon (Oklahoma), foi executado …

Com o pretexto de paz, "senhor da guerra" vai ganhando poder na República Centro-Africana

O "senhor da guerra" Ali Darassa foi pago pelo presidente da República Centro-Africana e já influenciou a demissão de um ministro numa tentativa de manter a paz no país. A República Centro-Africana é um país atormentado …

Ministério Público acusa 25 arguidos pela queda do BES

O Ministério Público deduziu acusação, esta terça-feira, contra 25 arguidos, 18 pessoas singulares e sete pessoas coletivas, no âmbito do processo sobre a queda do Universo Espírito Santo. "O Ministério Público do Departamento Central de Investigação …

Agora, até o Toyota Corolla é um crossover

O Toyota Corolla Cross é o mais recente SUV da marca japonesa. Apesar de a marca estar a reforçar a sua gama de SUV, Portugal terá de esperar mais um pouco. Na semana passada, a Toyota …

Da Escócia à Grécia, Kleon pedalou durante 48 dias para regressar a casa

Um jovem grego, "preso" na Escócia devido ao cancelamento dos voos por causa da pandemia de covid-19, decidiu pedalar durante 48 dias consecutivos para conseguir regressar a casa. De acordo com a CNN, Kleon Papadimitriou, de …

Após fugirem da Venezuela, milhares foram obrigados a regressar por causa da pandemia (mas não é assim tão fácil)

Desde 2016, quase cinco milhões de venezuelanos deixaram o país, fugindo da pobreza e dos serviços sociais e de saúde em colapso. Agora, a pandemia de covid-19 forçou-os a regressar à Venezuela - se o …

Costa defende na Hungria que Estado de direito não deve ser associado à recuperação

O primeiro-ministro defendeu, esta terça-feira, à saída de uma reunião com o seu homólogo húngaro que a questão do Estado de direito, embora "central" para Portugal, não deve ser relacionada com as negociações sobre o …

Pandemia não dá tréguas nos EUA. Nem a relação entre Trump e Fauci

O Presidente dos Estados Unidos não esconde a relação tensa que mantém com um dos principais conselheiros científicos da Casa Branca. No último fim-de-semana, um membro da sua administração disse mesmo que há "preocupação" devido …