Trump pressionou primeiro-ministro australiano para tentar descredibilizar investigação de Mueller

O Presidente dos EUA, Donald Trump, pressionou recentemente o primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, para que este o ajudasse a descredibilizar a investigação do procurador especial Robert Mueller.

A informação foi avançada esta segunda-feira pelo jornal norte-americano The New York Times, que cita duas fontes familiarizadas com a chamada telefónica.

O Governo australiano confirmou que a chamada aconteceu e que o primeiro-ministro concordou em ajudar. Trata-se do segundo telefonema com um líder estrangeiro a comprometer Trump nos últimos dias. Na sequência do outro, o Presidente norte-americano foi acusado de pressionar o homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, a investigar o seu rival político e ex-vice-Presidente Joe Biden.

Esta chamada, cuja transcrição foi revelada na última semana após a queixa de um denunciante, levou os democratas a darem início a um processo de impeachment presidencial. Na segunda-feira, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, recebeu uma intimação relacionada com os seus contactos com as autoridades ucranianas.

A Casa Branca restringiu o acesso à transcrição da conversa telefónica entre o Presidente dos EUA e o primeiro-ministro da Austrália a um pequeno grupo de assessores. A decisão é invulgar mas semelhante à que foi tomada no caso da chamada com o Presidente da Ucrânia.

Num comunicado divulgado esta terça-feira, e citado pela ABC, o Governo australiano referiu que “sempre esteve disponível para cooperar com esforços que ajudem a esclarecer melhor as questões sob investigação”. “O primeiro-ministro confirmou novamente essa disponibilidade”, acrescentou a nota.

A equipa de Mueller revelou que a sua investigação não permitiu concluir que a campanha de Trump conspirara criminalmente com a Rússia para influenciar as eleições de 2016. No entanto, a investigação também não ilibou o Presidente de conluio, tendo delineado um extenso caso de obstrução à justiça contra Trump.

Em maio, após a divulgação das conclusões da investigação, que definiu sempre como uma “caça às bruxas”, o Presidente dos EUA anunciou que o seu procurador-geral, William Barr, analisaria o modo como a investigação teve início. Pouco tempo depois, o embaixador da Austrália em Washington, Joe Hockey, escreveu à Casa Branca oferecendo ajuda, revela a imprensa australiana.

O líder conservador da Austrália conta-se entre os aliados internacionais mais próximos de Trump e foi recebido na Casa Branca com um jantar de Estado na semana passada. Segundo o NYT, a chamada telefónica aconteceu pouco antes da visita de Morrison.

De acordo com o Washington Post, William Barr teve reuniões privadas com agentes das secretas de vários países, incluindo do Reino Unido e de Itália, para pedir ajuda para a investigação ao inquérito Mueller.

Uma porta-voz do Departamento da Justiça, Kerri Kupec, confirmou que o procurador encarregado do caso, John Durham, “está a reunir informação de várias fontes, incluindo alguns países estrangeiros”. Confirmou que, “a pedido do procurador-geral Barr”, o Presidente “contactou outros países para pedir-lhes que apresentem o procurador-geral e o senhor Durham aos responsáveis apropriados”.

A investigação ao eventual conluio entre Trump e o Kremlin foi parcialmente desencadeada após autoridades australianas terem comunicado ao FBI as preocupações de um diplomata destacado. Alexander Downer, então alto comissário da Austrália no Reino Unido, revelou que George Papadopoulos, antigo conselheiro de Trump, lhe havia dito em maio de 2016 que Moscovo tinha informações incriminatórias sobre Hillary Clinton.

Porém, Papadopoulos nega alguma vez ter discutido o assunto. Em 2018, cumpriu uma pena de prisão de duas semanas depois de se declarar culpado de mentir ao FBI sobre encontros que manteve com alegados intermediários da Rússia.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

RESPONDER

OSIRIS-REx recolheu demasiadas amostras do Bennu (e está a perder parte delas)

A NASA revelou que a sonda OSIRIS-REx conseguiu recolher uma grande amostra de partículas do asteróide Bennu - tanto material que fez com que a tampa do compartimento não fechasse corretamente. Na semana passada, a sonda …

Cientistas captam atmosfera de um extraordinário exoplaneta que não deveria existir

Uma equipa de cientistas da Universidade do Kansas, nos Estados Unidos, captou a atmosfera de um exoplaneta "que não deveria existir" ao analisar dados do telescópio TESS da agência espacial norte-americana (NASA). O planeta em causa …

Refrigerantes light causam o mesmo risco de doenças cardíacas que bebidas normais

Um novo estudo da Universidade Sorbonne, em Paris, descobriu que bebidas adoçadas artificialmente - como as light, diet e zero - podem ser tão prejudiciais para o coração quanto os refrigerantes normais. Os investigadores, que acompanharam …

“Monstro patológico”. Documento revela que Henrique VIII planeou decapitação de Ana Bolena

Uma equipa de investigadores encontrou um livro que contém instruções específicas do rei Henrique VIII que mostram que o monarca queria que a sua segunda esposa, Ana Bolena, fosse executada. Neste documento, o rei Henrique VIII …

Robô humanóide sem cabeça empilha e carrega caixas (e já está à venda)

A fabricante de robôs Agility construiu um robô humanóide bípede chamado Digit, que consegue carregar caixas e que está a ser vendido por 250 mil dólares. De acordo com o TechXplore, o robô Digit foi projetado …

Porto 2-0 Olympiacos | Chama do “dragão” trava gregos

O FC Porto venceu na noite desta terça-feira o Olympiacos por 2-0, numa partida relativa à segunda jornada do Grupo C da Liga dos Campeões, sob o olhar dos cerca de 3750 adeptos que se …

Antigos maias construíram filtros de água sofisticados (capazes de funcionar nos dias de hoje)

De acordo com uma pesquisa da Universidade de Cincinnati (UC), os antigos maias da cidade de Tikal construíram sofisticados filtros de água através do uso de materiais naturais importados. Os investigadores da UC descobriram evidências de …

Como é que as pandemias acabam? A História sugere que as doenças vêm para ficar (durante milénios)

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia veio ajudar a controlá-la. No entanto, epidemiologistas acreditam que as doenças infeciosas, como é o caso da covid-19, nunca desaparecem.  Ao longo dos …

ONG identifica entidades norte-americanas como "cúmplices" da destruição da Amazónia

Seis instituições financeiras norte-americanas são apontadas como "cúmplices" da destruição ambiental na Amazónia brasileira, assim como da violação dos direitos das comunidades indígenas da região, segundo um relatório de organizações não-governamentais (ONG). Um estudo elaborado pela …

OE2021. Uma morte anunciada da geringonça e o temor das coligações negativas

Já há confirmação de que a proposta do Orçamento do Estado para 2021 vai ser aprovada na generalidade, esta quarta-feira. O primeiro-ministro já só pensa na discussão na especialidade, na qual se avizinham os maiores …