Nancy Pelosi tem “provas suficientes” para destituir Donald Trump

Gage Skidmore / Flickr

A senadora democrata, Nancy Pelosi

A líder do Partido Democrata no Congresso dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse este domingo ter “provas suficientes” para o impeachment do presidente Donald Trump.

“Acreditamos que há provas suficientes para destituir o presidente”, disse a congressista da Califórnia à rede de televisão ABC. Pelosi aprovou na sexta-feira o envio da acusação contra Trump ao Senado na próxima semana, abrindo caminho para o julgamento do processo de impeachment.

A líder democrata confirmou neste domingo que reunirá com os seus correligionários na terça-feira para definir o calendário.

O republicano Donald Trump é o terceiro presidente da história dos Estados Unidos a enfrentar um processo de impeachment no Congresso. A oposição democrata acusa o presidente de abuso de poder, ao pedir à Ucrânia para investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, um possível adversário do presidente nas eleições de novembro.

O processo de impeachment tem poucas hipóteses de sucesso no Senado, uma vez que os republicanos são a maioria nesta casa legislativa, ainda assim Nancy Pelosi mostrou-se confiante.

Trump diz que vai impedir Bolton de testemunhar

Numa entrevista à Fox News, o presidente dos Estados Unidos, que enfrenta um processo de impeachment, avançou a possibilidade de invocar o privilégio executivo para impedir o testemunho de John Bolton, justificando-se com o superior interesse da Casa Branca.

Donald Trump disse que “adoraria que todos testemunhassem”, incluindo Bolton, o secretário de Estado Mike Pompeo e o chefe de gabinete interino Mick Mulvaney. “Mas há coisas que não se pode fazer do ponto de vista do privilégio executivo. Especialmente um conselheiro de segurança nacional. Não pode tê-lo a explicar todas suas afirmações sobre segurança nacional a respeito da Rússia, da China, da Coreia norte, tudo. Simplesmente não pode fazer isso”, disse. “Acho que tem que ser, a bem do gabinete.”

John Bolton, que até agora se tinha mostrado indisponível para falar, declarou recentemente que daria o seu testemunho se para isso fosse intimado. Num comunicado divulgado no início do ano, disse que avaliou as sérias questões que estão em causa, pesando as suas obrigações, como cidadão e como ex-conselheiro de segurança nacional e concluiu que estava preparado para testemunhar.

Gage Skidmore / Flickr

Gage Skidmore

John Bolton, ex-conselheiro nacional de segurança de Donald Trump

Os democratas acreditam que o ex-assessor pode ter informação chave para esclarecer o caso das pressões sobre a Ucrânia feitas pelo inquilino da Casa Branca.

A saída de John Bolton, despedido em setembro por Trump, ocorreu quando o presidente procurava aberturas diplomáticas com dois dos inimigos mais intratáveis ​​dos Estados Unidos, esforços que são divergentes das ideias de pessoas como Bolton, que vê a Coreia do Norte e o Irão como não confiáveis.

O Presidente norte-americano foi acusado de pressionar o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar o seu rival político e ex-vice-Presidente Joe Biden.

Esta chamada, cuja transcrição foi revelada na última semana após a queixa de um denunciante, levou os democratas a darem início a um processo de impeachment presidencial. Na segunda-feira, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, recebeu uma intimação relacionada com os seus contactos com as autoridades ucranianas.

Mais tarde, o Governo australiano confirmou que houve uma segunda chamada, em que Donald Trump pressionou o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para que este o ajudasse a descredibilizar a investigação do procurador especial Robert Mueller. O governo australiano confirmou que a chamada aconteceu e que o primeiro-ministro concordou em ajudar.

A Casa Branca restringiu o acesso à transcrição da conversa telefónica entre o Presidente dos EUA e o primeiro-ministro da Austrália a um pequeno grupo de assessores. A decisão é invulgar mas semelhante à que foi tomada no caso da chamada com o Presidente da Ucrânia.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Cambada de delinquentes estes democratas da treta que desde a hora zero que Trump ganhou nada fazem pelos EUA a não ser deitar abaixo o homem democraticamente eleito, quer se goste ou não, o povo escolheu, está decidido!

      • Existe uma máfia chamada grupo de Bilderberg que influencia eleições em todos os países em Portugal então desde o 25 de Abril que não há um PM ou PR que chegue ao poder sem a benção deles, o próprio 25 de Abril teve a intervenção deles via NATO quer com uma frota Nato que estava no Tejo e impediu a reação das forças nacionais, quer depois na distribuição dos cravos que não havia em Portugal e são o simbolo da família Rothschild ( donos do mundo e patrocinadores da revolução para nos ficarem com as colonias) existe outra chamada maçonaria e outra chamada opus dei que faz o mesmo, já para não falar nas internacionais disto e daquilo. Ele da Russia não recebeu qualquer ajuda isso já se provou. nem ele precisava tem o que basta. Agora veja ele não recebe ordenado, não ganha nada em ser presidente até porque a Casa Branca comparada à dele é uma pocilga, não recebe ordenado, reduziu o desemprego de forma brutal, está a limpar o pântano, pedófilos presos desde que entrou são às dezenas de milhares, acabou com as guerras, você tem 2 acções pontuais desde que ele assumiu o poder uma na Síria e esta agora depois de muita provocação do Irão. Quem me dera a mim um homem destes para Portugal!

    • O único problema é que ele foi efectivamente eleito democraticaRUSSAmente….daí os problemas todos, aliados naturalmente a um presidente que não nasceu para presidir um país e que tem graves problemas com a autoridade bem como o fato de ser mentiroso compulsivo…

RESPONDER

Montezemolo revelou o sonho que Ayrton Senna não cumpriu

O antigo presidente da equipa da Ferrari, Luca di Montezemolo, revelou que o seu maior arrependimento foi não ter conseguido levar Ayrto Senna para a equipa. Em 1994, Ayrton Senna morreu de forma trágica quando perdeu o …

Friends: atores já terminaram as gravações do episódio especial

Ainda antes de os talk shows serem suspensos devido à COVID-19, Matt LeBlanc foi um dos convidados do The Kelly Clarkson Show, onde confirmou que as gravações do episódio especial de FRIENDS estavam concluídas. O programa …

YouTube remove vídeos que vinculam falsamente a Covid-19 ao 5G

A onda de teorias falsas que ligam a pandemia da COVID-19 ao 5G levou a uma série de incidentes, incluindo ameaças a engenheiros. Agora, o YouTube está a reprimir essa desinformação. O YouTube informou que removerá …

Engenheiros construiram um ventilador caseiro. Pode servir como "último recurso"

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Vanderbilt, nos Estados Unidos, construiu um ventilador caseiro que pode ser usado como último recurso. A pandemia de covid-19 continua a desafiar as comunidades médicas e uma das ameaças …

Sepultura de genocídio encontrada no Ruanda pode conter 30 mil corpos

No Ruanda, foi encontrada uma sepultura que pode conter 30 mil vítimas do genocídio no país em 1994. Cerca de 800 mil tutsis e hutus moderados foram assassinados. Mais de 25 anos depois de um genocídio …

Belenenses SAD entra parcialmente em lay-off

"A indústria do futebol está entre as mais atingidas pelos efeitos da pandemia", que provocou a suspensão de praticamente todas as provas futebolísticas, destaca o Belenenses SAD. O Belenenses SAD, da I Liga de futebol, entrou …

Dois milhões de máscaras furtadas em Espanha podem ter sido vendidas em Portugal

O equipamento médico e sanitário furtado está avaliado em cinco milhões de euros e terá sido adquirido por uma empresa portuguesa que conhecia a proveniência do material. Um empresário de Santiago de Compostela foi detido por, …

Facebook terá tentado comprar um software de espionagem em 2017

O Facebook tem estado envolvido em vários escândalos e o mais recente está relacionado com a alegada compra da ferramenta Pegasus, usada para hackear iPhones. A empresa de segurança informática NSO Group, responsável pela Pegasus, alega …

Primeiro-ministro espanhol diz que coronavírus desafia o futuro da UE. E fá-lo em sete idiomas

O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez publicou no domingo um artigo em sete idiomas europeus, argumentando que o coronavírus pode ser a ruína da União europeia (UE) caso não sejam tomadas medidas mais drásticas para lidar …

Viseiras de Leiria despertam cobiça. Bélgica e EUA queriam comprar toda a produção

Várias empresas de moldes e plásticos da região de Leiria estão a fabricar viseiras de protecção contra a Covid-19. Uma adaptação em tempos de pandemia que está a levantar atenção no estrangeiro, com EUA e …